Mar 27, 2012

Inúteis decisões

(Almeida Junior, “Recado Difícil”, óleo sobre tela, 1895)  (Reprodução)

Com mais uma morte, em meio à briga de torcidas organizadas, a Federação decidiu fazer o que sempre faz: tomou uma medida que significa rigorosamente nada.
Expulsou dos estádios as duas torcidas litigantes (Gaviões e Mancha Alviverde). Trata-se de um veto que não veta. O torcedor só não  poderá  entrar com os pertences  alusivos à torcida, sem eles, não haverá problema.
É o mais completo caso de não fazer nada, dizendo que fez tudo.

Alguns perguntam: o que poderia fazer a Federação para encontrar solução deste problema? Há medidas – que são  papel da Federação e não dependem de lei, do Ministério Público, do Governo ou da Polícia.
A primeira, e mais importante, é estabelecer a venda de ingressos de forma identificada (como é feito na Europa). Compras pela internet, com cartão ou boleto e de outras formas, que identifiquem quem está comprando. E garantir lugares marcados (ou áreas, como preferem alguns) . Sabe quando as Federações vão adotar estas medidas? Só quando os governos obrigarem.
Venda identificada é o fim de mamatas na fabricação e  distribuição de ingressos, que ocorre na CBF, nas Federações e nos Clubes.

Nem vou falar hoje no problema grave da promiscuidade dos Clubes, Federações e torcidas com as polícias (civil e militar). Se for adotado o sistema europeu de venda identificada, os elementos  punidos já não conseguiriam mais ingressos. Mas para se adotar um sistema desses, seria preciso comprar uma briga com as empresas que confeccionam as entradas. E, neste caso, a briga será de morte!
Maior do que entre torcedores de organizadas.


Mudei
.

Na entrevista de ontem, no UOL, o ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, agora como Diretor de Futebol da CBF, disse que “é a favor de todos os dirigentes serem remunerados até para acabar com essa onda de que todo dirigente é ladrão”. É uma mudança e tanto no que sempre disse Andrés. Foram muitas as vezes em que defendeu que os Clubes e Federações tivessem,  em sua direção, empresários bem sucedidos, sem necessidade de ganhar mais nada, inclusive salários. Chegava ao ponto de se auto indicar como exemplo. Mudou.
Não há problema em mudar de ideia. O que espanta é a forma tão radical, sem qualquer fato novo. É claro que o futebol necessita de profissionais bem remunerados:  técnicos, médicos, jogadores, preparadores físicos, técnicos de administração etc. Mas ter os dirigentes remunerados (não são profissionais de áreas específicas), isto é outra conversa.
Com os clubes sociais, sem finalidades lucrativas, controlando o futebol, sempre será necessário o dirigente sem remuneração. Afinal, quem o sócio colocará para controlar o contratado?
Remunerar dirigentes só é possivel no modelo de clube-empresa.  Não é o caso brasileiro.


Livro da discórdia
.

Também no UOL, o ex-presidente ataca o zagueiro Paulo André, por este ter criticado Ricardo Teixeira.
Diz que ele deveria primeiro jogar e não dar palpite na casa dos outros.  Foi infeliz a declaração. Como aquela do Zorro e o Sargento Garcia.  O jogador está se recuperando de uma contusão e, pelas notícias, é dedicado a seu tratamento. Mas não creio que a bronca com o Paulo André tenha sido  pelas críticas ao ex-presidente Ricardo Teixeira.
Acho que foi pelo lançamento do livro. Não fica bem pro mundo da bola ter um jogador que escreve e lança livros.

Mar 26, 2012

Um estado de promiscuidade

(Pablo Picasso. “Guernica”) (Reprodução)

Já se tornou rotina o choque entre torcidas organizadas, com brigas, socos, tiros e mortes.

Sempre que isso ocorre (especialmente com anúncio de vítimas fatais), aparecem  fórmulas para se resolver o problema “da violência no futebol”. Não tenho ilusão. Quase nada será feito, porque há um erro básico que explica este grau de violência.  Esses equívocos não são de hoje.

