May 14, 2012

2 títulos em 3 dias

 

(Aldo Bonadei. “Abstrato” (1962) (Reprodução))

Há 10 anos o Corinthians ganhava dois títulos em uma mesma semana.
Foi uma jornada de intensa emoção, com o Timão vencedo o “Torneio  Rio-São Paulo” ( dia 12 de maio de 2002) e a “Copa do Brasil” em 15 de maio.

No domingo,  no Morumbi, o Corinthians conquistou o primeiro título (Rio-São Paulo), com um empate contra o São Paulo.
O Timão já havia vencido o primeiro jogo (3×2) em 5 de maio. O Torneio reunia as principais equipes cariocas e paulista. Eram 16 times  na disputa, que teve partidas emocionantes. No primeiro jogo da final, os gols do Corinthians foram de David, Gil e Leandro. No segundo jogo, o Corinthians conquistou a Taça com um empate no Morumbi. O gol do Timão foi de Rogério, aos 32 do segundo tempo. Para desespero dos tricolores, que vinham de uma série famosa de derrotas para o Coringão.

Na quarta-feira (dia 15) – ainda com um sabor de festa no ar –  com um empate com o Brasiliense, em Brasília,  o Corinthians ganhava a Copa do Brasil.
No primeiro jogo (dia 8), vencera a equipe da capital no Morumbi, por 2×1, com dois gols de Deivid. No empate em Brasília, também o gol do Timão foi de Deivid.

Esta é uma marca inesquecível para o Corinthians: dois títulos importantes em uma mesma semana.
A equipe corinthiana era dirigida pelo técnico Carlos Alberto Parreira e uma eficiente equipe de profissionais. O time-base daquela conquista era: Dida, Rogério, Anderson, Fábio Luciano; Fabrício, Vampeta, Ricardinho; Deivid, Gil e Leandro.

Dois títulos que a torcida corinthiana nunca esquece.

May 12, 2012

Agora vai

Saiu a primeira convocação da seleção brasileira da “era Marin”. Sem muitas novidades mas mostrando que o técnico entendeu o “pito” público dado pelo novo presidente. Nada de Ronaldinho gaúcho, aquele jogador que seria melhor que o Garrincha, segundo uma grande parte da imprensa ( Juca e Tostão, diziam isso). E com poucos nomes do Leste europeu  que tanto espanto andaram causando em convocações anteriores.

Acho que a nova convocação muda pouco nas encrencas da seleção. O presidente José Maria Marin vai continuar fazendo como sempre fez: aos poucos – sem alarde- ele vai  apertando cada vez mais o parafuso. Até que os atingidos peçam o boné para sair. Sua intervenção nas convocações foi um passo e tanto. Quer, porque quer, mostrar que é ele quem manda . E vai tocando.

O Painel FC( Folha) publica, nesta edição de sábado, duas notas contraditória. Na primeira (Conselho) anuncia que o ex-presidente do Corinthians  estaria para deixar o cargo de diretor da CBF. Antes tarde do que nunca, diria uma rádio que escuto.  Mas na segunda nota (Da água para o vinho) diz o oposto. Marin e Del Nero passaram a “rasgar elogios” a Andrés após uma visita ao ex-presidente Lula em S. Bernardo. Uma coisa ou outra. Está saindo ou está com prestígio alto. O jornal não explica porque o diretor da CBF não acompanhou Marin e Del Nero na visita ao ex-presidente. Deve ser ocupação pelo cargo.

Publicidade

O vice presidente do Corinthians tornou público que o clube continua trabalhando para conseguir um bom patrocínio para a camisa alvinegra. ” Nas próximas semanas” o assunto será resolvido, disse ele. Bom, e aquela história dos 50 milhões (por ano)  da montadora coreana, vazado por todo lado por blogs oficialistas ? Era papo furado? Chegaram a fotografar um “coreano” ou “japonês” (não sei bem) que estava no estádio, em jogo do Corinthians, para fechar o contrato. Nada. Só barulho na República.

