Oct 19, 2017
admin

No começo da tabela

Da Gazeta Esportiva

O Corinthians brigou bastante, mas criou pouco na noite desta quarta-feira, assim como o Grêmio, no duelo dos líderes do Campeonato Brasileiro. Em melhor situação devido aos nove pontos de diferença, o Alvinegro até tentou pressionar e sufocar o adversário, mas não conseguiu sair do 0 a 0 no estádio de Itaquera, em placar que pode ser considerado justo dado ao nível de apresentação das equipes.

Com o resultado, o Timão chega aos 59 pontos conquistados, contra 50 do próprio Grêmio, mantendo a distância para os gaúchos. Santos e Palmeiras, que jogam no complemento da rodada, podem diminuir a desvantagem, mas o máximo que pode acontecer é o segundo colocado ficar a sete pontos do Alvinegro.

Na próxima rodada, os comandados do técnico Fábio Carille terão pela frente o Botafogo, em duelo que será realizado apenas às 20h (de Brasília) da segunda-feira, dia 22, no Nilton Santos. Do outro lado, os gremistas terão pela frente o Palmeiras, em sua Arena, no domingo, às 17h (de Brasília).

Jogo pegado e zerado

Assim como era de se esperar, o primeiro tempo do duelo entre os líderes do Brasileiro reuniu duas equipes bastante dedicadas e sem deixar espaço para o adversário. Com menos preocupações para a partida, já que entrou em campo com boa vantagem sobre os gaúchos, o Timão se limitou a anular as tentativas do adversário nos primeiros 15 minutos de bola rolando, principalmente com a boa marcação na saída de bola.

O primeiro lance de perigo, porém, foi a senha para os corintianos se soltarem mais. Aos 11 minutos, Edilson saiu bem da marcação de Romero, tabelou com Barrios, driblou Pedro Henrique e finalizou dentro da área. Por estar rodeado de corintianos, porém, ele não conseguiu colocar força no chute e facilitou o trabalho de Cássio. A partir dali, os laterais corintianos saíram mais para o apoio e conseguiram criar perigo para o adversário.

ATIVAR ALERTAS

Em jogada pela esquerda, Guilherme Arana acionou Rodriguinho na lateral da área e o armador foi derrubado por Pedro Geromel. Na cobrança, Jadson levantou na segunda trave e achou Jô na pequena área. O centroavante subiu mais alto que Jailson e cabeceou para o chão. A bola quicou e passou raspando a trave de Marcelo Grohe, que nem se mexeu. Na sequência, Romero limpou o zagueiro e foi travado na hora do chute.

O jogo continuou igual, com Gabriel acompanhando Luan onde quer que o armador tricolor fosse, deixando a criação mais a cargo de Fernandinho. Com boas dobradinhas ao lado de Cortez, ele levou perigo e fez até com que Fagner fosse amarelado. O outro lance de perigo, no entanto, veio quando Barrios ganhou de Pedro Henrique e invadiu a área, mas Balbuena apareceu para cortar o lance na hora certa.

O segundo tempo mostrou times com o mesmo receio para atacar, mas sem tanto fôlego para buscar um jogo intenso. Dessa forma, os primeiros 20 minutos foram de muitos toques laterais e bastante marcação. Durante 1m30s de posse de bola do Corinthians, por exemplo, os alvinegros recuaram todas as vezes em que foram pressionados pelos gremistas. A marcação ganhou com sobra até Balbuena estourar a bola e entregá-la ao rival.

Buscando um jogo de mais qualidade, Carille, como sempre, chamou do banco de reservas Clayson e Marquinhos Gabriel, substituindo Jadson e Romero, respectivamente. Com as alterações, praticamente as mesmas que realizou durante todo o Brasileiro, o treinador tentou abrir mais o jogo e ter mais tabelas pelo lado. Logo na sequência, ele perdeu sua outra chance de udar o jogo quando Gabriel, com câimbras, deu lugar a Fellipe Bastos.

Percebendo a impossibilidade de o Timão ficar mais ofensivo, Renato Gaúcho acionou os avantes Everton e Beto da Silva, dando sangue novo ao seu ataque. Quem criou perigo primeiro, no entanto, foi o time da casa. Aos 30 minutos, Marquinhos Gabriel deu belo drible em Cortez e acionou a boa ultrapassagem de Fagner. O lateral cruzou rasteiro para Rodriguinho, mas Edilson, preciso, cortou antes de o armador finalizar.

