Dec 19, 2014
admin

Entrevista ao Terra

Matéria do Terra sobre entrevista concedida ontem:

Antonio Roque Citadini ainda não teve a chapa homologada oficialmente no Corinthians, mas já fala como candidato para o pleito de fevereiro. Nesta quinta-feira, o ex-vice da equipe alvinegra recebeu o Terra para descontraído papo em sua casa na região da Avenida Paulista e já projetou ações como presidente do clube paulista, Como de praxe, o concorrente da oposição corintiana ironizou rivais, mas também mostrou preocupações com assuntos atuais do time, como a situação financeira e a Arena em Itaquera.

As tiradas contra São Paulo e Palmeiras foram várias ao longo da entrevista. “Do Palmeiras eu não aprovo nada”. “Não fazemos ingresso a R$ 1 como o São Paulo”. “O nosso estádio começou depois do Palmeiras e terminou antes”. “O único ato de sanidade que a Fifa teve foi dizer que o Morumbi não é estádio para a Copa”. “Teve eleição no Vasco, ganhou oposição, No Inter, oposição, no Santos, oposição, no Bahia, oposição. Só no Palmeiras, que está muito bem provavelmente, ganhou a situação”.

A polêmica com os principais adversários corintianos não impediu um momento de sinceridade do candidato, que já no encerramento comentou que nunca foi “desrespeitoso ou grosseiro” com o São Paulo, time que segundo ele fica “irritadíssimo” com suas declarações. Citadini, contudo, não ficou só em provocações durante a entrevista. O opositor criticou principalmente o departamento de futebol da atual diretoria e colocou a estabilização das finanças como principal meta para o próximo ano.

“O Corinthians vive um momento difícil nas finanças, isso debilita muito em todas as áreas do clube. Tem um defeito terrível: o departamento de futebol perdeu a mão nos últimos anos. Eles primeiro fecham o contrato e depois avisam o departamento financeiro, isso é um absurdo. Aí é um Deus nos acuda para pagar porque não tem dinheiro. Nós gastamos muito em contratações, paga comissão de empréstimo, renovação”, comentou.

Na busca pelo cargo máximo corintiano, Citadini foi vice-presidente em parte da gestão Alberto Dualib, entre 2001 e 2004. Jurista renomado, o candidato detonou a atual gerência das categorias de base, com jogadores que já surgem no profissional fatiados, e projetou um Corinthians forte no futebol e no esporte olímpico a partir do equilíbrio das finanças. Ainda propôs uma medida polêmica: vetar shows na Arena localizada em Itaquera.

“Onde é para jogar, joga. Onde é para ter show, tem show. Nós vimos o que aconteceu nos últimos tempos com São Paulo e Palmeiras. O Palmeiras deu dó. Deu dó do time porque jogou muito mal e deu dó do gramado. O que dá para fazer não é show. Tem um estacionamento enorme, tem muitos países que fazem exposições, feiras de automóveis no estacionamento. Agora esculhambar o gramado para ter um show do Menudo, vai lá para São Paulo e Palmeiras”, ironizou.

Na eleição, Citadini será candidato da oposição, mas conta que diversos nomes da situação já o procuram para serem aliados. É o caso de Luis Paulo Rosenberg, atual vice corintiano, que até divulgou carta de apoio ao opositor. O Terraentrevistou na última terça-feira o candidato Paulo Garcia, também da oposição. Outro entrevistado foi Ilmar Schiavenatto, na última quarta. Roberto de Andrade, ex-diretor de futebol e candidato da situação, completa os nomes do pleito.