A dificuldade na nova publicidade dos times de futebol tem duas explicações: a crise econômica mundial assusta muita empresa multinacional daqui. E a ausência do presidente Lula.

O ex-presidente foi o grande incentivador de que as empresas anunciassem no futebol. Nada ilegal ou imoral. Falava, por todo canto, que as empresas deveriam contratar com os clube. E todas as agremiações de futebol foram beneficiadas por Lula. Como sabemos, a maioria das empresas estão penduradas no BNDES, então é melhor entrar na onda. Por outro lado, os Fundos de Pensão controlam boa parte do capital das empresas e sempre atendem o pedido do presidente.

Com uma economia crescendo e o presidente só falando de futebol por todo lado  ocorreu um aumento das verbas no esporte. Sem o presidente Lula, e com a crise mundial, as empresas estão puxando os freios. Ai está a raiz da dificuldade.

No caso do Corinthians acrescente-se a ausência de Ronaldo. Este era um craque -no campo e fora dele- e poderia ajudar muito na contratação de uma empresa de publicidade. Vamos esperar e torcer.

Barraco Palestrino

Na últimas semanas- ou será nos últimos anos- o que vem ocorrendo no Palestra é de espantar mortos e vivos. Brigas de diretores, técnico, jogadores e torcedores numa confusão  por todo lado. E tratado pela mídia. Com discrição, é claro. Se por um acaso do destino tudo isso tivesse ocorrendo no Timão, o mundo cairia.

May 11, 2012

O que vier

(Reprodução)

Logo após a vitória do Corinthians sobre o Emelec no Pacaembu, a discussão ficava na escolha do melhor adversário a ser enfrentado nesta nova etapa da Libertadores.
Ainda no estádio, com os pênaltis sendo batidos na Argentina, alguns preferiam o Vasco, outros, queriam o Lanus  para o próximo jogo. Nesta fase da Libertadores não há escolha fácil  e qualquer adversário sempre será problema. Dizer que o melhor é o Vasco, porque nosso time conhece melhor o adversário, é argumento fraco. Falar que o Lanus seria melhor, porque o campeonato argentino está muito fraco, é chute.

A mídia, em geral, anda falando que os corinthianos preferiam o Vasco, porque é brasileiro e com isso querem atacar o Timão, dizendo que não gosta de jogar contra argentinos. É a balela de sempre da mídia, que está entrando em alto stress nos jogos do Timão. A única coisa certa para os próximos jogos será o sofrimento angustiante dos jornalistas, com o avanço do Corinthians.
Haja Maracujina  em estoque !

A nova lista do Mano

O técnico Mano Menezes convoca a Seleção com as novas regras da gestão José Maria Marin na CBF.
Agora, antes de ser divulgada  (48hs, para ser exato), o novo Presidente da CBF examina os nomes dos convocados (quer dizer, listados) para ver, segundo ele próprio, se não há alguns “truques” na convocação. O que fará se achar um nome que não quer?  Tirará da lista? Discutirá com o técnico? Está aí um dado interessante nesta briga toda.

Não sei até onde o novo Presidente Marin continuará dando “pitos” em público  no técnico Mano Menezes.
Se apertar muito, poderemos ter novidades. Mas somente se apertar em excesso. Estas cobranças em público, embora humilhantes, serão assimiladas. A importância do cargo e suas vantagens serão preservadas.

O UOL pirou ?

Até os adversários ficaram preocupados com a nota do UOL, sobre o Corinthians na Libertadores, no dia de ontem.
Ficar procurando estatísticas para cá e para lá,  somente para inventar tabus, é dose. Não seria bom reforçar a dose de Maracujina, não? Ajuda, em caso leves.
Nos outros casos, só enchendo a cara.

