May 16, 2012

Jogaço

El Greco, “O martírio de S. Maurício” (1580-1581) (Reprodução)

O  jogo de hoje à noite, em que o Corinthians enfrentará o Vasco da Gama, tem tudo para ser uma grande partida.
O  Corinthians sabe o que enfrentará. São Januário é uma zona de guerra em dias como este. O Timão terá probelmas da chegada à saída. E não será apenas a torcida que sofrerá todo tipo de problema. Os jogadores terão confusão na porta do vestiário, na sala de uniformes e até na fase de aquecimento da equipe. É assim em São Januário. E não há razão para temer ou tremer.

O Corinthians tem um time equilibrado, bem organizado e poderá fazer uma ótima partida. Terá o problema no ataque, pois estamos praticamente sem centro-avante típico. Mas isso não é motivo para lamentar. Com um time aguerrido, organizado e tocando bola, vamos para vencer.

Esta é uma partida que tem 180 minutos. Começa no Rio e termina em São Paulo, na próxima quarta-feira. Não há necessidade de decidir o jogo nos primeiros 10 minutos. Em São Januário o tempo jogará conosco. E o time do Vasco quer (e gosta) de jogar no contra-ataque. Calma e dedicação.
E vamos para vencer.

Sem sentido

Não entendo a razão desta relação amistosa entre torcedores do Vasco e do Palestra.
O time carioca, com algumas características do Corinthians é o Vasco. Um clube popular, nascido na periferia, aberto e sem racismo. Como o Timão, aceitou pessoas de todas as origens, inclusive os negros. Diferente é o Palestra, que só após a Segunda Guerra retirou de seus estatutos restrições racistas de todo tipo.

Por esta razão, não entendo a torcida vascaína, juntando-se aos palestrinos. Suas origens são diferentes e de caminhos opostos.  
Ou será que querem apagar sua bonita  história da colônia portuguesa?

Reclamar

Criticar arbitragem, quando ela erra, é um direito de todos.
Mas ficar com a mania de que será prejudicado pelo juiz, antes da partida e sem antecedentes de malandragem, é um erro. Vira coisa de chorão. E isso é péssimo. Vejam o Inter. Abriu a boca, é choro. Vamos manter a linha. Criticar, talvez, mas não chorar.

May 15, 2012

Um Parreira à paulista

 

Amedeo Modigliani, “Grande Figura Nua Deitada”, 1918.

EXPOSIÇÃO: AMEDEO MODIGLIANI NO MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO
QUANDO: Abre amanhã, dia 16/5, às 19h30, para convidados; de ter. a dom., das 11h às 18h; qui., das 11h às 20h; até 15/7.
ONDE: Masp (av. Paulista, 1.578, tel. 0/xx/11/3251-5644).  ACESSO: Estação de Metrô Trianon-MASP.
QUANTO R$ 15.

 

Neste dia (15 de maio), há 10 anos, o técnico Carlos Alberto Parreira vivia um momento ímpar em sua vitoriosa carreira.
O Corinthians, time que ele dirigia, ganhava naquela noite, em Brasília, a Copa do Brasil. Três dias antes havia conquistado no Morumbi o Torneio Rio-S.Paulo, que reunia as 16 principais equipes cariocas e paulistas. Foi um momento especial em sua carreira, como ele mesmo falaria tempos depois.

Quando Parreira chegou ao Corinthians, era um técnico para lá de contestado, especialmente em São Paulo, pela mídia e pelos torcedores.
Sua fama de retranqueiro era o mínimo de que se falava. Embora já tivesse um longa carreira com grandes vitórias (como Campeão do Mundo pela Seleção Brasileira nos EUA, 1994; Campeão Nacional com o Fluminense (embora tivesse dirigido a equipe somente na parte final do campeonato), Parreira era impiedosamente criticado. Tanto que, alguns dias antes de ser contratado pelo Corinthians, em grande entrevista, disse que não desejava dirigir qualquer Clube no ano de 2002, após sua passagem pelo Inter de Porto Alegre.