Veja tudo o que Antonio Roque Citadini falou ao Terra:

Problemas do Corinthians

Para ser candidato a presidente do Corinthians, não pode ser um desejo somente pessoal. “Eu quero, minha mãe quer”, não dá para se um projeto assim. Precisa ser um projeto que tenha um conjunto de ideias com o clube e um conjunto de apoio significativo. Reuni com um grande número de amigos uma série de problemas do clube e solução, não se trata apenas de jogar pedra, criticando, mas encontrar caminho. Primeiro precisamos resolver a questão da nossa crise financeira. O Corinthians vive um momento difícil nas finanças, isso debilita muito em todas as áreas do clube. É bem verdade que se explica o motivo, nós tivemos nos últimos cinco anos antes da Copa um boom do futebol brasileiro. Aumentou bilheteria, televisão, patrocínio, de modo que aumentaram o preço de jogador, o futebol gastou mais, mais salários. O Corinthians tem um defeito terrível: o departamento de futebol perdeu a mão nos últimos anos. Eles primeiro fecham o contrato e depois visam o departamento financeiro, isso é um absurdo. Aí é um Deus nos acuda para pagar porque não tem dinheiro. Nós gastamos muito em contratações, paga comissão de empréstimo, renovação.

Categorias de base

E tivemos um outro problema que foi o fracasso absoluto da política de parcerias de jogador de base, que foi um desastre. Hoje nem revelamos um jogador e quando renova não ganhamos nada. Nós precisamos fazer um equilíbrio das contas, mudar a categoria de base. Jogador de base tem que ser 100% do clube, se não for vai para outro clube. Vai para Portuguesa, Juventus.. Quem quiser ficar, fica conosco. O objetivo é revelar jogador e depois, se formos vender, o Corinthians ganha. Tem o empresário que faz os contratos, sou até favorável. Mas não é esse que estou falando. Estou falando de atravessador que chamam de investidor que vai pegar a parte do Corinthians. O empresário tudo bem. Se não for para a gente revelar para nós, não precisa de categoria de base.

Paulo Garcia

O problema nosso aqui é um pouco diferente. A nossa situação aqui do clube é um pouco diferente, esta eleição não é passada porque a situação se esfacelou. Houve uma briga do grupo do Mario, com o grupo do Andrés. Aquela situação que ficou no poder este tempo todo se esfacelou. Na eleição passada, o Andrés era o presidente e o candidato era o Mario Gobbi. Vocês vem o Roberto falando no nome do Gobbi? Nem fala. Quando a situação entrou neste processo de mudança, o mesmo ocorreu com a oposição. Eu por exemplo ontem fiz uma reunião com o pessoal que está montando a chapa e a maior parte das pessoas que estavam na reunião são que apoiaram a atual gestão. O próprio Rosenberg, que foi um dos ícones desta gestão nos últimos anos, está apoiando a nossa chapa. E ele ainda é vice-presidente. Neste quadro, é natural que na oposição apareçam divergências.

Cargo de Rosenberg

O Luis Paulo é uma pessoa apta a ocupar qualquer cargo. Ele ocupou o marketing, foi a pessoa que trabalhou na questão do estádio. Não teria problema de ocupar cargo. Nós temos tantas coisas para resolver, nas quais uma é o estádio, e não há duvidas de que o Luis Paulo ocupará o cargo que quiser.

Relação com Andrés Sanchez

A minha relação com o Andrés é boa, não tenho problema nenhum, converso tranquilamente. Não tenho nada a destacar neste campo. Nós estamos falando como se o Andrés fosse continuar com cargo no Corinthians, coisa que ano que vem não poderá ser. Ele é deputado federal da bancada do Governo, vai ter um trabalho danado que nem ele sabe. Ele não terá condições humanas para viver o dia a dia do Corinthians. Qualquer ex-presidente do clube sempre tem que ter a opinião respeitada. Não votei no Andrés, não votei no Gobbi, mas qualquer ex-presidente tem que ser tratado como tal. Ele será sempre uma voz importante a ser ouvida.