Tricolores e alvinegros

Tenho recebido muitas críticas por ter citado (e elogiado) o Blog do Birner na cobertura do Corinthians e do caso Oscar-SPFC-Inter-Bertolucci.
Muitos leitores não aceitam as citações, pois dizem que aquele Blog é “notoriamente” são-paulino. Como diria o filósofo “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”. É claro que sei que naquele Blog – com muita frequência – aparecem duros ataques ao Corinthians. Alguns – por lá – fazem uma campanha permanente de desqualificação do Clube alvinegro. Sua história, suas conquistas, seu papel no esporte e em São Paulo são mitigados  por todo o lado. Diferente é com o SPFC, ali sempre defendido, exaltado e quase glorificado.
Paciência.

Mas, a verdade é que o Blog tem boas fontes no Corinthians e no SPFC.
Nos últimos dias, publicou três notas seguidas – e perfeitas – sobre o Timão: Corinthians e Emelec; o caso da renovação do Liedson e o caso Júlio César e Portuguesa.  Com boas fontes na Direção do Clube ele informa de forma adequada  sobre muitas questões do Timão. Não sei bem como conciliar os lados antagônicos de ataque à instituição Corinthians e de uma relação especial com parte da Diretoria do Clube.  Aliás, eu sei. Levado pelos seus amigos do Tricolor, construiu boas pontes,  que aceitam esta situação, independente dos ataques que o Blog faz à instituição.
Não à Diretoria, mas ao Clube.

O problema não é o jornalista, mas de parcela  da Diretoria, que, após o Blog ter dito que “não é dos que critica a Direção do Corinthians”, adotou  com entusiasmo uma relação especial com o jornalista.
Não se trata de um percalço do jornalista, que aceitou “ser apresentado” pelos amigos da Direção do SPFC aos diretores corinthianos.
Assim, por um elogio aqui e acolá, aceitaram transformar o Blog (que tanto ataca a instituição Corinthians) em um dos melhor informados da Internet sobre a atual gestão alvinegra.

Por esta razão, mesmo com as críticas que aqui faço, vou continuar citando o Blog, bem informado que é, pela Direção alvinegra.
Agora, o que acho dos diretores do Timão neste episódio é outra coisa.
E uma outra conversa.

 

May 10, 2012

Do Blog do Juca

 

Pesquisei e descobri…  

 

…que o Corinthians jamais foi campeão da Libertadores enfrentando times italianos.

Ou coreanos.

Do norte e do sul.

Jamais foi campeão, também, enfrentando quaisquer equipes que tivessem uma goleira.

Nunca foi campeão jogando em Bucareste.

Com centro-avantes cujos nomes começassem com Ç, idem ibidem.

Sempre foi eliminado antes de disputar um mata-mata na neve.

Pior: jamais se classificou para a Libertadores entre 1910 e 1960.

50 anos sem nem sequer uma classificaçãozinha!!!

E, finalmente, o Corinthians não tem nenhuma Taça Libertadores em seu cofre forte.

Nem cofre forte.

(Desta última informação, confesso, não tenho certeza absoluta).

www.blogdojuca.uol.com.br

May 10, 2012

Vitória e Secagem

 

(Claude Monet (1840-1926), “Almoço na relva” (1865-66))  (Reprodução)

Retornei há pouco do Pacaembu, onde o Timão venceu o Emelec por 3×0.
Com este resultado o Corinthians avança na Libertadores e enfrentará o Vasco da Gama, do Rio de Janeiro. O jogo com estádio cheio é sempre melhor. A vibração da torcida, a presença de mulheres,  jovens e pessoas idosas dão sempre uma cor especial ao espetáculo.  Foi isto o que ocorreu no Pacaembu.

O Corinthians, em nenhum momento do jogo, esteve ameaçado pela equipe equatoriana. Os gols foram saindo, sem que o adversário reagisse em qualquer parte dos 90 minutos. Não foi lá uma partida brilhante do Timão mas, também, sempre estava clara sua vitória. A equipe  tem na sua organização (especialmente na defesa e meio de campo) o ponto forte de seu jogo. Vencida esta etapa ,vamos para o jogo contra o Vasco.