Quando, há décadas, a Polícia Militar determinou a separação de torcidas, implantou o eixo de todas as violências.
Com a separação, os grupos tornaram-se tribos e a cada dia aumentam seus atritos. Isso não era assim. Torcedores de Corinthians, Palmeiras, São Paulo e outros íam ao campo no mesmo ônibus, sentavam-se lado a lado.
Os atritos existiam, mas eram quase sempre limitados a insultos, bate-bocas ou empurrões. Foi a divisão (determinada pela Polícia), que preparou o estado de guerra entre os fãs. A própria ideia de levar os torcedores escoltados para o estádio (outra ideia errada da Polícia), só consolidou o conflito.
A primeira medida (adotada em outros países) é o fim da separação de torcidas. Cada um fica no lugar que comprou, não importando quem esteja ao lado. Ou se faz isso, ou não se muda nada. Mas só isso não resolve.

Os ingressos, como no mundo todo, devem ser vendidos com comprador e lugar identificados. Pela internet, por cartão, por boleto e etc, o Clube saberá quem comprou aquele posto no estádio. Não sei se os cartolas aceitam uma venda controlada de ingressos (até pelos esquemas de privilégios que existem), mas, sem isso, o problema não caminha para a solução.

Por último, e talvez o mais importante ponto, é encerrar-se o estado de promiscuidade que existe entre as Polícias (Militar e Civil) e as torcidas organizadas e seus braços do samba. Não há quem não conheça delegados, investigadores, oficiais da PM e soldados que não frequentem – de forma habitual – sedes de Torcidas e de suas Escolas de Samba. Políticos e cartolas nem se diga! Estão lá para defender e apoiar seus amigos. Assim, não há política de segurança pública que resolva.

Com tal grau de relações amigas, fica difícil investigar ou  prender quem quer que seja. Ou as autoridades da Administração Pública encerram este estado de conivência absoluta, ou nada será resolvido. Neste mundo de futebol, reunindo cartolas, políticos, policias militares e civis, existe ainda um sem número de “empresas de segurança”, que funcionam como elo de ligação com as forças policiais do Estado. E quase sempre seus donos são ex-delegados e ex-oficiais, prontos para “resolver” qualquer encrenca.

Neste estado, onde não há uma linha separando a condição marginal das autoridades de segurança, não há repressão à violência que funcione. Quem conhece os Clubes, as Federações e as torcidas sabe que esta convivência entre os que praticam a violência e os que deveriam reprimir-la, é para lá de “amigável”.

Sem o fim desta situação promíscua, nenhuma medida terá efeitos plenos e duradouros. Como não tiveram no passado o credenciamento na Federação, a filmagem de torcedores blá-blá-blá… Ou as autoridades superiores de segurança determinam o rompimento entre seus quadros e as organizações de torcida, Clubes e Federações (e também das empresa de ex-policiais),  ou tudo continuará numa boa. E outros choques virão, e novas mortes também.

Empresários no futebol

É incrível como a mídia gosta de rotular todo mundo de “empresário”. Basta ocupar um cargo no futebol, e lá vai o rótulo: empresário. Ou grande empresário, empresário de sucesso. Isso já virou bordão.
E longe da realidade.

Mar 25, 2012

Um domingo de emoção pura



O jogo deste domingo no Pacaembu, entre o Corinthians e Palmeiras,  foi uma partida repleta de emoções.
Não só pelo resultado (a vitória do Timão, de virada), mas em todos os momentos e jogadas. Este clássico apresenta um quadro singular: há quase um século estes dois times apresentam-se para a disputa que divide uma parte majoritária da cidade. Nestes anos, todos tiveram duelos memoráveis com vitórias e derrotas (e empates) marcantes. Sempre achei o clássico Corinthians e Palestra um episódio singular e, mesmo em campeonatos pouco atraentes, fazem as duas torcidas vibrarem.
Neco, grande ídolo do Timão, dizia que jogador bom era aquele que tinha grande atuação contra o Palestra. E os alviverdes nunca perdoaram jogadores de seu time quando fracassaram neste jogo. Na partida de hoje, a disputa foi igual a que ocorre em quase 100 anos. A virada do Timão deu uma cor especial. Fiquei feliz em notar no jogo tantos e tantos jovens e crianças. Só lamento ver nestes jogos onde existe apenas (praticamente) uma única torcida. Seria bom se mais palestrinos ocupassem áreas  no estádio. Até para verem a virada.
Lamentável foi a briga de torcidas organizadas numa região da cidade. Não é isso que esperamos do futebol. Rivalidade, disputa mas …. futebol é esporte e não guerra física.