A mídia paulista era especialmente azeda com Parreira.
Acusavam-no de ter um discurso muito refinado (incompatível com o futebol, segundo eles). Não era um boleiro e os jogadores não “gostavam” disso. Por outro lado, havia a dramática passagem pelo SPFC, alguns anos antes.  Logo após conquistar o Campeonato do Mundo, chegou ao Tricolor, que era todo festa. Seria a reunião de um time diferenciado, com um técnico  que falava sem erros de linguagem, tão ao gosto dos lordes. Foi um fracasso total. Creio que Parreira nunca esqueceu o “conto do vigário” em que caiu.  Aquilo que a mídia dizia ser um “Olimpo”, na verdade se tratava de um Clube com métodos quase varzeano.
Que levaria o treinador a um curto (e inesquecível) período no Tricolor.

No dia de sua apresentação no Corinthians,  a Diretoria alvinegra quase foi massacrada pelos jornalistas, que “queriam  vingança” por Parreira não ter vencido no São Paulo. Poucas foram as vozes que divergiram, vendo em Parreira um profissional de alto nível, sério e competente.

O tempo se encarregou de mostrar que o ex-técnico da Seleção era – na verdade – um treinador ideal para um grande Clube. Organizado, sua Comissão Técnica tinha toda a programação do ano. De treinos técnicos, jogos, coletivos e até dias de rachão. E ele sempre gostou de fazer o que poucos técnicos apreciam: treinar. Treinar o tempo todo, sempre cobrando disciplina em campo.

Sua vitoriosa passagem pelo Corinthians marcou sua carreira. Decorridos 10 anos daquela conquista, ele se tornou um técnico que deixou imensa saudade e uma marca positiva entre os corinthianos. Após aquela temporada, desapareceram os rótulos acusando-o de retranqueiro, despreparado e anti-futebolista. E ele merece todo o respeito por ser um profissional correto, sério competente e vitorioso.
E nós do Corinthians agradecemos. Muito.

Não esquecem 

O que leva uma torcida, na hora em que seu time é campeão, gritar e cantar xingamentos contra um adversário que não estava ali?
Simples. Freud explicaria bem. Não se esquecem do adversário – em qualquer situação – porque queriam, na verdade, não o título,  mas o status e a grandeza que correspondem ao outro e eles não têm.

Mônica e Sônia

A coluna de hoje da Mônica Bérgamo, na Folha, e a da Sônia Racy, no Estadão, deveriam circular juntas.
Todas as fotos são iguais. Torcedores “famosos” – a maioria banqueiros – num camarote no Morumbi, no último domingo. Será que apareciam para prestigiar a equipe deles? Não creio. Talvez  fosse mais um banqueiro querendo melhorar sua  imagem diante do público (Vejam, eles vão ao futebol!  então são gente comum…) do que para mostrar a força do time.

Bom exemplo 

O Blog do Birner, no dia de hoje, publica uma interessante matéria sobre a briga do SPFC/Inter/Oscar/ Bertolucci.
Um membro de um Tribunal Superior – onde tramita o caso – vai se dar por impedido na matéria, por ser torcedor militante do São Paulo. É um exemplo que deve ser destacado. Em tese, a imparcialidade em casos como este, estaria comprometida. Mas faz bem o juiz em se afastar da questão. Há outros casos idênticos a esse. E alguns onde o comportamento foi no sentido contrário.
Devemos aplaudir o magistrado lembrado pelo Blog do Birner e  não nos esquecer dos que fizeram de maneira diversa.

May 15, 2012

Dez anos!

Corinthians, campeão da Copa do Brasil, 2002.


 

 

Corinthians, campeão do Rio-São Paulo, 2002.