Secagem

No Pacaembu, vendo o jogo do Timão, ouvia em meu radinho a transmissão da partida. Que sofrimento da mídia!  É uma bruta torcida contra o Timão o tempo todo. Uma luta contra os fatos,  só para desqualificar o Corinthians. O comentarista da tal rádio lembrava o tempo todo que o Corinthians tinha perdido para o Tolima, que a torcida exigia que ganhasse a Libertadores, que o Timão tinha traumas no Torneio  e aquele blá-blá-blá conhecido.

Acho que estes radialistas deveriam exigir um adicional salarial de sofrimento nos jogos do Timão. Mas este não seria pela dramaticidade do jogo, mas pelo desejo-permanente- de ver o Corinthians perder. E como sofrem! Acho que para a mídia transmitir jogos do Timão é pior do que chegar aos círculos do Inferno da Divina Comédia, de Dante. Ao ver e transmitir os jogos do alvinegro, eles vão assistindo ao desenrolar do horror  dos piores crimes.
E o mal maior, para eles, é o Corinthians vencer.

Intervenção

A mídia anuncia que o Governo decretou uma intervenção branca (informal) no tal Comitê Organizador da Copa.
Nada mais justo. Só o Governo está gastando e sendo cobrado  por todo lado. Não faz sentido a CBF e a Fifa controlarem o negócio onde elas não colocam um mísero tostão. Quando foi anunciada a Copa do Mundo no Brasil o ex-Presidente da entidade brasileira, Ricardo Teixeira, disse que a Copa de 2014 seria “praticamente” privada. O Governo nada gastaria, exceto em aeroportos, policiamento etc.  Nada disso ocorreu (ou está ocorrendo). Só o Governo gasta, em tudo e por todo lado. Estão aí as reformas e construções de estádios para provar. Não há nenhuma grana privada, ou da Fifa e da CBF nessas obras.  Quem banca é o Governo e ele quer mandar. E está certo.
E terá cada vez mais poder.

May 9, 2012

Vai, Corinthians!

 

(Giotto, “Lamentação”)  (Reprodução)

O Corinthians enfrenta hoje o Emelec pela Libertadores.
Lembrei-me de dois gigantes que muito fizeram pelo Timão: Alexandre Magnani, segundo Presidente do Clube (na verdade o primeiro,  porque Miguel Bataglia ficara apenas 15 dias no cargo), que levou o Alvinegro da várzea até a conquista de seu primeiro título, em 1914. Magnani era motorista de tílburi (uma carroça, usada como táxi) e os adversários logo usaram isto para escolher o primeiro apelido para os corinthianos: Time de carroceiros. Magnani foi um heroi do Timão e a ele devemos a consolidação daquele Clube de operários,  que nascia e rompia com o domínio do futebol pela elite. Sempre que temos um jogo importante, lembro-me dele e vivo sua luta decisiva no Torneio, que escolheu um novo membro do Campeonato Paulista. Naquele período, o Corinthians que nascia venceu o Minas Gerais (1×0) e o São Paulo (4×0), chegando a desafio do então maior campeonato do esporte, envolvido em muita luta e dificuldades.
Outro nome de quem sempre me lembro nestes jogos decisivos é Guido Giacominelli, Presidente do Clube no tricampeonato de 1922/1923/1924.
Giacominelli era um imigrante italiano, determinado, briguento e defensor intransigente do Timão. O Clube deve muito a este, que foi o oitavo Presidente alvinegro e que tanto contribuiu para a grandeza do Corinthians. Hoje, no Pacaembu, vamos torcer para que o espírito de luta destes dois herois esteja presente. E vamos vencer.
Vai, Corinthians!