Vida dura

As rádios fizeram a festa neste domingo no Pacaembu. Derrotar o Timão era desejo (nada discreto) da maioria dos jornalistas. Um conhecido tricolor não escondeu sua “luta” pela derrota do Corinthians. Em determinado momento, quando o Palestra vencia, chegou a dizer que o problema do Timão era porque o Palestra tinha argentino e chileno na sua equipe. E o Corinthians não se dá quando joga contra esta gente. É uma tolice aberta, que demonstra o quadro de sofrimento daqueles que querem derrotar o Timão. Quando o jogo virou,  estabeleceu-se um clima similar aos soldados americanos em retirada de Saigon.
Só desespero, angústia e uma vontade louca de chorar.

Mar 25, 2012

Corinthians e Palestra.

Neste domingo teremos mais um duelo de Corinthians e Palestra. Para muitos é o maior “clássico” do nosso futebol. E há motivos. Há quase cem anos se enfrentam com toda a emoção que só o futebol é capaz de apresentar. Alcântara Machado, grande escritor modernista, encantou todos com seu famoso conto Corinthians 2 X Palestra 1 . Um marco para o clássico  do futebol e para a literatura brasileira. Pela primeira vez num livro, uma partida de futebol, seus jogadores e torcedores são os elementos da narrativa do conto. Um clássico com histórias de todo tipo. Começou no inicio do século passado numa cidade que era quase italiana e dois times com as mesmas origens. O Corinthians, fundado em 1910, quase só por italianos, e o Palestra, alguns anos após , também pelos “oriundi”. Dividiram a liderança em nosso futebol acompanhado pelo Paulistano ( time da “elite” da cidade). Nos primeiros 40  anos, com o dinheiro fácil dos imigrantes italianos enriquecidos, o Palestra pode mostrar enorme poder de fogo. Enquanto o Corinthians crescia na periferia, o Palestra se enrolava com a ascensão do facismo de Mussolini. O dinheiro fácil dos comentadores deu sucesso, porém, plantou o vírus  que levaria a comprometer seu futuro. Enquanto os italianos da Zona Leste abriram-se para outras colônias, o compromisso dos ricos “oriundi” da zona oeste,  fecharam-se num mundo de exclusividade e racismo. Dinheiro e facismo cobraram um preço alto. O Timão passou a receber árabes, armênios,  judeus, espanhóis, brancos, negros e amarelos e, com a industrialização em massa da região, foi tornando-se o clube dos nordestinos e dos baianos. O que era um orgulho de ser um clube ” sem mistura” virou um pesado ônus. Permitiu ao Corinthians dar um salto à partir dos anos 30 e 40 e tornar-se a maior torcida da cidade. O clássico deste domingo – mesmo sendo um jogo do “Paulistinha”, como diz o Juca- é , e sempre será, um encontro que renova a rivalidade de séculos. Tem o sabor dos primeiros jogos, e isso, torna o futebol um esporte singular que toca a alma do torcedor.

Na veia.

O artigo de hoje de Tostão na Folha não será lido com muito agrado pelos dirigentes de nosso futebol. Ele aponta que um dos grande problemas de nosso futebol é o campo confuso em que ficam dirigentes com interesses nos negócios do futebol. E diz que é preciso decidir  “ser empresários do esporte ou dirigente. ” Existindo os dois há “um nítido conflito de interesse”. Cada dia mais o Tostão mostra que, além de bom de bola, tem rara qualidade no jornalismo atual. Viva!

Mesa redonda ou quadrada

A Folha de hoje , no Caderno Ilustrada, publica longa matéria sobre  os programas esportivos da TV. É uma boa narrativa mais faltou colocar o problema da queda de audiências dos tais programas. A transmissão exaustiva de jogos de futebol atingiram os programas de esporte  que, hoje, perdem audiências aos montes. E são todos os canais. Na TV aberta ou fechada tudo tem seu público reduzido. Seria importante que a Folha tivesse entrado neste espinhoso problema. Não foi o que ocorreu. Ficou uma matéria do óbvio e nada mais.

Mar 24, 2012

Sim, não, pode ser!