May 14, 2012

2 títulos em 3 dias

 

(Aldo Bonadei. “Abstrato” (1962) (Reprodução))

Há 10 anos o Corinthians ganhava dois títulos em uma mesma semana.
Foi uma jornada de intensa emoção, com o Timão vencedo o “Torneio  Rio-São Paulo” ( dia 12 de maio de 2002) e a “Copa do Brasil” em 15 de maio.

No domingo,  no Morumbi, o Corinthians conquistou o primeiro título (Rio-São Paulo), com um empate contra o São Paulo.
O Timão já havia vencido o primeiro jogo (3×2) em 5 de maio. O Torneio reunia as principais equipes cariocas e paulista. Eram 16 times  na disputa, que teve partidas emocionantes. No primeiro jogo da final, os gols do Corinthians foram de David, Gil e Leandro. No segundo jogo, o Corinthians conquistou a Taça com um empate no Morumbi. O gol do Timão foi de Rogério, aos 32 do segundo tempo. Para desespero dos tricolores, que vinham de uma série famosa de derrotas para o Coringão.

Na quarta-feira (dia 15) – ainda com um sabor de festa no ar –  com um empate com o Brasiliense, em Brasília,  o Corinthians ganhava a Copa do Brasil.
No primeiro jogo (dia 8), vencera a equipe da capital no Morumbi, por 2×1, com dois gols de Deivid. No empate em Brasília, também o gol do Timão foi de Deivid.

Esta é uma marca inesquecível para o Corinthians: dois títulos importantes em uma mesma semana.
A equipe corinthiana era dirigida pelo técnico Carlos Alberto Parreira e uma eficiente equipe de profissionais. O time-base daquela conquista era: Dida, Rogério, Anderson, Fábio Luciano; Fabrício, Vampeta, Ricardinho; Deivid, Gil e Leandro.

Dois títulos que a torcida corinthiana nunca esquece.

May 12, 2012

Agora vai

Saiu a primeira convocação da seleção brasileira da “era Marin”. Sem muitas novidades mas mostrando que o técnico entendeu o “pito” público dado pelo novo presidente. Nada de Ronaldinho gaúcho, aquele jogador que seria melhor que o Garrincha, segundo uma grande parte da imprensa ( Juca e Tostão, diziam isso). E com poucos nomes do Leste europeu  que tanto espanto andaram causando em convocações anteriores.

Acho que a nova convocação muda pouco nas encrencas da seleção. O presidente José Maria Marin vai continuar fazendo como sempre fez: aos poucos – sem alarde- ele vai  apertando cada vez mais o parafuso. Até que os atingidos peçam o boné para sair. Sua intervenção nas convocações foi um passo e tanto. Quer, porque quer, mostrar que é ele quem manda . E vai tocando.

O Painel FC( Folha) publica, nesta edição de sábado, duas notas contraditória. Na primeira (Conselho) anuncia que o ex-presidente do Corinthians  estaria para deixar o cargo de diretor da CBF. Antes tarde do que nunca, diria uma rádio que escuto.  Mas na segunda nota (Da água para o vinho) diz o oposto. Marin e Del Nero passaram a “rasgar elogios” a Andrés após uma visita ao ex-presidente Lula em S. Bernardo. Uma coisa ou outra. Está saindo ou está com prestígio alto. O jornal não explica porque o diretor da CBF não acompanhou Marin e Del Nero na visita ao ex-presidente. Deve ser ocupação pelo cargo.

Publicidade

O vice presidente do Corinthians tornou público que o clube continua trabalhando para conseguir um bom patrocínio para a camisa alvinegra. ” Nas próximas semanas” o assunto será resolvido, disse ele. Bom, e aquela história dos 50 milhões (por ano)  da montadora coreana, vazado por todo lado por blogs oficialistas ? Era papo furado? Chegaram a fotografar um “coreano” ou “japonês” (não sei bem) que estava no estádio, em jogo do Corinthians, para fechar o contrato. Nada. Só barulho na República.