Sem rodeios

O Presidente da CBF, José Maria Marin,  trabalha sem qualquer preocupação de ser delicado.
Ao dizer que não gostou de alguns nomes nas últimas convocações do técnico Mano Menezes, praticamente “chutou o balde”. Como ao explicar que não entendia  de convocações de jogadores, que estavam em times do Leste Europeu  e dos quais “ele nunca havia visto falar”. Ao dizer, como disse, que eram convocações “estranhas”, o Presidente da CBF desqualificou o Técnico. E suas declarações não tem nada de improvisadas.

“Já vi listas que eu mesmo tinha dificuldade para saber quem era determinado jogador”, disse ao Estado, de terça. E completou “Não adianta dizer que tal ou tal jogador está estourando num campeonato totalmente desconhecido. Conheço todos os truques”. Não citou jogadores e campeonatos, mas, convenhamos, não precisava.

Isto é grave. Gravíssimo! Pois são  declarações – sem meias palavras – do Presidente da CBF. Não se trata da opinião de um jornalista, radialista ou de um blogueiro qualquer.

O pior é que  o Sr. Marin fala em todos os lugares o mesmo discurso e para qualquer jornalista. E sem nenhum compromisso de cordialidade com um subordinado. O técnico Mano Menezes, que não é nenhum principiante, já deve ter entendido os constantes recados de Marin.
E não poderá adiar por muito tempo um questionamento da mídia sobre as palavras e atos do Presidente.

May 8, 2012

Gratidão

 

(Jacopo Tintoretto (1518-1594) – Il Furioso, “O festim das bodas”)

Está provocando uma bruta discussão a nova camisa do Corinthians, por conter referência ao mapa de São Paulo.
Os críticos mais ferozes são pessoas que torcem contra o Corinthians, dizendo que o Timão quer ter a maior torcida no Brasil, mas mantém um símbolo regional. Não acho nada disso.
O Corinthians é Paulista até no nome. Tem as cores da bandeira paulista  e apresenta um dado incomum no futebol: mesmo não tendo o nome de sua Cidade é a maior torcida, apesar de haver outro Clube com o nome de São Paulo. Isso não ocorre em quase parte nenhuma do mundo. Em geral, o Clube com o nome da Cidade costuma agregar a maior torcida.
Aqui, não.

Mas o que deveria mesmo a Cidade  fazer seria construir  um enorme monumento ao Corinthians, por ele tê-la salvo do que seria o maior mico de sua história.
Com a construção do seu Estádio, o Clube livrou a Cidade de um dos maiores vexames dos últimos 500 anos. Ficaria fora da Copa do Mundo em 2014, por não ter um local adequado para sediar a competição. Mesmo possuindo a cidade bons hoteis, grandes hospitais, acesso a voos internacionais etc, ficaria fora do evento por falta de estádio. Ainda que sofra todo tipo de crítica, até as mais malucas e absurdas, o Clube está livrando a Cidade do vexame. Daí decorrem expressões como “Estádio do Lula”, “dinheiro público”, “orçamento superfaturado”, “é de uma empresa, não do Corinthians” blá-blá-blá e vão por aí.
Enquanto isso, o estádio alvinegro vai sendo construído e o risco de vexame em 2014 fica cada dia mais longe.

Não devemos nos esquecer, porém, que o Corinthians está correndo todos os riscos para que a Cidade tenha um estádio digno, que faça a abertura da Copa do Mundo. Ficará com uma bruta dívida. E daí? Só um Clube grande e forte como o Corinthians poderia correr semelhante risco. Que a Cidade fica cada vez mais em débito com o Clube, não há dúvidas. E esta será uma dívida eterna.
Incalculável.

Caso Oscar

Quem está acompanhando o caso Oscar-SPFC-Inter-Giuliano Bertolucci deve ficar preparado para novos (e emocionantes lances).
Pelo que leio no Blog do Birner, vem mais briga por aí. Aliás, o Blog apresenta mais discussões jurídicas do que o sítio do Tribunais de Justiça. A Folha, pelo Painel FC, é todo apoio ao SPFC. Não sei o que dará esta briga, sem anjos, nem arcanjos.
Mas será muito interessante acompanhá-la.