A resposta gremista foi em grande estilo. Quatro minutos depois, após falta cometida por Fagner, na lateral da área, Edilson bateu forte e carimbou o travessão de Cássio. Depois, o Timão buscou algumas bolas erguidas na área adversária, mas Kannemann e Geromel, impecáveis, conseguiram anular essas chances. No último suspiro, Jael, de cabeça, mandou rente à trave de Cássio a oportunidade final.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 0 X 0 GRÊMIO

Local: estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 18 de outubro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Assistentes: Helton Nunes (SC) e Thiaggo Americano Labes (SC)
Público: 40.008 pagantes
Renda: R$ 2.231.124,40
Cartões amarelos: Fagner (Corinthians); Barrios (Grêmio)

CORINTHIANS: Cássio, Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana; Gabriel (Fellipe Bastos), Maycon, Jadson (Clayson), Rodriguinho e Romero (Marquinhos Gabriel); Jô
Técnico: Fábio Carille

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Walter Kannemann e Bruno Cortez; Arthur, Jailson, Ramiro, Fernandinho (Beto da Silva) e Luan (Everton); Lucas Barrios (Jael)
Técnico: Renato Portaluppi

Mais luta, pouco futebol

Oct 16, 2017
admin

Vamos em frente!

Por Lucas Faraldo – Meu Timão
Fagner errou em lance do gol do Bahia
 

O Corinthians sucumbiu diante da elétrica equipe do Bahia na noite deste domingo e conheceu seu quarto revés na atual edição do Campeonato Brasileiro. Os comandados de Fábio Carille perderam por 2 a 0 em duelo disputado na Arena Fonte Nova, em Salvador, pela 28ª rodada. O fatídico primeiro gol tricolor foi marcado por falha individual de Fagner; já o tento final saiu no último instante da partida, quando Cássio havia se lançado ao ataque.

Com o resultado negativo, o Corinthians agora corre risco de perder até três pontos de “gordura” na liderança do Brasileirão. Por ora, a vantagem para o Santos segue de dez pontos – a equipe da Baixada Santista, porém, ainda joga na rodada, recebendo o Vitória no estádio do Pacaembu na noite desta segunda-feira. O Grêmio venceu o Coritiba por 1 a 0 neste domingo e assim subiu para a vice-liderança, agora a nove pontos do Timão.

Vale destacar que o Corinthians entrou em campo sem dois de seus jogadores considerados titulares: Pablo, lesionado, e Gabriel, suspenso, deram lugar pelo segundo jogo consecutivo a Pedro Henrique e Camacho, respectivamente.

Assim, o Timão foi escalado com: Cássio, Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana; Camacho e Maycon; Romero, Rodriguinho e Jadson (capitão); Jô.

Em tempo: sem enrolação, o Corinthians já volta a campo na noite da próxima quarta-feira. A partir das 21h45, na Arena, em Itaquera, os comandados de Carille enfrentam o Grêmio em duelo válido pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Primeiro tempo

Os 45 minutos iniciais foram marcados por superioridade do Bahia diante do Corinthians. O time mandante foi quem mais insistiu nas jogadas de ataque e pressionou os defensores adversários. Os alvinegros pareciam encontrar dificuldade para recuperar as bolas, colocá-las no chão e sair jogando sem apelar para chutões em direção a Jô.

Não à toa, quem primeiro balançou as redes foi o Bahia. Mas a arbitragem assinalou corretamente impedimento. Rodrigão rolou para Zé Rafael, que estava avançado em relação aos defensores corinthianos. O meia chutou de primeira, e Cássio não conseguiu defender.

Pouco depois, a dupla tricolor voltaria a infernizar Cássio & cia. Zé Rafael tabelo com Rodrigão e, da entrada da área, soltou um foguete. O camisa 12 do Corinthians se esticou todo para espalmar a bola e salvar a pátria alvinegra.