A dificuldade na nova publicidade dos times de futebol tem duas explicações: a crise econômica mundial assusta muita empresa multinacional daqui. E a ausência do presidente Lula.

O ex-presidente foi o grande incentivador de que as empresas anunciassem no futebol. Nada ilegal ou imoral. Falava, por todo canto, que as empresas deveriam contratar com os clube. E todas as agremiações de futebol foram beneficiadas por Lula. Como sabemos, a maioria das empresas estão penduradas no BNDES, então é melhor entrar na onda. Por outro lado, os Fundos de Pensão controlam boa parte do capital das empresas e sempre atendem o pedido do presidente.

Com uma economia crescendo e o presidente só falando de futebol por todo lado  ocorreu um aumento das verbas no esporte. Sem o presidente Lula, e com a crise mundial, as empresas estão puxando os freios. Ai está a raiz da dificuldade.

No caso do Corinthians acrescente-se a ausência de Ronaldo. Este era um craque -no campo e fora dele- e poderia ajudar muito na contratação de uma empresa de publicidade. Vamos esperar e torcer.

Barraco Palestrino

Na últimas semanas- ou será nos últimos anos- o que vem ocorrendo no Palestra é de espantar mortos e vivos. Brigas de diretores, técnico, jogadores e torcedores numa confusão  por todo lado. E tratado pela mídia. Com discrição, é claro. Se por um acaso do destino tudo isso tivesse ocorrendo no Timão, o mundo cairia.

May 11, 2012

O que vier

(Reprodução)

Logo após a vitória do Corinthians sobre o Emelec no Pacaembu, a discussão ficava na escolha do melhor adversário a ser enfrentado nesta nova etapa da Libertadores.
Ainda no estádio, com os pênaltis sendo batidos na Argentina, alguns preferiam o Vasco, outros, queriam o Lanus  para o próximo jogo. Nesta fase da Libertadores não há escolha fácil  e qualquer adversário sempre será problema. Dizer que o melhor é o Vasco, porque nosso time conhece melhor o adversário, é argumento fraco. Falar que o Lanus seria melhor, porque o campeonato argentino está muito fraco, é chute.

A mídia, em geral, anda falando que os corinthianos preferiam o Vasco, porque é brasileiro e com isso querem atacar o Timão, dizendo que não gosta de jogar contra argentinos. É a balela de sempre da mídia, que está entrando em alto stress nos jogos do Timão. A única coisa certa para os próximos jogos será o sofrimento angustiante dos jornalistas, com o avanço do Corinthians.
Haja Maracujina  em estoque !

A nova lista do Mano

O técnico Mano Menezes convoca a Seleção com as novas regras da gestão José Maria Marin na CBF.
Agora, antes de ser divulgada  (48hs, para ser exato), o novo Presidente da CBF examina os nomes dos convocados (quer dizer, listados) para ver, segundo ele próprio, se não há alguns “truques” na convocação. O que fará se achar um nome que não quer?  Tirará da lista? Discutirá com o técnico? Está aí um dado interessante nesta briga toda.

Não sei até onde o novo Presidente Marin continuará dando “pitos” em público  no técnico Mano Menezes.
Se apertar muito, poderemos ter novidades. Mas somente se apertar em excesso. Estas cobranças em público, embora humilhantes, serão assimiladas. A importância do cargo e suas vantagens serão preservadas.

O UOL pirou ?

Até os adversários ficaram preocupados com a nota do UOL, sobre o Corinthians na Libertadores, no dia de ontem.
Ficar procurando estatísticas para cá e para lá,  somente para inventar tabus, é dose. Não seria bom reforçar a dose de Maracujina, não? Ajuda, em caso leves.
Nos outros casos, só enchendo a cara.