May 7, 2012

Dinheiro, futebol e crise

 

(Cícero Dias, “Sonhos” ) (Reprodução)

A enorme crise econômica que atinge a Europa e os Estados Unidos está batendo em cheio no mundo dos esportes.
Com o encerramento da temporada de futebol na  Europa, os Clubes começam a mostrar o  tamanho de seus  déficit. Praticamente todas as equipes estão no vermelho, e  seus acionistas, proprietários etc, terão que tirar dinheiro do bolso para tapar o buraco nas finanças. Mas, tudo fica pior quando olhamos a preparação para a próxima temporada. Muitas empresas estão puxando o freio nos investimentos em futebol. Itália, Espanha, França, Portugal e outros tantos já estão vivendo os perigos de uma nova temporada, com muito menos dinheiro. E os jogadores sabem disso. Ontem, 6/5, na RAI, pela manhã, na transmissão do campeonato, o que mais falavam é… tal jogador vai para o Quatar; outro, para a China… ou outro ainda, para um país árabe.
É o fim de contratos que os Clubes (e os jogadores também) sabem que não serão renovados.

Aqui, pelo Brasil, a mídia (desconectada do mundo) vive publicando balanços dos últimos anos, onde aparecem todos os Clubes com aumento de receitas.
Isto é passado. O mar em que estamos entrando é outro. Veja-se que um grande número de equipes está sem patrocínios em suas camisas. Até nosso Corinthians. E muitos arrumam anúncios apenas por um ou dois jogos. Há uma evidente mudança no mercado, indicando contratos menores com as principais empresas que investem no futebol. E não nos esqueçamos da grande contribuição que deu (nos anos passados) o ex-Presidente Lula, incentivando empresas e mais empresas a anunciarem no futebol. Quase todos os Clubes receberam um empurrão do ex-Presidente para conseguirem melhores patrocínios. Sem Lula na Presidência e com uma crise econômica, o trabalho de conseguir grandes contratos de publicidade ficou mais complicado.

Além de redução em valores dos contratos de publicidade, os Clubes terão de administrar a enxurrada de jogadores brasileiros que estão voltando da Europa.
As declarações de amor à camisa (de qualquer Clube), os discursos do desejo de viver na Pátria etc serão normais nas próximas semanas. E todos aceitarão ganhar um pouco menos. O que não quer dizer muita coisa, pois ganhavam muito nos Clubes europeus em que atuavam.

Estádio

Dirigentes do Corinthians (não sei porque a Folha não publicou seus nomes) desmentiram hoje, na coluna do Painel FC, os valores que a Veja diz serem do contrato de nome do novo estádio.
O Clube, segundo o  jornal, quer um valor equivalente ao contrato com o BNDES (400 milhões). Mas confirmam que as conversas com a cervejeira estão ocorrendo. Esta é uma informação que poderia trazer o nome de quem a deu. Afinal, nada há na matéria que indique necessidade de proteção à fonte.
Só se nada for verdadeiro.

O caso Oscar

O caso do jogador Oscar, com o São Paulo FC, o Inter e o empresário Giuliano Bertolucci (que quase não aparece na mídia) está a cada dia mais interessante.
Tenho acompanhado pelo Blog do Birner as excelente matérias sobre o desenrolar da lide. Recomendo-o, inclusive, aos estudantes de Direito, pois lá temos os detalhes de todo o caso. Agora, vejo que – segundo o blog –  foi um parente do Ministro quem deu a liminar última para Oscar, contra os interesses do Tricolor. Ou melhor, um advogado que trabalha no Escritório de Advocacia que defende o Inter é sogro do Ministro. É um caso complicado. Por todo o lado. Mas será interessante vermos como terminará. Uma coisa o SPFC já ganhou. Pela primeira vez um jogador, que rompe o contrato, não é tratado como um coitadinho, iludido por um Clube. Neste caso, onde está o SPFC, é – para parte da mídia – um ingrato, esperto e coisa e tal.