 

Há uns 10 dias o Corinthians emitiu nota informando que o jogador Adriano estava encerrando seu contrato com o Corinthians.  A saída era amigável e os dois lados estavam felizes. Palmas prá todos e à mídia, que, como sempre, elogiou o ” profissionalismo” da direção corinthiana. Agora o clube informa – em outra nota- que a história não era essa. O jogador foi demitido por justa causa e o dito não foi dito e vale, agora, a última versão. Entre uma nota e outra, a mídia divulgou todo tipo de ” informações reservada” sobre o jogador. O ” rebelde” jogador teria aprontado poucas e boas. Bebedeira, atrasos, pouco empenho no trabalho quase tudo foi falado. Sem qualquer novidade. O problema do jogador, numa outra versão, era sempre os mesmo. Eles são conhecidos desde o dia em que o clube decidiu contratá-lo. O clube sabia, o torcedor e a mídia também, e ninguém foi surpreendido. Seu problema era alcoolismo e depressão. Até o departamento Médico, sempre elogiado pela mídia desportiva ( ” desportiva”, sim), sabia de tudo. Se não pode preparar o atleta para uma nova fase de sua vida não foi por  falta de oportunidade nos programas de rádio e de tv. Se o clube ouvisse mais a comunidade acadêmica – as boas universidades e professores – viria que os elogios da mídia de esporte  desaparecem quando a comunidade científica é ouvida. Mas não há o que chorar com o desenlace do caso Adriano. Teremos uma longa batalha na Justiça e, até encerrar-se, a mídia – e também os torcedores – já esqueceram as duas notas divulgadas. E poderão elogiar o profissionalismo do clube.

Sem risos

Morreu Chico Anysio, grande figura da nossa tv. Teve  laços  com o futebol. Este vascaíno da gema  criou Coalhada, grande figura de nosso esporte. Foi também comentarista de futebol, e dos bons. O tom geral da cobertura da tv informa que com sua morte perdemos muito. Alguns dizem que o humor não será mais o mesmo. Isso sempre ocorre quando morre uma personalidade importante no mundo das artes.”Insubstituível” é o bordão dos amigos. Não é bem assim. Foi-se um gênio, mas o mundo não acabou. Quando morreu Verdi as pessoas diziam ” a Itália é finita” . Nada. Sempre aparecerá um outro gênio a espera de outros. Viva Chico !

Mar 23, 2012

Louco ou gênio?

É sempre difícil saber se uma ideia é genial ou uma loucura pura.
Numa fase inicial ocorre  – quase sempre – o mesmo quadro. Caminha-se para uma mudança. Forte, estrutural e rompendo com o presente. Foi o “Caso dos pardais”, na China maoísta dos anos 1950.
Com crise na agricultura e fome generalizada, um grupo de Economistas apresentou a Mao Tse Tung  um caminho “genial”: os pardais comiam mais de 30% da produção agrícola chinesa. Era preciso acabar com esta praga. Mao mandou e a China eliminou, numa campanha nacional, todos os pardais. Resultado: a produção agrícola chinesa no ano seguinte caiu quase 60%, levando a uma fome infernal. Sem os pardais, as plantações tiveram que conviver com todo tipo de praga de insetos (que os pobres pardais comiam).
Mao consertou aquela ideia “genial” e “louca” com duas medidas: mandou fuzilar todos os Economistas que fizeram a proposta de eliminação dos pardais; e decretou uma importação dos pássaros da União Soviética.

Esta tragédia maoísta  lembra – um pouco – a proposta de “adaptar o calendário de futebol do Brasil ao europeu”.
Aqui também acho que não há nada de “genial”, é “loucura pura”. O que propõem nossos “iluminados” é uma mudança no clima: o Inverno passa a ser Verão; o Outono, Primavera. Como sabemos, os povos – desde que o homem tomou a direção do mundo – organizam suas atividades de acordo com as estações do ano. No Verão, com Sol e tudo mais, é um tempo para descanso. Os trabalhadores (ou não) viajam, descansam e recomeçam o trabalho no início do Outono. Desde os anos 1930 – do século passado – quando a esquerda francesa inovou e  estabeleceu as férias remuneradas – isto vem sendo feito. E toda atividade do país segue este caminho: os governos e as empresas programam tudo obedecendo às estações do ano. As fábricas, as escolas, os restaurantes, todos seguem os períodos climáticos. E os eventos (esportivos, culturais etc) fazem a mesma trilha. Por esta razão, os campeonatos europeus e americanos começam com o início do Outono (quando tudo começa a funcionar), vivem seu auge no Inverno, e vão se encerrando na Primavera.
O que propõem nossos “gênios” (ou “loucos’) é fazer com que o Brasil mude de Hemisfério. O auge dos nossos campeonatos seria em janeiro e fevereiro (com aquele sol na cabeça, que Deus nos deu), e descansemos no Inverno (na neve, que Deus não deu).

