Browsing articles in "Música"
Aug 31, 2012

Toquinho, “Corinthians do meu coração”

 

És grande no esporte bretão,
O passado ilumina tua história.
Ciente de tua missão:
Vitória, vitória, vitória.

Corinthians do meu coração,
Tu és religião de janeiro a janeiro.
Ser corinthiano é ir além
De ser ou não ser o primeiro.
Ser corinthiano é ser também
Um pouco mais brasileiro.

Tens a tradição
De um clube tantas vezes campeão.
Pelos teus rivais, temido;
Pela tua FIEL, querido.

Ser corinthiano é ir além
De ser ou não ser o primeiro.
Ser corinthiano é ser também
Um pouco mais brasileiro.

 

 

Aug 31, 2012

Primeiro Hino do Corinthians



Lutar… Lutar…

É nosso lema sempre, para a glória.

Jogar… Jogar…

E conquistar os louros da vitória.

E proclamar nosso pendão.

É alvinegro e sempre há de brilhar,

Lutar, viril

Para a grandeza e glória do Brasil.

CORINTHIANS… CORINTHIANS…

A glória será teu repouso

E nós unidos sempre…

elevaremos teu nome glorioso

Aug 1, 2012

Uma quarta-feira sem futebol

Primeiro Hino do Corinthians



Lutar… Lutar…
É nosso lema sempre, para a glória.

Jogar… Jogar…
E conquistar os louros da vitória.
E proclamar nosso pendão.
É alvinegro e sempre há de brilhar,
Lutar, viril
Para a grandeza e glória do Brasil.

CORINTHIANS… CORINTHIANS…

A glória será teu repouso
E nós unidos sempre…
elevaremos teu nome glorioso

 

Jamelão canta Corinthians, Campeão do Centenário (1955) (Billy Blanco)


Jul 23, 2012

Coro dos Ciganos de “Il Trovatore” (Verdi)

 

 

La ZingarellaIl Torvatore (Verdi)

 

Vedi! le fosche notturne spoglie

de’ cieli sveste l’immensa volta;

sembra una vedova che alfin si toglie

i bruni panni ond’era involta.

All’opra! all’opra!

Dagli, martella!

(Danno di piglio ai ferri del mestiere.)

Chi del gitano i giorni abbella?

La zingarella!

Versami un tratto; lena e coraggio

il corpo e l’anima traggon dal bere.

Oh guarda, guarda! del sole un raggio

brilla piu vivido nel tuo bicchiere.

All’opra! all’opra!

Chi del gitano i giorni abbella?

La zingarella!

May 19, 2012

Dietrich Fischer-Dieskau

Dietrich Fischer-Dieskau, barítono alemão, considerado um dos mais importantes cantores líricos do século XX, faleceu na última sexta-feira, 18/5/12.
Nascido em Berlim, em 28/5/1925, filho de uma professora e de um diretor escolar, começou a estudar canto na infância, mais aprimorou seus estudos a partir dos 16, interrompendo-os durante a guerra.
Em 1947, começou sua tragetória como cantor profissional, interpretando em Badenweiler, “Ein Deutsches Requiem” de Brahms. Seu primeiro recital ocorreu em Leipzig, no outono de 1947, projetando-o em todo o país.
Logo chegou a atuar em papéis de destaque ao lado de sopranos como Elisabeth Schwarzkopf e Irmgard Seefried.
Debutou em 1948, no Städtische Oper Berlin, no papel de Posa na ópera “Don Carlo”, de Verdi.
Nos anos seguintes, foi convidado a se apresentar em grandes palcos operísticos, como Viena, Munique, Paris, Milão e Londres.
Além de marcantes interpretações de ópera e de lieder, destacou-se em papéis de compositores contemporâneos, como Benjamin Britten, Samuel Barber, Karl Amadeus Hartmann, Hans Werner Henze, Ernst Krenek, Witold Lutoslawski, Siegfried Matthus, Aribert Reimann, Winfried Zillig e Gottfried von Einem.
Sua obra mais popular é o registro de “Viagem de Inverno”, um conjunto de Lieder de Franz Schubert.



Mar 18, 2012

O Corinthians na música

Lourenço e Lourival

“Corinthians e Palmeiras”

Tem corinthiano aí?
Tem, sim, senhor!
Tem palmeirense aí?
Tem, sim, senhor!