Cássio teve trabalho ao longo dos 90 minutos na Arena Fonte Nova
 

Com o passar do tempo, o Corinthians até passou a marcar um pouco mais de presença no campo defensivo do Bahia. Foi assim, inclusive, que surgiu a melhor chance de gol da etapa inicial: aos 33 minutos, Romero cruzou pela direita, Jô cabeceou na pequena área, e Jean esbanjou reflexo para desviar a bola e evitar o tento corinthiano.

Segundo tempo

A etapa complementar começou semelhante à anterior: dificuldade do Corinthians em colocar a bola no chão e maior volume de jogo do Bahia. Conclusão? Pedro Henrique precisou travar dois adversários na mesma jogada para atrapalhar um ataque tricolor e assim salvar o Timão.

Não demorou para Carille perceber a necessidade de mexer na equipe. Marquinhos Gabriel entrou no lugar de Jadson. Clayson, no de Romero. Em meio às modificações, o Corinthians construiu grande chance de gol: o camisa 31 cruzou, Fagner chutou em cima da marcação e Maycon finalizou levando mais perigo à meta de Jean. O goleiro fez grande defesa!

Como quem não faz toma… Régis levantou a bola na grande área do Corinthians, mas Fagner ficou com ela. O lateral, porém, se atrapalhou e perdeu a posse bisonhamente para Edigar Junior, que deu um “cutuque” para Vinicius. O meio-campista venceu a marcação de Balbuena e soltou bomba sem chance de defesa para Cássio. Placar aberto a favor do Bahia.

Numa espécie de “tudo ou nada”, Carille sacou Maycon e deu chance a Giovanni Augusto. O meio de campo ofensivo congestionado do Corinthians até pressionou a defesa do Bahia. Mas…

No fim das contas, nenhuma grande oportunidade de gol foi construída na reta final da partida. Cássio se lançou ao ataque naquele que se desenhava o último lance da partida. E não é que ainda deu tempo de um contra-ataque do Bahia? Sem goleiro na meta do Timão, Régis avançou com liberdade e estufou as redes alvinegras, ampliando o marcador.

O Corinthians, tropeçando nas próprias pernas, saiu de campo derrotado em Salvador. Ô, sofrência!

Oct 12, 2017
admin

O Futebol Feminino merece mais respeito e atenção

O Corinthians sempre foi pioneiro e grande propagador da cultura esportiva no Brasil. O futebol feminino, que hoje tem campeonatos regulares e organizados precisa ser olhado com mais carinho e seriedade.

Não há cabimento em mandar jogos fora da cidade de São Paulo enquanto temos uma das mais modernas e bonitas arenas do mundo. Devemos prestigiar a nossa modalidade feminina, usando também essas partidas para ajudar popularizar a arena e trazer a torcida para mais perto da sua casa.

Oct 12, 2017
admin

Disparando

Saindo do banco, Clayson marcou o quarto gol em três partidas pelo Timão

Não chegou a ser a noite dos sonhos do torcedor alvinegro, mas o líder Corinthians voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Com gols de Jô e dois de Clayson, que marcou pelo terceiro duelo consecutivo, o Timão derrotou o Coritiba por 3 a 1 na noite desta quarta-feira, na Arena em Itaquera, pela 27ª rodada. Os alvinegros dormem na liderança com onze pontos de vantagem para o rival Santos, segundo colocado.

 A equipe corinthiana, a bem dizer, entrou em campo com um desfalque de última hora. O zagueiro Pablo, cotado para iniciar a partida entre os titulares, foi cortado até do banco de reservas por precaução. Ele se juntava a Fagner, Gabriel e Ángel Romero, todos suspensos.

Assim, Carille optou pela seguinte escalação: Cássio, Léo Príncipe, Balbuena (capitão), Pedro Henrique e Guilherme Arana; Camacho e Maycon; Marquinhos Gabriel, Rodriguinho e Jadson; Jô.

O Coritiba, por sua vez, que vinha a São Paulo como vice-lanterna da Série A, tinha em Henrique Almeida e Rildo (este ex-Corinthians) a esperança da vitória fora de casa. Sob o comando de Marcelo Oliveira, o time de Curitiba era formado por Wilson; Léo, Cleber Reis, Werley e Carleto; Edinho, Alan Santos, Matheus Galdezani e Tiago Real; Rildo e Henrique Almeida.