Outros esportes no Corinthians

Aí que cresce a importância da gente estabilizar as finanças do clube e que nós vamos sofrer um pouco. Não podemos criar fama como nos outros clubes de que jogador não paga salário, compra e não paga. Se o time tiver equilíbrio nas finanças, vamos ser sempre quase o dobro dos outros clubes. Recebemos o dobro da televisão, da camisa, da renda, não fazemos ingresso a R$ 1 como o São Paulo. Com exceção do Flamengo, que ganha como a gente. Se tivermos uma finança equilibrada, seguramente vamos poder estar melhor no futebol. Se estiver com o orçamento equilibrado, de cada 10 competições, 9 estará disputando para ganhar. Clube que ganha título é clube que está bem financeiramente. Quando está devendo salário, INSS, FGTS, como regra você não ganha. O Corinthians é um time grande, se estiver em dia… Os esportes olímpicos é uma preocupação que nós temos e não podemos, de forma alguma, renegar ao esquecimento os esportes olímpicos. O basquete houve uma época que a Seleção os cinco titulares e reservas eram do Corinthians, tal a força do basquete nosso. O primeiro jogo que passou de 100 pontos do basquete foi o famoso Corinthians x Real Madrid no Parque São Jorge. Natação nós também temos medalhistas. Aí que fica nossa responsabilidade maior. Estabilizadas as finanças, vamos ter competitividade no futebol e forte presença nos esportes olímpicos.

Tite

Eu que contratei ele pela primeira vez. O Tite é um técnico trabalhador, dedicado, preparado e tem todas as condições de fazer um grande trabalho. Eu quando contratei o Tite gostei muito dele, fiquei com uma boa relação, mas falei uma coisa para ele que vira e mexe ele lembra. Em uma das vésperas de jogos, estava jantando com ele conversando sobre problemas e falei: ‘olha, acontece o seguinte, mas nosso clube tem sorte com técnico gaúcho. O maior da nossa história foi Oswaldo Brandão, que foi uma lenda no nosso clube. Tenho certeza que você tem tudo para repetir o trabalho do Brandão e para nessa época fazer até mais que o Brandão”. Ele ficou emocionado. Hoje ele é o técnico mais vencedor da história do Corinthians. Engraçado que ganhou uma marca do Corinthians. É daqueles técnicos que ficará com dificuldade quando não for técnico do Corinthians, Ganhou tanto nossa cor, nossa marca, que ele terá dificuldades. Ele já sabe que o destino o marcou.

Citadini quer Arena Corinthians “para todos os bolsos”

Arena Corinthians

O nosso estádio começou depois do Palmeiras e terminou antes. Sobre o estádio, é preciso dizer uma coisa. A Arena, quem vai, é uma beleza. Quem vai e assiste a uma partida, fica impressionado com o sabor que tem em ver a partida com o jogador fazendo uma jogada a 5 metros de você. Dá para você ver tudo lá dentro, todos os setores. Isso é um salto no futebol brasileiro. Em outros estádios ou você não vê escanteio, ou não vê cobrar falta. O Corinthians, vamos ser honestos, aproveitou uma chance que apareceu com a Copa do Mundo. O Corinthians fez um esforço enorme. Desconfio que não tem outro clube do País que tivesse a audácia de fazer o endividamento do Corinthians para São Paulo ter a abertura da Copa do Mundo. O único ato de sanidade que a Fifa teve foi dizer que o Morumbi não é estádio para a Copa. A verdade é que o Corinthians deveria ser elogiado, alguém assumir uma dívida de R$ 1 bilhão para ter uma arena nos moldes que a que tem merece ser elogiado pela cidade. Nós temos uma grande dívida. Vamos ter que pagar. Vamos perder a nossa receita da bilheteria, já estava combinado. O estádio vai ter que ter lugares para ingressos populares, temos compromisso, nascemos no meio do povo e disso não abrimos mão. Mas também vamos ter que ter ingresso caro. Hoje tem torcedor que vai ao estádio que antes preferia ver o jogo na televisão e este agora vai. E tem que pagar bem porque tem que pagar o estádio.

Preço dos ingressos

Acontece o seguinte. É evidente que é uma situação de sacrifício. Quem faz uma dívida que o Corinthians fez, sabe que teremos sacrifícios. Nós temos uma faixa de pessoas de boa renda que podem pagar R$ 300, R$ 400. Deixa a hora que nós começarmos a disputar Libertadores, a hora que o Corinthians começar a liderar um campeonato nacional. Você vai ver o que vai ser. Tem que ter uma faixa de ingresso popular, mas não podemos fazer a bobagem de cobrar R$ 5 só para falar que tem 50 mil pessoas no estádio. O futebol é caro. Abaixar para alguns e subir para outros. Você não pode deixar de ter uma parcela do estádio com ingressos caros, porque esse ingresso é para público que cobra serviços. Quer lanche, bebida, estacionamento, ele paga isso.