Tricolores e alvinegros

Tenho recebido muitas críticas por ter citado (e elogiado) o Blog do Birner na cobertura do Corinthians e do caso Oscar-SPFC-Inter-Bertolucci.
Muitos leitores não aceitam as citações, pois dizem que aquele Blog é “notoriamente” são-paulino. Como diria o filósofo “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”. É claro que sei que naquele Blog – com muita frequência – aparecem duros ataques ao Corinthians. Alguns – por lá – fazem uma campanha permanente de desqualificação do Clube alvinegro. Sua história, suas conquistas, seu papel no esporte e em São Paulo são mitigados  por todo o lado. Diferente é com o SPFC, ali sempre defendido, exaltado e quase glorificado.
Paciência.

Mas, a verdade é que o Blog tem boas fontes no Corinthians e no SPFC.
Nos últimos dias, publicou três notas seguidas – e perfeitas – sobre o Timão: Corinthians e Emelec; o caso da renovação do Liedson e o caso Júlio César e Portuguesa.  Com boas fontes na Direção do Clube ele informa de forma adequada  sobre muitas questões do Timão. Não sei bem como conciliar os lados antagônicos de ataque à instituição Corinthians e de uma relação especial com parte da Diretoria do Clube.  Aliás, eu sei. Levado pelos seus amigos do Tricolor, construiu boas pontes,  que aceitam esta situação, independente dos ataques que o Blog faz à instituição.
Não à Diretoria, mas ao Clube.

O problema não é o jornalista, mas de parcela  da Diretoria, que, após o Blog ter dito que “não é dos que critica a Direção do Corinthians”, adotou  com entusiasmo uma relação especial com o jornalista.
Não se trata de um percalço do jornalista, que aceitou “ser apresentado” pelos amigos da Direção do SPFC aos diretores corinthianos.
Assim, por um elogio aqui e acolá, aceitaram transformar o Blog (que tanto ataca a instituição Corinthians) em um dos melhor informados da Internet sobre a atual gestão alvinegra.

Por esta razão, mesmo com as críticas que aqui faço, vou continuar citando o Blog, bem informado que é, pela Direção alvinegra.
Agora, o que acho dos diretores do Timão neste episódio é outra coisa.
E uma outra conversa.

 

May 10, 2012

Do Blog do Juca

 

Pesquisei e descobri…  

 

…que o Corinthians jamais foi campeão da Libertadores enfrentando times italianos.

Ou coreanos.

Do norte e do sul.

Jamais foi campeão, também, enfrentando quaisquer equipes que tivessem uma goleira.

Nunca foi campeão jogando em Bucareste.

Com centro-avantes cujos nomes começassem com Ç, idem ibidem.

Sempre foi eliminado antes de disputar um mata-mata na neve.

Pior: jamais se classificou para a Libertadores entre 1910 e 1960.

50 anos sem nem sequer uma classificaçãozinha!!!

E, finalmente, o Corinthians não tem nenhuma Taça Libertadores em seu cofre forte.

Nem cofre forte.

(Desta última informação, confesso, não tenho certeza absoluta).

www.blogdojuca.uol.com.br

May 10, 2012

Vitória e Secagem

 

(Claude Monet (1840-1926), “Almoço na relva” (1865-66))  (Reprodução)

Retornei há pouco do Pacaembu, onde o Timão venceu o Emelec por 3×0.
Com este resultado o Corinthians avança na Libertadores e enfrentará o Vasco da Gama, do Rio de Janeiro. O jogo com estádio cheio é sempre melhor. A vibração da torcida, a presença de mulheres,  jovens e pessoas idosas dão sempre uma cor especial ao espetáculo.  Foi isto o que ocorreu no Pacaembu.

O Corinthians, em nenhum momento do jogo, esteve ameaçado pela equipe equatoriana. Os gols foram saindo, sem que o adversário reagisse em qualquer parte dos 90 minutos. Não foi lá uma partida brilhante do Timão mas, também, sempre estava clara sua vitória. A equipe  tem na sua organização (especialmente na defesa e meio de campo) o ponto forte de seu jogo. Vencida esta etapa ,vamos para o jogo contra o Vasco.