PRIMEIRO TEMPO

Por ser mandante, líder do Brasileirão e necessitar da vitória, o Corinthians não demorou a impor seu ritmo e dominar o jogo diante do Coritiba. Camacho e Maycon, volantes do esquema adotado por Fábio Carille, tinham a missão de acelerar as movimentações entre defesa e ataque, principalmente porque os meias alvinegros de criação, Jadson e Rodriguinho, eram bastante cercados pelo time paranaense.

Bastaram nove minutos para o Corinthians marcar o primeiro. Após passe de Balbuena, Jadson deu assistência de calcanhar para Jô, que arrancou e bateu de chapa na entrada da área, sem chances de defesa para o goleiro Wilson.

O Timão, como há muito tempo não se via, demonstrava ter paciência para criar. Quando era pressionado, buscava acelerar o contra-ataque com Maycon, Guilherme Arana e Marquinhos Gabriel. Já Jô, referência no ataque, tentava se desvencilhar da marcação e receber em condições para anotar o segundo gol.

Ao Coritiba, a saída foi abusar das bolas alçadas na área de Cássio. O goleiro, de volta ao clube após período na Seleção Brasileira, esbanjou reflexo ao defender cabeceio do zagueiro Cleber. Mais tarde, mesmo após impedimento assinalado, resvalou na bola em finalização rasteira. Depois, em arremate à queima-roupa de Henrique Almeida.

Acontece que a defesa corinthiana voltaria a dar bobeira antes mesmo do intervalo, desta vez sem que Cássio pudesse evitar o gol paranaense. Carleto cobrou escanteio, Henrique subiu livre de marcação e deixou tudo igual a poucos minutos do fim do primeiro tempo.

“A gente, depois do jogo, acomodou um pouco, chamamos eles para o nosso campo. Uma bola parada, em uma batida muito boa, fizeram. Estamos tentando criar, agora é acertar alguns detalhes pro segundo tempo”, analisou Jô, artilheiro do Corinthians na temporada de 2017.

SEGUNDO TEMPO

O terceiro empate consecutivo não interessava ao líder do campeonato, que até retornou do intervalo sem modificações. Porém, Fábio Carille logo notou que o setor ofensivo do Timão precisaria de mais velocidade se quisesse os três pontos frente aos paranaenses. A alternativa foi chamar Clayson, autor dos dois últimos gols da equipe – sobre São Paulo e Cruzeiro –, no lugar de Maycon, dono de atuação discreta.

Em rápido contra-ataque, Marquinhos Gabriel recebeu na direita, puxou para o meio e cruzou na medida para o meia que acabara de entrar no jogo. Ele cabeceou firme, mas viu Wilson fazer grande defesa e a zaga curitibana afastar o rebote.

É bem verdade que o Corinthians não apresentava contra o Coritiba tantos erros de passe como nos compromissos passados. Ainda assim, faltava criatividade aos donos da casa, que até contavam com Rodriguinho, mas o camisa 26 sequer encostava na bola a essa altura.

Aos 27, Marquinhos, sem opções de passe, decidiu finalizar a gol, fundamento do qual o Corinthians mal fazia uso. O armador bateu de fora da área, de canhota, e acertou o travessão do goleiro Wilson, incendiando os mais de 36 mil alvinegros presentes em Itaquera.

Mas a noite parecia mesmo ser de Clayson. Em jogada iniciada por Jô, que evitou que a bola se perdesse pela linha de fundo, Léo Príncipe dominou dentro da área e cruzou para Rodriguinho. O número 26 resvalou na bola e a viu sobrar para Clayson, que só empurrou para o fundo do gol. Alívio aos corinthianos!

Sem a pressão em torno da vitória, o Timão passou a jogar no erro de um desesperado Coritiba, que se lançava ao ataque a qualquer custo, já descompromissado com o setor defensivo.

Aos 43, já no apagar das luzes, mais um do artilheiro da quarta-feira. Depois de Rodriguinho acertar a trave esquerda de Wilson, Clayson, bem posicionado, emendou para o gol e decretou o triunfo preto e branco: 3 a 1.

Com 17 vitórias em 27 rodadas, o Corinthians volta a campo no próximo domingo, ante o Bahia, fora de casa, às 19h. Pra cima deles!