May 6, 2012

Pedras e Pedreiras

A maior dificuldade que o Corinthians enfrentará nos próximos jogos é a falta de atacantes. Com a saída de Adriano  e a precária condição física de Liedson,  a capacidade de decisão do ataque do Timão fica comprometida. Adriano- como ficou claro no final do campeonato passado- mesmo não estando  cem por cento em forma, poderia ajudar em momentos decisivos. Sua saída (certa ou errado) em pleno início das disputas do ano, e a impossibilidade de reposição, abriu um buraco no ataque. A condição física de Liedson -precária a olhos visto- quase no mesmo espaço de Adriano, agrava o quadro. Restam, no atual elenco, poucas (reduzidíssimas, na verdade) alternativas para o técnico.  E em momento em que  as competições tendem a ficar cada dia mais duras, com jogos mais disputados e mais desgaste dos jogadores. É neste quadro de dificuldade que devemos lutar para superar os adversários e os problemas de elenco que apareceram. Vamos esperar que cada jogador alcance a sua melhor forma para render tudo nos próximos jogos. É acreditar, rezar e torcer.

Nova camisa

Já ouvi de tudo sobre o novo uniforme do Corinthians. Alguns gostaram, outros nem tanto. Visto pela internet- que não dá uma ideia precisa- parece-me bonita. Fui, neste sábado, ao clube- na nossa loja- para compra-lo. E, acreditem, após o barulho enorme pela internet o novo material só estará à venda na terça-feira. Que visão esquisita da Nike ! Faz um barulho de lançamento e não coloca na loja para vender o produto. Falaram-me que é para dar impacto na véspera do jogo de quarta com o time equatoriano. Não entendi muito, mas vamos esperar até lá para comprar.

Zizao

Os que dão uma olhada neste bolg sabem que não achei “uma boa” aquele barulho todo que fizeram com a chegada do jogador chinês, no início do ano. Foi uma barulheira claramente desproporcional a importância futebolística e econômica da contratação. Dizer que com ele o Corinthians abria o mercado chinês era lorota pura. Parecia-pelo tamanho da festa- que o Corinthians estava fazendo uma parceria estratégica com o governo da China. Era nada. Daí não sairia- como não saiu – um contrato ou um negócio. O pior é que ficaram promovendo-com evidente exagero- um jogador que ninguém conhecia. Chegaram a dizer que se tratava de um novo Messi. Como já haviam dito o mesmo do Defrederico ( caríssimo mico )  embora este tivesse pelo menos alguns dvds. Mas a verdade é que além de ninguém conhecer este Zizao, ele  é para lá de azarado. Com uma nova lesão (no ombro, disseram) ficará todo o primeiro semestre sem jogar. Era melhor ter feito uma festa menor.

Estádio

A Veja desta semana traz uma informação, no mínimo, preocupante. Na coluna Radar, tradicionalmente abastecida com informações do Marketing do Corinthians, diz  que, finalmente, o clube  “engatou uma negociação consistente com uma empresa para dar o nome ” do novo estádio. Afirma a revista que o valor seria 40 milhões por contrato de vinte anos, com uma cervejaria. É uma valor muito abaixo do que a direção do Timão andou falando aos quatros ventos. Deste contrato dependerá o valor da dívida que o Corinthians herdará com a construção do estádio. Quanto menor for o arrecadado com o nome, maior será a parcela que sobrará para o Timão pagar de seu caixa.

Ronaldo

O Corinthians encerrou o contrato de publicidade na camisa que manteve nos últimos meses. E, pelo que vemos, aquela noticia de “um contrato com uma montadora coreana, por 50 milhões por ano”, tão propagandeado era…”propaganda”. Da empresa e do Marketing corinthiano.  Como faz falta um Ronaldo, diriam os deuses ! Faz falta, sim. Jogando ou não jogando.