Pagamento de salário para jogadores emprestados

O departamento de futebol nos últimos anos perdeu a mão. Ao perder a mão, deixou esta folha que pagamos de jogador que saiu do clube. O que mais nos atormenta é o Pato, que é uma queima de dinheiro. Não rendeu nada nem no Corinthians nem no São Paulo. Se ele vier de volta, você vai pagar o salário, tem que botar em campo. E o salário não é pouco. Se vier, bota lá.

Opinião sobre o Bom Senso FC

Eu não vejo problema em cartola ser pressionado. Há coisas que são interessantes. Acho que cometiam alguns erros, principalmente no início, quando falaram coisas que eles não tinham nenhuma noção. Por exemplo, diminuir número de jogos. Na verdade, isso é um erro. Só poucos clubes, uma meia dúzia, jogam domingo e quarta. Os outros não têm competição. A maior parte dos clubes que vão jogar o Campeonato Paulista jogam e depois cruzam o braço. Tem um torneio outro, mas o maior problema do futebol é não ter competição. Não vejo mal nenhum pressionar ou não. Mas eles têm que questionar esses empresários que viram dono de jogador. Mas disso não falam uma palavra.

Fair play financeiro

Do Palmeiras eu não aprovo nada (sobre os contratos com bônus, prática aplicada no Palmeiras). Não sei como é, mas não aprovo nada. Esse Fair Play que eles querem aí não adianta. Há duas formas de fazer um ajuste. A primeira, que eu defendo, é tomando consciência de ter as finanças equilibradas. O segundo caminho é precisão. Os clubes estão abaixando os salários agora por necessidade. Isso é bom porque para de vir jogador da Europa, que vai lá, fica seis meses, e volta valorizado,.

Guerrero

O Guerrero é um bom jogador e ele deve ganhar o que o Corinthians tem condição de pagar. Se ele quiser mais do que o Corinthians pagar, não podemos. Se ele achar que vai para a Arábia, vai para se enterrar, porque lá é fim de carreira. E ele vai renovar, gosta do Corinthians, de São Paulo.

Kia e MSI

É engraçado, tenho visto gente falando que eu defendi a MSI. Foi exatamente o contrário, eu fui um dos poucos contra a parceria. Hoje todo mundo defende no clube que não deveria ter feito. Aquela confusão foi tanta que o time foi para a segunda divisão. não tenho nada contra o Kia, apenas o contrato era ruim e eu não assinaria.

Oposição diluída

Veja só. Se você souber condições de unir, precisa unir pelas ideias. Se não dá para unir pelas deias, não adianta você pensar que quer derrotar tanto a situação e tal. A eleição do Santos foi interessante. Todo mundo falava que um dos três ganhava, não o Modesto. O candidato que ganhou tem história no Santos. Acabou ganhando alguém que tem história. Isso é bom para o clube porque o clube é uma coisa construída no seu dia a dia. Teve eleição no Vasco, ganhou oposição, No Inter, oposição, no Santos, oposição, no Bahia, oposição. Só no Palmeiras, que está muito bem provavelmente, ganhou a situação.

Relação com a torcida organizada

A minha relação com a torcida em geral é uma relação clara, de cordialidade e respeito. Cada um na sua. Nós temos uma política de venda de ingresso que é pelo Fiel Torcedor, que a maior parte da torcida gosta e apoia. Acho que na verdade vamos caminhar para um processo muito próximo do que ocorre na Europa. Nossa Arena não é um Pacaembuzão, é uma Arena com qualidades de uma Arena. Estacionamento, banheiro… Creio que com o tempo ocorrerá com a Arena do Corinthians o que ocorre com a Europa toda: todos os ingresso vendidos pela internet. Eu acho que com o tempo vai acabar sendo praticamente todos os ingressos vendidos pela internet. Eu acho que deveríamos fazer um esforço enorme para ter um programa de torcida que incorpore todo mundo, inclusive as torcidas organizadas.