Oct 11, 2017
admin

Os sócios do Clube terão acesso ao Programa de Fiel Torcedor

Atualmente, os sócios do Corinthians não têm acesso direto à compra de ingressos, como acontece com aqueles que participam do programa Fiel Torcedor. Isso precisa mudar. O sócio do Clube, que já colabora para a manutenção da nossa agremiação, precisa ter prioridade ao adquirir ingressos para a Arena.

Esse tipo de medida também pode ajudar fortalecer nosso Clube Social e é uma sugestão muito frequente entre os sócios.

No vídeo abaixo, nós falamos um pouco sobre isso.

Oct 10, 2017
admin

O Clube Social está abandonado

O Clube Social está abandonado. Justamente nesta diretoria (que falava que iria cuidar bem do Clube Social), é que o Parque São Jorge vive seu pior momento. Falta água, falta luz, os banheiros estão sempre sujos… todo tipo de problema tem lá.

Acredito que nós hoje temos uma oportunidade única de melhorar muito o Clube Social e dar um grande salto. O futebol saiu do Parque São Jorge, pois agora treina no CT e joga em Itaquera.

Por conta disso, é hora de repensar o Parque São Jorge, especialmente o espaço da Fazendinha. Precisamos aproveitar melhor os espaços para ter um Clube Social melhor e também para introduzir esportes olímpicos.

Neste momento temos muitas boas possibilidades para melhorar a vida do associado e reestabelecer nossa força em esportes diversos.

Veja o trecho de nossa entrevista para o programa “Timão Universitário”, onde abordamos este tema:

Oct 4, 2017
admin

Roque Citadini: “Precisamos terminar o estádio e rever a negociação”

O estádio não é impagável, como dizem. É um estádio bom, bonito e que precisa ser terminado. É necessário rever a negociação feita pelo Corinthians à partir de três pontos: obras que estavam previstas e não foram realizadas, obras que foram feitas de forma errada e obras que foram entregues acima do preço.

Infelizmente, a atual diretoria não tem nenhuma condição de enfrentar essas questões e se a situação ganhar as eleições, o Corinthians não resolverá o problema do estádio. Qualquer negociação feita por eles será o mais do mesmo.

Neste vídeo, parte de entrevista à Band Sports, falamos sobre a questão do estádio corinthiano.

Oct 3, 2017
admin

Vídeo: A CBF rebaixou o direito de votos dos clubes

Uma das vergonhas que nós temos é a mudança do estatuto da CBF, que rebaixou o direito de voto dos clubes.

Veja nossa participação no Canal Band Sports, onde falamos do assunto:

Oct 1, 2017
admin

Na liderança

Por Lucas Faraldo – Meu Timão
Clayson marcou o gol corinthiano no Mineirão
 

O Corinthians conseguiu um heroico empate no fim de tarde deste domingo. Em jogo realizado no Mineirão, o Timão do técnico Fábio Carille buscou o placar de 1 a 1 diante do Cruzeiro, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O autor do tento foi Clayson, que já havia salvado a pátria alvinegra no último domingo, em clássico contra o São Paulo.

O autor do gol cruzeirense foi Rafinha, ainda no primeiro tempo. Nos minutos iniciais da etapa complementar, foi a vez de o Corinthians balançar as redes, mas a arbitragem errou ao anular gol de Balbuena alegando posição de impedimento do zagueiro paraguaio. Mas justiça seria feita: aos 38 minutos, em cobrança de pênalti, Clayson marcou e deixou tudo igual!

Com o resultado, o Corinthians viu sua vantagem na liderança cair dois pontos na rodada. Até a noite de sábado, o Timão tinha “gordura” de dez pontos para o vice-líder Santos. A equipe da Baixada Santista venceu o Palmeiras e, com o empate corinthiano, diminuiu para oito a distância para a primeira colocação. Veja a classificação completa aqui.

Vale lembrar que o Corinthians entrou em campo com uma alteração em relação ao time considerado ideal: o lesionado Jô deu lugar ao reserva imediato Colin Kazim. Assim, o Timão subiu ao gramado com: Cássio, Fagner (capitão), Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Romero; Kazim.

Em tempo: o Timão volta a jogar apenas no próximo dia 11, uma quarta-feira. Em duelo válido pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians recebe o Coritiba na Arena. Até lá, o torneio fica paralisado por conta das últimas duas rodadas das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018.