Esta ideia está mais para loucura e é uma vingança contra Policarpo Quaresma. Desqualifica totalmente o País, submetendo-nos ao regime das estações do hemisfério diverso do nosso. Lembra a ideia de outro gênio (aquele que inventou a Correção Monetária), Roberto Campos, que nunca se conformou com o fato de o Brasil não obrigar a todos  falar inglês. Esta aí uma ideia para complementar a mudança das estações: falando inglês ganharíamos mercados  e ficaríamos iguais aos europeus, como querem os “gênios” da mudança do calendário do futebol.

E mais interesssante é que esta ideia retorna quando o Brasil (pelo crescimento ecônomico das últimas décadas) tornou-se a “joia da coroa” das empresas que por aqui atuam. E que – com maior poder econômico – tendem a tornar os clubes locais mais fortes e concorrentes diretos dos europeus. Ou será que não acreditam que seremos a quinta (ou quarta) economia do mundo nos próximos anos? E que isso terá impacto no futebol? Como, aliás, já vem ocorrendo. Vejam o caso do Neymar (que não acho que seja tudo isso que a mídia diz) que continua jogando no Brasil. Com o Brasil crescendo e a Europa em queda livre são eles (os europeus)  que deveriam pensar em mudar suas estações.

Grande Xico

Há motivos para termos fé na nossa mídia esportiva. Não muito, é claro. O  artigo de hoje, na FolhaFé no Casagrande do Xico Sá, é um deles. Chama de mística furada este papo de time “com cara de Libertadores”. Faz bem o Xico de dizer que este papo de “competição diferente”  é “mistificação pura”.
Infelizmente não é só a mídia que martela esta bobagem. Até torcedores e jogadores do Timão entram neste papo furado. Xico diz – com razão –  que por este critéro de “cara de Libertadores” o Barcelona de Messi seria um exemplo de covardia, que nunca ganharia Copita. Está certo o Xico. Este papo de que a  Copita “Libertadores” é diferente é só para cutucar o Timão. É um torneio igual. Inclusive com um monte de times de segunda ou de terceira categoria (como este “poderoso Juan” que o Santos venceu ontem). Seu endeusamento é, também,  para pagar pouco aos clubes pela transmissão da TV. O Corinthians – não fosse a bilheteria – teria prejuízo em jogar esta “Copita”.  
Vencendo o Corinthians esta competição, a mídia se encarregará de retorná-la ao lugar de quinta, onde esta Copita fica bem.

Mar 22, 2012

A “Copita” faz a mídia sofrer.

O Corinthians venceu, ontem à noite, o Cruz Azul, do México, pela Libertadores. Conseguiu o que queria: uma vitória e a liderança em sua chave. Não foi um jogo brilhante, mas o objetivo foi alcançado.
O Corinthians, cada dia mais, firma-se como um time competitivo, bem organizado, dedicado, o que torna difícil ser vencido por qualquer adversário. Ontem foi assim. Com a organização (defesa, meio-de-campo e ataque) e o bom toque de bola alvinegro, o Cruz Azul sofreu para enfrentar o Timão. Alguns jogadores  ainda estão abaixo do desempenho necessário. Esperemos que ganhem melhor condição rápido, porque a competição está em andamento. Faltaria para o time dar um salto de qualidade uns 2 ou 3 jogadores de bom nível. Ficaríamos muito melhor. Mas isso não é motivo pra lamentar.
O Timão venceu e vamos prá frente.