Emerson Sheik

A única coisa que pegou mal daquele selinho foi que foi feito para promover um restaurante. Isso é uma coisa ruim. Jogador do Corinthians tem que fazer marketing para empresas do Corinthians, no mais não tem problema nenhum. Agora que renovou tem que chorar, tem que botar para jogar.

Contratações via DVD, como o colombiano Stiven Mendoza

DVD é um instrumento para contratar. Acho que tem que examinar in loco. Mas isso é a imprensa que está falando, tem que ter cautela. Quando eu era vice, o Portugal Gouveia contratou o Lugano e muita gente dizia que era o “beque do presidente”. O Marcelo teve que ouvir isso por muito tempo e a imprensa aí esqueceu que ele era o “beque do presidente”.

Futuro do Parque São Jorge

O Parque São Jorge a gente tem que pensar como vai agir. O Corinthians na verdade tem três faces. Uma é a que todo mundo conhece, o futebol. A outra é o clube social e o terceiro é o clube olímpico. Estas três áreas do Corinthians são as áreas que a gente convive. O futebol deixou o Parque São Jorge. É hoje do Centro de Treinamento da Ayrton Senna, o estádio. Vai ter jogador que vai jogar no Corinthians e nunca vão passar pela Fazendinha. Eles nem conhecem o que é a sirene. Nós vamos ter que repensar muitas coisas lá no Parque São Jorge. Vamos ter mais espaço agora com o futebol não estando lá, a utilização vai ser para outras coisas. Ela se tornará cada vez mais um clube social e um clube olímpico. Aí tem várias ideias para lá e para cá, mas o importante é encontrar um projeto que dê mais rentabilidade.

Shows na Arena Corinthians

No mundo inteiro, futebol é futebol e show é show, esqueças essas bobagens de arena multiuso. Onde é para jogar, joga. Onde é para ter show, tem show. Nós vimos o que aconteceu nos últimos tempos com São Paulo e Palmeiras. O Palmeiras deu dó. Deu dó do time porque jogou muito mal e deu dó do gramado. O que dá para fazer não é show. Tem um estacionamento enorme, tem muitos países que fazem exposições, feiras de automóveis no estacionamento. Agora esculhambar o gramado para ter um show do Menudo, vai lá para São Paulo e Palmeiras.

Roberto de Andrade disse que o maior rival é o São Paulo

Não é verdade. O Roberto de Andrade deveria falar de contratações. O maior adversário do Corinthians são todos. Pergunta para o santista. São Paulo, Palmeiras, Flamengo, Santos, Inter. O Inter precisa ir para um psicólogo porque é inacreditável a perda de identidade, nós sempre convivemos bem com o Inter. Na década de 70 sempre tivemos grandes relações com o Inter.

Cotas na CBF e lobby de outros clubes

Discutir o que? Esse pessoal é engraçado. Querem socialismo na hora de distribuir a grana e um capitalismo na hora de buscar patrocinador para a televisão. Quem determina o valor de mercado é o futebol. Põe um jogo entre Sport e Coritiba na Globo para ver o que acontece. Eles têm um monte de ideia, mas acho que tem que continuar como está. Digamos que todo mundo decida fazer TV fechada. Não tem que fazer que nem esse Premiere, que o corintiano compra um pacote e vê jogo do Coritiba. Tem que fazer como na Europa, que cada um compra o do seu time, aí vai dar a mesma coisa. O de agora é venda casada, tenho minhas dúvidas sobre a legalidade disso. Esse negócio de audiência hoje em dia está complicado. Já não podemos acreditar muito nesses Ibopes da vida. A forma mais clara é vender o pacote por clube. Nunca foi assim. A TV não vai vender pacote do Bahia exclusivo, não estou falando para ofender. Quem vai comprar do Botafogo? Aí eles querem socializar. Quem quiser transmitir jogos do Corinthians, paga.