Quando o Corinthians ganha
Lá no bar o samba esquenta
Quando o Palmeiras ganha
Não há macarrão que aguenta

Fique Sabendo
Periquito palmeirense
Que o Corinthians ainda te pega
Pra cortar a tua asa
Em pouco tempo
Você fica depenado
Te botamos no espeto
Pra assar você na brasa

Tem corinthiano aí?
Tem, sim, senhor!
Tem palmeirense aí?
Tem, sim, senhor!
Quando o Corinthians ganha
Lá no bar o samba esquenta
Quando o Palmeiras ganha
Não há macarrão que aguenta

Passar na brasa?
Você já disse besteira
Quando jogar com o Palmeiras
Não vão ver a cor da bola

O corinthiano
Que se diz campeão da massa
Só sabe tomar cachaça
E quando fala a língua enrola

Tem corinthiano aí?
Tem, sim, senhor!
Tem palmeirense aí?
Tem, sim, senhor!

Quando o Corinthians ganha
Lá no bar o samba esquenta
Quando o Palmeiras ganha
Não há macarrão que aguenta

Viva o Corinthians!
Campeão do Centenário!
Não tem medo do Palmeiras
Timinho que não aguenta

É o Corinthians
Que sabe chutar o couro
O Palmeiras, coitadinho,
Só sabe comer polenta

Tem corinthiano aí?
Tem, sim, senhor!
Tem palmeirense aí?
Tem, sim, senhor!

Quando o Corinthians ganha
Lá no bar o samba esquenta
Quando o Palmeiras ganha
Não há macarrão que aguenta

Viva o Palmeiras!
Aonde só tem campeão
E no time do Corinthians
Só tem perna de pau
E dessa vez vão levar de dez a zero
Vocês vão ficar sabendo
Que o Palmeiras é o tal

Tem corinthiano aí?
Tem, sim, senhor!
Tem palmeirense aí?
Tem, sim, senhor!

Quando o Corinthians ganha
Lá no bar o samba esquenta
Quando o Palmeiras ganha
Não há macarrão que aguenta

Pros corinthianos
Vai nosso abraço apertado
Pra torcida do Palmeiras,
Vai nosso aperto de mão

Nossa desculpa por essa brincadeira
É o Corinthians e o Palmeiras
Alegria do povão

Tem corinthiano aí?
Tem, sim, senhor!
Tem palmeirense aí?
Tem, sim, senhor!

Quando o Corinthians ganha
Lá no bar o samba esquenta
Quando o Palmeiras ganha
Não há macarrão que aguenta

 

 

Mar 16, 2012

O Corinthians na música


Primeiro Hino.


Lutar… Lutar…
É nosso lema sempre, para a glória.
Jogar… Jogar…
E conquistar os louros da vitória.
E proclamar nosso pendão.
É alvinegro e sempre há de brilhar,

Lutar, viril
Para a grandeza e glória do Brasil.

CORINTHIANS… CORINTHIANS…

A glória será teu repouso
E nós unidos sempre…
elevaremos teu nome glorioso

Nov 30, -0001

Libiamo (Brindsi) de “La Traviata” (Verdi)


Placido Domingo e Teresa Stratas



“Libiamo” (Brindsi) de “La Traviata” (Giuseppe Verdi)


Alfred

Libiamo, libiamo ne’lieti calici
che la bellezza infiora.
E la fuggevol, fuggevol ora s’inebrii
a voluttà
Libiam ne’dolci fremiti
che suscita l’amore,
poiché quell’ochio al core onnipotente va.
Libiamo, amore, amor fra i calici
più caldi baci avrà


Coro

Ah! Libiam, amor, fra’ calici più caldi baci avrà


Violetta

Tra voi tra voi saprò dividere
il tempo mio giocondo;
Tutto è follia, follia nel mondo
ciò che non è piacer
Godiam, fugace e rapido
e’il gaudio dell’amore,
e’un fior che nasce e muore,
ne più si può goder
Godiamo, c’invita, c’invita un fervido
accento lusinghier.


Coro

Godiamo, la tazza, la tazza e il cantico,
la notte abbella e il riso;
in questo, in questo paradiso ne scopra il nuovo dì


Violetta

La vita è nel tripudio


Alfred

Quando non s’ami ancora


Violetta

Nol dite a chi l’ignora,


Alfred

E’il mio destin così…


Tutti

Godiamo, la tazza, la tazza e il cantico,
la notte abbella e il riso;
in questo, in questo paradiso ne scopra il nuovo dì.

Pages:«12345678910