Primeiro tempo

O Corinthians, ao contrário do que geralmente acontece quando é visitante, foi quem dominou as ações na etapa inicial. O Cruzeiro deixou a posse de bola com os alvinegros para jogar nos erros do Timão. E a estratégia que se mostrou mais efetiva foi a celeste.

Em contra-ataque aos 19 minutos, Thiago Neves, Alisson e Diogo Barbosa realizaram envolvente triangulação pela esquerda, tirando Fagner para dançar. O lateral cruzeirense, então, acertou belo cruzamento na entrada da pequena área. Guilherme Arana deu bobeira, e Rafinha apareceu como um foguete para antecipar a marcação corinthiana e cabecear com sem chances de defesa para o goleiro Cássio. Placar aberto a favor dos mandantes.

Em desvantagem no marcador, o Corinthians passou a pressionar ainda mais o Cruzeiro, trocando passes no campo de ataque e tentando abrir espaços no entorno da grande área rival. O problema foi a (falta de) criação de jogadas!

Carille até tentou modificar a equipe ao promover a inversão de Romero e Jadson, passando o atacante para a direita e o meia para a esquerda. Com a mudança, o paraguaio passou a dificultar a vida de Alisson. Ofensivamente, porém, não houve grandes resultados.

Vale ainda destacar que Jadson conseguiu achar duas enfiadas de bola, mas… Gabriel recebeu pela direita e chutou para defesa de Fábio; Kazim, em posição de impedimento, foi lançado, fez a movimentação de pivô e marcou um gol bem anulado pela arbitragem.

Segundo tempo

O Corinthians voltou do intervalo com uma substituição: Jadson saiu para a entrada de Marquinhos Gabriel, numa clara tentativa de Carille de colocar mais fogo no jogo. E a mudança surtiu efeito!

A equipe alvinegra iniciou a etapa complementar “elétrica”. Logo aos três minutos, Maycon cobrou falta levantando a bola na grande área. Balbuena venceu os marcadores pelo alto e cabeceou para o fundo das redes. A arbitragem, agora de forma errônea, anulou o gol alegando impedimento. O cruzeirense Léo dava condição para o zagueiro paraguaio.

Balbuena estava em condição legal
 

Sem perder tempo reclamando com o árbitro, o Corinthians tratou de seguir no ataque. Marquinhos Gabriel “entortou” Lucas Romero com lindo drible e bateu para o gol. Fábio, seguro, realizou boa defesa.

Mantendo a busca pelo gol de empate, Rodriguinho tabelou com Kazim na entrada da área e encheu o pé no canto direito de Fábio. O goleiro, novamente, se esticou todo para espalmar.

Percebendo o bom momento do Corinthians no jogo, Carille decidiu lançar sua equipe ainda mais para o ataque: sacou o volante Gabriel e colocou o atacante Clayson em campo. Não demorou para também promover a terceira e última alteração: Camacho no lugar de Maycon.

A pressão corinthiana se manteve, e a recompensa veio aos 38 minutos: pênalti para o Timão após toque na mão do zagueiro Murilo em lance protagonizado por Kazim. Na cobrança, Clayson colocou a bola na marca da cal e bateu firme para empatar o duelo!

Nos minutos finais, Carille ainda fez questão de orientar sua equipe a manter a pressão no campo ofensivo em busca do gol da virada. Acabou não rolando… Mas valeu o esforço! O Timão volta para São Paulo com um importante (e bastante disputado) pontinho na bagagem.

Sep 24, 2017
admin

Mais um ponto fora de casa

Por Vinícius Souza – Meu Timão

O bom futebol praticado pelo Corinthians no primeiro turno parece ter ficado… no primeiro turno. Ainda assim, não tem faltado raça. Mesmo sem a criatividade ofensiva de outrora, o Timão empatou com o São Paulo por 1 a 1 na manhã deste domingo, no estádio do Morumbi, pela 25ª rodada do Brasileirão. O gol alvinegro foi marcado pelo atacante Clayson, o primeiro dele pelo clube.

O gol de Clayson tem valor simbólico ao Corinthians, que terminará 2017 sem ter sido derrotado pelo rival. Em seis Majestosos disputados na temporada, os alvinegros venceram dois e empataram quatro.