Fiel Torcedor votar para presidente

publicidade

Temos que analisar com calma. Aquele conflito que eu falei dos três clubes, o futebol, social e olímpico, no futebol temos o Fiel Torcedor que nós precisamos encontrar uma maneira de casar o sócio comum do Corinthians, que não tem acesso ao Fiel Torcedor e muitos até são. Vai ter que encontrar uma solução para isso caminhando para fundir os dois. Nós vamos ter que encontrar um caminho para os dois. Tem associado que quer ser Fiel e muito Fiel torcedor que quer ir para o clube.

Relação com os presidentes rivais

Eu sempre tive minha forma de tratar as coisas. Sei que o pessoal do São Paulo fica irritadíssimo comigo, mas nunca fui grosseiro, desrespeitoso. Eu falo algumas coisas que eles não querem ouvir. Outro dia falei que o Morumbi deveria ser tombado porque tem fosso, lá deveria virar um castelo. Onde eles têm fosso, têm uma pista que não serve para atletismo. Eu sei que ficam bravos comigo quando digo essas coisas, mas essas coisas são verdades. Agora está um barraco lá (São Paulo). Teve uma eleição no São Paulo que teve liminar, invadiram assembleia, jogaram cadeira, presidente se refugiou… Nenhuma palavra na mídia. Na semana seguinte teve uma reunião no Corinthians, um grupo conseguiu uma liminar e fizeram a transmissão ao vivo pela TV. O São Paulo é o queridinho da mídia, então essas coisas não podem sair. Mas eu nunca fui desrespeitoso com o São Paulo, nunca fui grosseiro. União? Eles ficam lá e nós ficamos aqui, Vamos discutir nossas competições, isso sou favorável. Agora vamos ficar diferentes do jeito que somos.

Dec 18, 2014
admin

Corinthians Grande e Mais Forte

Amigos e amigas do Corinthians,

Quando eu escrevi o livro “Neco – O primeiro ídolo”, eu ainda não tinha sido vice-presidente de futebol do Corinthians. Eu escrevi este livro e nele pude constatar a luta que foi para o Corinthians se consolidar como um time, aqui na capital de São Paulo.

Era começo do século XX (ano de 1910), com dificuldades de toda ordem.

Neco foi importante para nosso clube e, além de ter sido o primeiro grande ídolo, ele ganhou títulos, foi o nosso primeiro jogador na seleção e com ele nós ganhamos o famoso Sul-americano de 1919.

Ele tinha um grande amor pelo Corinthians. Ele achava o Corinthians a coisa mais importante, por isso ele lutou tanto e essa foi a razão pela qual eu me interessei em escrever a biografia dele.

O Corinthians é grande!

Agora nós contratamos o técnico para a temporada do ano que vem, o Tite. A primeira coisa que ele fez foi destacar a importância que é para um profissional dirigir o Corinthians. Já quando eu havia contratado o Tite, no começo de 2004, na sua primeira passagem pelo Corinthians, ele destacava este valor que é importante defender um clube grande, com penetração em toda sociedade. O Corinthians é grande. Esta é uma realidade.

Eu fico indignado muitas vezes quando algumas pessoas (inclusive algumas do Corinthians) dizem: “Se o Corinthians fizer tal coisa, o jogador não vem jogar no Corinthians”. Esqueçam!

Jogar no Corinthians é importante! Por isso que nós podemos dizer que é possível fazer uma categoria de base só com 100% de jogadores do Corinthians.

Quem não quiser jogar no Corinthians vai procurar outro clube, mas vai prejudicar sua carreira, porque a sua carreira não será a mesma sem jogar no Corinthians.

O mesmo vale para jogador quando vai renovar o contrato. Outro dia alguém no Corinthians disse: “Se não pagarmos comissão para o empresário do jogador que renova o contrato, ele não fica no Corinthians”. Ora, não é verdade.

Nosso tamanho e a importância do Corinthians é grande para o torcedor, é grande para a imprensa, é grande para o treinador e para os jogadores.

O Corinthians é grande e nós precisamos torná-lo cada vez mais forte.

Dec 16, 2014
admin

Entrevista na Jovem Pan

Ontem estivemos no programa “Esporte em Discussão”, na rádio Jovem Pan.