A mídia sofre

Assistindo ontem ao jogo no estádio, como sempre faço, ouvia a transmissão pelo rádio. É uma beleza ver como a mídia piratininga sofre. Com seu Queridinho fora de disputa e tendo que transmitir o Timão, ficam todos incomodados.
Como sempre aquele papo de que “Libertadores é outra coisa” (que coisa, não!); “a disputa é totalmente diferente” (pode ser: quem ganha, perde 3 pontos, e quem perde o jogo, ganha os 3 pontos);  “até o rosto da torcida é diferente”  (esta nem o Padre Quevedo explica!) e pasmem, há todo tempo, lembravam que ontem era aniversário de Airton Senna e que este “morreu sem ver o Timão ganhar a Libertadores”. Ah! Esta foi fantástica.
Onde é que faço a inscrição para o prêmio “Contra-Esso” de jornalismo;  após essa citação de Senna, a matéria ficará imbatível.  O pior é que alguns torcedores entram nesta bazófia.
Quando a mídia fica fazendo este blá-blá-blá da Libertadores é só pra atingir o Timão porque, ainda, não ganhou. Vencendo o Timão esta competição, que não é  lá “uma Brastemp”, cairá pro lugar comum.

Copa ou Copita?

Curioso nossos jornalistas. Os que são contra o Campeonato Paulista (e com bons motivos)  chamam-no de “Paulistinha”. Mas quem dá uma olhada neste times paraguaios, peruanos, bolivianos  etc, que disputam a badalada Libertadores, ficará estarrecido com o baixo nível de futebol apresentado. E isso não é de hoje. Num futuro, com melhor planejamento, isso deve ser alterado. Porque para ficar vendo jogos como temos visto nestas décadas é, em muitas situações, melhor ver o “Paulistinha”. Ou então, sejamos justos  e digamos que este torneio sulamericano é uma “Copinha” ou “Copita”. Pior ainda é que, com a melhora dos contratos de TV dos jogos brasileiros, a Copita Libertadores começa a dar prejuízo aos clubes daqui (pelo menos aos grandes).
Para o Corinthians, conquistando esta Copita,  o melhor será rediscutir a participação num evento que não dá dinheiro e onde participam times de segunda (ou terceira) categorias.

Mar 21, 2012

“Oh! Bendito o que semeia livros… Livros à mão cheia!”


“Oh! Bendito o que semeia
Livros… livros à mão cheia…
E manda o povo pensar!
O livro caindo n’alma
É germe — que faz a palma,
É chuva — que faz o mar. “
(Castro Alves, “O Livro e a América”)

 

O número de livros sobre futebol, lançado no Brasil, é incrívelmente pequeno.
Se fizermos uma boa pesquisa, pouca coisa vamos encontrar. Quase nada, se compararmos a literatura à paixão de nosso povo pelo esporte . Diferentemente do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa.
Numa viagem a Nova York, visitei uma livraria importante no centro da cidade. A área reservada ao esporte era enorme. Livros de todo tipo:  biografias, comemorações de títulos,  partidas históricas, e tudo mais.
Um imenso número de trabalhos, escritos especialmente por jornalistas, mas também por muitos atletas, dirigentes etc. Os esportes que contam com maior apelo popular por lá tem um massacrante número de livros.
O beisebol, o futebol americano e o basquete tem tudo publicado.
Esportes de menor prestígio também tem sua vez. Na Europa ocorre o mesmo. A ala de esportes nas livrarias é sempre grande e importante. E ali prevalece o futebol. Tem de tudo e de todos.

No Brasil isso, infelizmente, não ocorre.  Ao contrário o número de publicações é baixíssimo.
Quando fui escrever a biografia do Neco, procurei tudo o que tínhamos de publicações sobre futebol. Uma lástima. Quase nada. A pobreza do Brasil é maior nas livrarias, em especial na área do futebol.
Raras são as publicações, mesmo sobre nossos grande ídolos, ainda que conhecidos no mundo todo. Por aqui,  tem pouca ou nenhuma publicação a seu respeito. Pelé é um exemplo. Com incrível prestígio mundial, tem um ou outro livro. Uma situação deplorável.

Paulo André,  jogador e escritor.

Neste mundo de incrível pobreza, deveria ser recebido com festa o livro lançado, recentemente, pelo jogador do Corinthians Paulo André. ” O jogo da minha vida”, história e reflexões de um atleta é uma bela obra.
O seu lançamento, na Livraria Saravia, do Pateo Paulista, foi uma confusão só. Faltou energia elétrica naquela noite e, com um grande público, foi preciso improvisar num outro espaço. Tudo foi tumultuado e eu mesmo, após esperar um tempão, comprei o livro, mas sai sem o autógrafo do jogador. Como tantos que estavam por lá,  fomos vítimas da Eletropaulo (o que já é rotina).