A equipe de Fábio Carille contou com três reforços para o duelo na matinê do Brasileirão. O lateral-esquerdo Guilherme Arana, preservado da partida contra o Racing na Argentina, retornava ao lado esquerdo da defesa alvinegra. No meio de campo, Maycon e Rodriguinho, recuperados fisicamente, eram apostas do Corinthians no Majestoso.

Com 54 pontos, o Timão volta a campo no próximo dia 1º, frente ao Cruzeiro, no Mineirão.

PRIMEIRO TEMPO

Torcedor corinthiano, pense rápido: qual a estratégia de jogo preferida de seu time em 2017? Se você respondeu contra-atacar em velocidade, soube de antemão como o Timão atuaria no começo do clássico no Morumbi. Sem fazer questão de ter a posse da bola, o Corinthians montou duas linhas de quatro e aguardou o São Paulo no campo de defesa.

Jô e Rodriguinho, peças mais ofensivas da equipe visitante, eram responsáveis por dar início à marcação próxima ao círculo central. Eram eles quem ditavam o posicionamento do Corinthians: se subiam a primeira linha, Gabriel, Maycon & cia. faziam o mesmo; se retornavam ao campo de defesa, o Timão se encolhia, abrindo caminho para as investidas dos donos da casa.

O Corinthians pouco produziu e mal levou perigo ao gol defendido por Sidão ao longo da primeira etapa. Até pela incômoda situação na tabela, o São Paulo se lançava ao ataque e buscava triangulações e infiltrações para se esquivar da marcação. O goleiro Cássio, embora pouco trabalhasse, nada pôde fazer para evitar o primeiro tento do confronto.

Após tabela com Cueva, Petros, que trocou o Corinthians pelo futebol espanhol há dois anos, acertou arremate cruzado. Cássio, tão experiente que é, sequer se movimentou debaixo da trave. O gol dos mandantes obrigava o Timão a despertar no jogo. De preferência, imediatamente.

“A gente não está conseguindo segurar a posse, entregamos muito a bola pro adversário. Depois que tomamos o gol, melhoramos um pouco, tanto que eles rifaram. Mas precisamos melhorar no último terço do campo para poder criar mais perigo”, analisou Rodriguinho, dono de atuação discreta até aquele momento.

SEGUNDO TEMPO

Carille não demorou a identificar o que havia de errado no Corinthians e promoveu sua primeira substituição logo no intervalo: sacou Jadson, mal há algumas partidas, para a entrada de Marquinhos Gabriel, que poderia dar à equipe velocidade pelo lado esquerdo e o recurso do drible.

O corinthiano que levantou cedo no domingo para assistir ao clássico teve motivos para “cornetar” o desempenho do Timão, que até defendia como de costume, mas não tinha força para puxar contra-ataques em velocidade nem ficar com a bola e construir as jogadas.

Dos 20 minutos em diante, o esquadrão alvinegro passou a acelerar os passes no setor ofensivo e ceder contra-ataques ao São Paulo de Dorival Júnior. Estratégia arriscada, porém necessária. Cássio, então, precisou trabalhar: defendeu duas finalizações de fora da área, de Hernanes e Lucas Pratto.

O jeito foi tentar encontrar a solução no banco de reservas. Clayson acabou chamado por Carille no lugar de Gabriel, forma encontrada por Carille para dar profundidade a um Corinthians pragmático e “preso” ao sistema tático.

E foi o que ocorreu. Pouco depois, Rodriguinho fez linda jogada pela direita, deixou Júnior Tavares no chão e cruzou na medida para Romero. O atacante paraguaio chutou forte e viu Sidão fazer grande defesa, mas Clayson, bem posicionado, aproveitou o rebote e arrematou à meia-altura. Na primeira chegada ao ataque, o Corinthians deixou tudo igual no Morumbi.

A bem dizer, o Timão não apresentou futebol que o credenciasse a vencer no Morumbi, mas foi competente na única vez em que atacou. E segue o líder…

ESCALAÇÕES

Corinthians: Cássio (capitão), Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Ángel Romero; Jô

São Paulo: Sidão, Militão, Arboleda, Rodrigo Caio e Júnior Tavares; Petros, Marcos Guilherme, Lucas Fernandes, Hernanes (capitão) e Cueva; Pratto

Pages:1234567...179»