Secagem

No Pacaembu, vendo o jogo do Timão, ouvia em meu radinho a transmissão da partida. Que sofrimento da mídia!  É uma bruta torcida contra o Timão o tempo todo. Uma luta contra os fatos,  só para desqualificar o Corinthians. O comentarista da tal rádio lembrava o tempo todo que o Corinthians tinha perdido para o Tolima, que a torcida exigia que ganhasse a Libertadores, que o Timão tinha traumas no Torneio  e aquele blá-blá-blá conhecido.

Acho que estes radialistas deveriam exigir um adicional salarial de sofrimento nos jogos do Timão. Mas este não seria pela dramaticidade do jogo, mas pelo desejo-permanente- de ver o Corinthians perder. E como sofrem! Acho que para a mídia transmitir jogos do Timão é pior do que chegar aos círculos do Inferno da Divina Comédia, de Dante. Ao ver e transmitir os jogos do alvinegro, eles vão assistindo ao desenrolar do horror  dos piores crimes.
E o mal maior, para eles, é o Corinthians vencer.

Intervenção

A mídia anuncia que o Governo decretou uma intervenção branca (informal) no tal Comitê Organizador da Copa.
Nada mais justo. Só o Governo está gastando e sendo cobrado  por todo lado. Não faz sentido a CBF e a Fifa controlarem o negócio onde elas não colocam um mísero tostão. Quando foi anunciada a Copa do Mundo no Brasil o ex-Presidente da entidade brasileira, Ricardo Teixeira, disse que a Copa de 2014 seria “praticamente” privada. O Governo nada gastaria, exceto em aeroportos, policiamento etc.  Nada disso ocorreu (ou está ocorrendo). Só o Governo gasta, em tudo e por todo lado. Estão aí as reformas e construções de estádios para provar. Não há nenhuma grana privada, ou da Fifa e da CBF nessas obras.  Quem banca é o Governo e ele quer mandar. E está certo.
E terá cada vez mais poder.

May 9, 2012

Vai, Corinthians!

 

(Giotto, “Lamentação”)  (Reprodução)

O Corinthians enfrenta hoje o Emelec pela Libertadores.
Lembrei-me de dois gigantes que muito fizeram pelo Timão: Alexandre Magnani, segundo Presidente do Clube (na verdade o primeiro,  porque Miguel Bataglia ficara apenas 15 dias no cargo), que levou o Alvinegro da várzea até a conquista de seu primeiro título, em 1914. Magnani era motorista de tílburi (uma carroça, usada como táxi) e os adversários logo usaram isto para escolher o primeiro apelido para os corinthianos: Time de carroceiros. Magnani foi um heroi do Timão e a ele devemos a consolidação daquele Clube de operários,  que nascia e rompia com o domínio do futebol pela elite. Sempre que temos um jogo importante, lembro-me dele e vivo sua luta decisiva no Torneio, que escolheu um novo membro do Campeonato Paulista. Naquele período, o Corinthians que nascia venceu o Minas Gerais (1×0) e o São Paulo (4×0), chegando a desafio do então maior campeonato do esporte, envolvido em muita luta e dificuldades.
Outro nome de quem sempre me lembro nestes jogos decisivos é Guido Giacominelli, Presidente do Clube no tricampeonato de 1922/1923/1924.
Giacominelli era um imigrante italiano, determinado, briguento e defensor intransigente do Timão. O Clube deve muito a este, que foi o oitavo Presidente alvinegro e que tanto contribuiu para a grandeza do Corinthians. Hoje, no Pacaembu, vamos torcer para que o espírito de luta destes dois herois esteja presente. E vamos vencer.
Vai, Corinthians!