Falamos sobre as eleições no Corinthians e respondemos perguntas dos participantes do programa.

Você pode ouvir a entrevista ou ler trechos dela abaixo.


Chances de vitória

Nós achamos que temos chances porque somos oposição. O Corinthians tem problemas e a situação terá dificuldades em enfrentar numa campanha eleitoral.

A não ser que comece a fazer como estão fazendo alguns, que ficam dizendo: “Ah! Eu queria contratar o Tevez… começar a falar lista de contratação de jogadores. Aí você não discute a coisa mais importante, que é a eleição, que são os problemas e as soluções, que é isso o relevante da chapa, e não ficar dizendo: “Oh! Eu gostaria muito de trazer o Paulinho de volta”. E aí? Você é candidato a Diretor de Futebol ou é candidato a Presidente?

Eu acho que nós temos chances porque somos oposição.

Motivações para ser Presidente do Corinthians

Muita gente diz: “Eu quero ser presidente… minha mãe quer que eu seja presidente, meu pai quer que eu seja presidente, a minha família…” não é bem isso…

Você precisa, primeiro, ter um conjunto de propostas. É fundamental que você pense o que vai alterar nesse clube que você conhece bem, que vive o dia a dia, que você sofre, fica alegre… precisa estar bem claro o que você vai fazer…

Segundo, você precisa ter um conjunto de pessoas que o apoie, para não ficar só uma coisa de desejo pessoal, essa coisa de dizer: “Ah! Eu desejo por causa do meu currículo”.

Eu fui quatro anos Diretor de Futebol, Vice-Presidente de Futebol, num período difícil, ganhamos títulos, perdemos… teve time bom, teve time ruim… o que é um pouco da regra do futebol. Então, essas questões não me intimidam.

As duas coisas que foram fundamentais, que decidiram que eu deveria disputar a eleição no Corinthians são: construir um conjunto de ideias para este clube, que é o maior clube brasileiro, é o mais forte clube brasileiro, é um clube que envolve tanta gente, tantos e tantos milhões de pessoas. Você tem um conjunto de ideias que eu procuro expor em todos os programas que eu vou.

E segundo, você ter um conjunto de pessoas do clube que estão envolvidos com vocês, porque senão fica uma aventura pessoal”

Categorias de Base e Futebol Profissional

“Esse não é um problema exclusivo do Corinthians. É um problema que está no mundo inteiro, que os clubes acabaram dominados por investidores. Não se trata de empresário de jogadores, aquele agente que discute o contrato, quanto vai ganhar, onde vai morar, não é esse. É alguém que pega os direitos econômicos do jogador. Todos os clubes que foram pelo caminho que o Corinthians foi –quase todos os clubes brasileiros foram– acabaram num beco sem saída: sem jogador e sem dinheiro. Essa é a realidade.

Quem conhece o futebol europeu vê que o Benfica e o Porto foram por esse caminho… aliás, todos os clubes portugueses foram, passaram a ser uma espécie de plataforma…todo mundo que sai daqui e é contratado para Portugal não vai ficar lá, é tudo combinado. Eles (os clubes) são usados para vender bem. Foi eleita uma diretoria no Sporting de Portugal –que me perdoe porque é verde – mas eles dizem o seguinte: “Vai acabar esse negócio”.

No Corinthians, todo mundo sabe, os jogadores da categoria de base são de vários empresários –um número indefinido. Jogadores que estão no time principal também são de vários empresários… à partir de um determinado momento, o clube perde o controle do jogador. Para o jogador, a referência passa a ser o “dono” dele e não o clube.
E como você vai fazer um esporte coletivo, como é o nosso, numa situação dessa?

Então, falando das ideias que eu falei no início, defendo que nós sejamos radicais: a categoria de base, daqui pra frente, só terá jogadores 100% do Corinthians.

Se o sujeito chegar lá e dizer: “Eu quero 20% pra minha mãe, 20% pro meu pai (é muito comum e não é pai, nem mãe), 40% pro meu empresário…”, eu digo: “pode ir embora! Pode ir embora!”.