Li o livro. É uma belíssima obra. Narra, com grande competência, a vida de um jogador de futebol, sua jornada desde as categorias de base até a chegada a um grande time. Não esconde nada, e deveria ser lido por jovens que querem fazer carreira no esporte. Uma leitura agradável e um livro importante.
Não vi nenhuma crítica do pessoal de literatura. Para ser sincero, apenas alguns blogs e sítios anunciavam seu lançamento. E nada mais.
Deveríamos aplaudir esta iniciativa e apelar a todos (especialmente aos jornalistas) : escrevam sobre nosso principal esporte!

Vejam o caso do nosso Corinthians: quando é que aparecerá alguém, de boa alma, para escrever a biografia do Luizinho, do Gilmar, do Oreco?
Vamos aplaudir o Paulo André e torcer. E muito!

Mar 20, 2012

A virada que abala o futebol

A renúncia do presidente da CBF Ricardo Teixeira,  e agora sua saída do Comitê Executivo da Fifa,  provocam enorme mudança no futebol brasileiro.
Ninguém esperava esta bruta virada. Nem os amigos nem, tampouco, os inimigos. Os jornalistas (onde o apoio  Teixeira era grande) ficaram estupefatos. O esporte predileto da maioria deles era ironizar os que eram contra e queriam a saída do ex-presidente da CBF. Diziam que eram “uns gatos pingados”, que caberiam num Fusca. Este apoio apaixonado a Teixeira, por longos anos, criou uma situação estranha. Para “limpar o passado” , muitos se tornaram (subitamente) críticos de Teixeira, chegando a ser os mais radicais nos ataque. Procuram levar os torcedores a esquecer os anos de bajulação que fizeram. Mesmo os que sempre criticaram Teixeira foram surpreendidos com a saída de cena do ex-presidente. Do Juca ao Antero, e mais o time de críticos, todos ficaram de boca aberta com a rápida e inesperada mudança.

O pior ocorreu na cartolagem. Aí então o apoio era quase “norte-coreano”. Nesta caso, a surpresa foi maior ainda. Os dirigentes de nosso futebol – em sua esmagadora maioria – via no presidente Teixeira o exemplo de quem sabe lutar e vencer. Já tinha sido alvo de CPI, quando muitos caíram, ele deu a volta por cima, todos os processos na Justiça tinham sido razoavelmente resolvidos, e a mídia “dominada” na parte que, segundo o ex-presidente, interessava. Some-se a tudo isso o fato de Teixeira ter uma grande articulação política. Era bem ligado a Sarney, Tasso Jereissati, Aécio Neves, Sérgio Cabral, e na última década  se tornou ” chapa” do presidente Lula.
Enfim, para os dirigentes do futebol brasileiro estava aí um exemplo de cartola blindado, imbatível, prestigiado, intocável. Foi este quadro de super-homem que levou o ex-presidente do Corinthians, Andrés , a dizer aquela coisa, sem sentido, de Zorro, Sargento Garcia etc. Daí porque, a queda súbita, deixa todos atordoados. Até sem rumo, procurando entender o que houve para tão grande mudança.
E não foi uma simples queda, como já ocorreu no futebol. Foi quase uma hecatombe, onde o ex-presidente  vendeu todos  os seus negócios,  saindo do país para morar em Miami. Tudo sem que se sabia, com exatidão, as razões. Não há um processo judicial (até onde se sabe); não há nova CPI; enfim,  nada identifica a tempestade que ocorre.