May 4, 2012

Boleirada

 

(Clóvis Graciano (1907-1988), “Colheita”) (Reprodução)

Todo torcedor acha que sabe mais de futebol do que o técnico, o jogador e a Diretoria.
Esta é a regra no futebol e é isso que faz a beleza apaixonante do esporte. Muitos Dirigentes também se acham grandes boleiros, pretendendo entender de táticas, escalações de equipes e tudo o mais. Aí é o perigo. O Dirigente deve organizar o planejamento da temporada de sua equipe, acompanhando sua execução. Programação de treinos devem ser respeitadas, horário e período para tratamento médico etc. E o Dirigente deve evitar a bruta vontade de dar palpite nas escalações. Caso não esteja satisfeito com o trabalho da Comissão Técnica, deve mudar os profissionais. Neste caso, o status do Dirigente deve superar o de torcedor .
É duro, mas às vezes tem que ser feito.

O episódio da “retirada” de um jogador da concentração (e do time) pela Diretoria do SPFC  é uma mostra destes equívocos no futebol.
Como diz hoje o Antero Grecco, no Estado (Sossega Leão), foi uma sequência de erros. “A imposição manda para o lixo o discurso que tão garbosamente se ostenta no Morumbi, de que se trata de um clube diferente, em que decisões são tomadas em conjunto e com base em perspectivas profissionais, modernas e o blablabla manjado”.
Foi coisa de torcedor amador.

Mas não é só no SPFC que essas coisas vivem acontecendo.
No Corinthians, um antigo Dirigente (Sr. Nesi Cury) tinha verdadeira obsessão por escalar times e demitir técnicos (sempre no vestiário). Nesi, que foi o “pai espiritual” das últimas direções do Corinthians, deixou uma marca de atraso para o Clube. Na década de 1960, demitiu o técnico Zezé Moreira no vestiário, por divergências na escalação de um jogador na ponta-direita do Timão. Saindo do jogo, o técnico demitido, disse uma das frases antológicas sobre este problema: “O Corinthians não necessita de técnico, mas de um psiquiatra para tratar a Diretoria”.
Até hoje guardo esta frase, e mantenho distância de Dirigentes com este perfil.

Equilíbrio

Os jogadores brasileiros, apoiados pela imprensa Tapuia, vivem acusando outros times de provocadores, catimbeiros etc.
Com isso, justificam seus descontroles e suas expulsões que tanto prejudicam as equipes. É uma situação sempre complicada, manter os jogadores calmos sem que “percam a cabeça” por excesso de faltas e erros de arbitragem. Este desequilíbrio foi a parte negativa do Corinthians no último jogo no Equador.
Expulsões, cartões etc, levam o grupo a perder a serenidade necessária para atuar bem.

Recordo-me do jogador Kleber que, em jogo contra o River (2003), atravessou o gramado para fazer uma falta infantil e grosseira num jogador argentino, que teria lhe dito uma expressão racista. Eram quase 40 minutos do segundo tempo. O Corinthians ganhava de 1×0; o River empatou na batida da falta e, dois minutos após, fez outro gol. Perdemos a partida e o atleta para o jogo de volta.
Tivemos que escalar um juvenil, que não aguentou a barra e também foi expulso.

Quando disse ontem que Emerson, Jorge Henrique e Castan reclamavam demais do árbitro, ficava pensando no discurso que adotariam se fossem expulsos.
É neste momento que você vê a importância de equilíbrio e de jogadores diferenciados.

Ausência

A dispensa de Adriano e o quadro de dificuldades de Liedson são os maiores pepinos que o Corinthians tem nas próximas partidas.
São dois jogadores que – em boas condições – fazem a diferença da equipe. Sem  eles, ou apenas parcialmente com um deles, abre-se  um buraco difícil de ser preenchido. Lamentavelmente, estas duas situações (saída de um e condição precária de outro) não foram adequadamente previstas e teremos que tocar com o que temos.