Sem rodeios

O Presidente da CBF, José Maria Marin,  trabalha sem qualquer preocupação de ser delicado.
Ao dizer que não gostou de alguns nomes nas últimas convocações do técnico Mano Menezes, praticamente “chutou o balde”. Como ao explicar que não entendia  de convocações de jogadores, que estavam em times do Leste Europeu  e dos quais “ele nunca havia visto falar”. Ao dizer, como disse, que eram convocações “estranhas”, o Presidente da CBF desqualificou o Técnico. E suas declarações não tem nada de improvisadas.

“Já vi listas que eu mesmo tinha dificuldade para saber quem era determinado jogador”, disse ao Estado, de terça. E completou “Não adianta dizer que tal ou tal jogador está estourando num campeonato totalmente desconhecido. Conheço todos os truques”. Não citou jogadores e campeonatos, mas, convenhamos, não precisava.

Isto é grave. Gravíssimo! Pois são  declarações – sem meias palavras – do Presidente da CBF. Não se trata da opinião de um jornalista, radialista ou de um blogueiro qualquer.

O pior é que  o Sr. Marin fala em todos os lugares o mesmo discurso e para qualquer jornalista. E sem nenhum compromisso de cordialidade com um subordinado. O técnico Mano Menezes, que não é nenhum principiante, já deve ter entendido os constantes recados de Marin.
E não poderá adiar por muito tempo um questionamento da mídia sobre as palavras e atos do Presidente.

May 8, 2012

Gratidão

 

(Jacopo Tintoretto (1518-1594) – Il Furioso, “O festim das bodas”)

Está provocando uma bruta discussão a nova camisa do Corinthians, por conter referência ao mapa de São Paulo.
Os críticos mais ferozes são pessoas que torcem contra o Corinthians, dizendo que o Timão quer ter a maior torcida no Brasil, mas mantém um símbolo regional. Não acho nada disso.
O Corinthians é Paulista até no nome. Tem as cores da bandeira paulista  e apresenta um dado incomum no futebol: mesmo não tendo o nome de sua Cidade é a maior torcida, apesar de haver outro Clube com o nome de São Paulo. Isso não ocorre em quase parte nenhuma do mundo. Em geral, o Clube com o nome da Cidade costuma agregar a maior torcida.
Aqui, não.

Mas o que deveria mesmo a Cidade  fazer seria construir  um enorme monumento ao Corinthians, por ele tê-la salvo do que seria o maior mico de sua história.
Com a construção do seu Estádio, o Clube livrou a Cidade de um dos maiores vexames dos últimos 500 anos. Ficaria fora da Copa do Mundo em 2014, por não ter um local adequado para sediar a competição. Mesmo possuindo a cidade bons hoteis, grandes hospitais, acesso a voos internacionais etc, ficaria fora do evento por falta de estádio. Ainda que sofra todo tipo de crítica, até as mais malucas e absurdas, o Clube está livrando a Cidade do vexame. Daí decorrem expressões como “Estádio do Lula”, “dinheiro público”, “orçamento superfaturado”, “é de uma empresa, não do Corinthians” blá-blá-blá e vão por aí.
Enquanto isso, o estádio alvinegro vai sendo construído e o risco de vexame em 2014 fica cada dia mais longe.

Não devemos nos esquecer, porém, que o Corinthians está correndo todos os riscos para que a Cidade tenha um estádio digno, que faça a abertura da Copa do Mundo. Ficará com uma bruta dívida. E daí? Só um Clube grande e forte como o Corinthians poderia correr semelhante risco. Que a Cidade fica cada vez mais em débito com o Clube, não há dúvidas. E esta será uma dívida eterna.
Incalculável.

Caso Oscar

Quem está acompanhando o caso Oscar-SPFC-Inter-Giuliano Bertolucci deve ficar preparado para novos (e emocionantes lances).
Pelo que leio no Blog do Birner, vem mais briga por aí. Aliás, o Blog apresenta mais discussões jurídicas do que o sítio do Tribunais de Justiça. A Folha, pelo Painel FC, é todo apoio ao SPFC. Não sei o que dará esta briga, sem anjos, nem arcanjos.
Mas será muito interessante acompanhá-la.