O “jornalista amigos” já se reciclaram (e passaram a atacar Teixeira), mas os cartolas ainda estão perplexos. Sem rumo e preocupados, como se este tipo de fato  fosse voltar a acontecer.  O mundo dos dirigentes de futebol sofreu o maior trauma que já ocorreu. Acho que nem a perda da Copa de 50 abalou tanto a cartolagem. Lá eles colocaram a culpa no goleiro. Este mundo dos dirigentes é uma área complexa , para dizer o mínimo.
Diferente da Europa, onde os clubes são de empresas e empresários (e ganhar dinheiro é a meta), por aqui os times de futebol são – quase todos –  de Clubes Sociais. E atuam sem finalidade de lucros.
Neste caso, não há espaço para cartola ganhar dinheiro, como na Europa. Mas a verdade é que o futebol coloca um mundo de interesses financeiros por todo lado. Empresários de jogadores, empresas de publicidade, materiais etc, tudo aponta para negócios e mais negócios,  e os dirigentes não podem ter qualquer interesse ou ligação (direta ou indireta).  Aí fica um campo minado, com todo tipo de problema. A queda – abrupta- de Ricardo Teixeira acendeu  a luz amarela para a cartolagem do futebol.
Se com ele , tão protegido e blindado, deu-se isso, imagine-se o que poderá acontecer neste mundo de promiscuidade (quase generalidade), que está por aí em nosso futebol. Não há dúvida que a queda de Teixeira é um marco.
Para onde vai só o tempo dirá.

 

Mar 19, 2012

Duas entrevistas de craques

(Caravaggio. “David mostrando a cabeça de Golias” (1605))

Duas entrevistas com dois grandes jogadores do Brasil: Romário, na Veja, e, Ronaldo, na Folha desta segunda.
Os dois últimos “foras-de-série” que tivemos. Brilharam no gramado e brilham agora, nesta nova fase, que encaram. Romário é sempre mais direto, Ronaldo, ainda com certa inibição, mas os dois falando coisas importantes do futebol.

Nas Páginas Amarelas da Veja
Romário foi um craque singular. Baixinho e genial. Com grande faro de gol era um perigo permanente na àrea. E o Brasil deve muito a sua genialidade. Ninguém esquecerá a Copa dos Estados Unidos, onde o jogador brilhou como nunca. Como deputado surpreendeu todo mundo. Normalmente jogadores são eleitos e desaparecem na máquina da política e, quase sempre, não são reeleitos. Cooptado pelos profissionais da política, tornam-se meros joguetes nas mãos de “profissionais” do meio político. Romário surpreende, porque trilha caminho diverso. É tão bom parlamentar como foi jogador. Atrevido, dedicado, espontâneo, quase um “peixe fora d’agua”, é um fator de renovação para a política. Esperamos todos que continue neste caminho de parlamentar atuante, sincero e correto. Na entrevista da Veja responde tudo o que lhe foi perguntado. E de forma direta, sem rodeios como fazia nas jogadas de gol. Sua advertência sobre a Copa é de uma precisão pouco comum para quem está saindo do campo de futebol para a tribuna parlamentar; “vai chover obra emergencial sem licitação […].
A Copa vai sair do papel, mas vão erguer alguns puxadinhos aqui, fazer maquiagens ali…
Sobre as mudanças na CBF, foi direto ao dizer que não muda nada: “trocamos um ruim por outro pior”.
Seguramente, nosso craque mostra que não está buscando cargos na CBF, no futebol em geral e nem no Governo.
É quase um deputado atípico. Viva, o futebol deu ao País um representante de primeira.
Craque, como foi no gramado.

Ronaldo, na Folha
Na entrevista de hoje, 19/3, na Folha, Ronaldo saiu-se bem respondendo tudo o que lhe foi questionado.
Sua posição é diversa da de Romário. Ronaldo foi indicado para o COL (Comitê Organizador Local) da Copa do Mundo pelo ex-presidente Ricardo Teixeira. Não nega nada. Mas diz que “o fato de ter recebido o convite de Ricardo Teixeira não me liga a ele”. E reafirma uma posição muito positiva para qualquer um que está no futebol: “dinheiro não é o meu objetivo”.
Está aí um questão de valor para qualquer um que quer ser Dirigente do futebol. Não vive do futebol.
Como disse “posso escolher as coisas que me dão gosto de fazer”.
Como o cargo no COI. Na entrevista, defendeu a criação de uma Liga dos Clubes e diz que espera que tudo venha após a Copa. Restou uma certa crítica ao Corinthians no caso Adriano, ao dizer que o Clube “podia ter sido mais amigável na rescisão”. E poderia mesmo.
Lamentou o ocorrido “não precisava de toda exposição”.
No final, diz que seus filhos torcem para o Corinthians . Viva, um craque e tanto!