O último grande jogador que o Corinthians revelou foi o Willian, que eu vivenciei lá, começou com oito anos. Ele foi o único negócio grande que o Corinthians fez realmente.

Por que nós temos que ter categoria de base?
Primeiro: para revelar jogador pro time principal. Se vocês pegarem as fotografias do time do Corinthians campeão – todas as vezes em que é campeão tem aquelas fotografias que o Corinthians sempre tem três, quatro, cinco, até oito jogadores que ele revelou. Alguns são craques, outros nem tanto. Ninguém revela só craque. Não é todo dia que você encontra um Rivellino. Você muitas vezes revela jogador médio, e até jogador ruim, mas o Corinthians sempre teve essa tradição [de revelar muitos jogadores]. E a primeira coisa que serve o jogador é para o time principal, para você não ter que contratar um jogador médio.

Eu preciso de um jogador médio, um jogador comum? Ao invés de ter que contratar, vai lá na base. Se não for pra isso, não precisa ter a base. Eventualmente aparece uma coisa como do Willian, que o Corinthians ganhou uma grana preta naquele negócio.”

Finanças

“(…) O futebol não tem milagre. Nós não temos a “casa da moeda” ou o Federal Reserve para imprimir dinheiro para nós. Vivemos do que temos de receita, então nós temos que equilibrar nossa receita aos gastos. Essa é uma outra coisa que o Corinthians se perdeu nos últimos tempos: nós gastamos mais do que tínhamos, então o clube teve que adiantar receita, o clube teve problemas com a própria justiça por casa de impostos, mas tudo por quê? Porque gastou muito e tem que gastar menos.

Outro detalhe que é preciso reconhecer: o país vive uma crise econômica… eu não quero entrar em discussão de política, mas a economia não está crescendo. Significa que as empresas tendem a investir menos, inclusive no futebol. Outra coisa: a Copa do Mundo acabou, passou. Boa parte das empresas interessadas no futebol estavam com os olhos voltados para a Copa do Mundo.

Então, nós teremos no ano que vem menos receita, menos dinheiro, e os jogadores não vão imaginar que nós vamos continuar aumentando salários como se aumentou… quando eu digo jogador, não quero centralizar em jogador, porque quando o jogador é bom, merece ganhar bem… eu digo também os técnicos… o técnico também deve pensar: “vamos baixar essa bola”.

Não há clubes desorganizados, com finanças caóticas, que ganhem títulos.

Eventualmente um Flamengo ganha título, mas como regra os clubes que ganham título, ganham quando estão com as finanças equilibradas. Isso aconteceu com o Corinthians, acontece com qualquer clube, não se iluda.

Quando o clube está sem dinheiro, emprestando disso, daquilo, não ganha título.

Outro dia eu estava conversando com uns amigos, e um deles falou: “Roque, esse papo seu vai acabar naquele “bom e barato” que é ruim.”. Eu falei: “Primeiro vamos esclarecer que esse bom e barato que andaram aplicando por aí é “ruim e barato”.

Na verdade, o que prepara o clube para ganhar títulos é ter equilíbrio nas suas finanças. Se o Corinthians tiver finanças razoavelmente equilibradas… não estou dizendo “precisa dar lucro”, não é lucro não, se ele tiver as finanças equilibradas, não tem para ninguém, o Corinthians ganha tudo. Todas as vezes que o Corinthians equilibrou as finanças, passou por cima dos outros.

E os outros, temos que reconhecer, estão todos numa situação muito parecida, é curioso, mas por que essa situação é parecida? Porque nos últimos anos, nos últimos quatro, cinco anos, todos os clubes tiveram um aumento muito grande da sua receita… a televisão passou a pagar mais, a publicidade passou a pagar mais, as rendas de bilheteria passaram a ser maiores, então houve um aumento generalizado.

O nosso foi maior. O Corinthians aumentou mais que os outros, também não tem muito o que explicar, porque é uma coisa lógica, mas a verdade é que mais ou menos todos os clubes entenderam que aquela escala de crescimento não pararia mais, iria para a eternidade. Isso vale pra Corinthians, vale pra Palmeiras, vale para o Santos, para o São Paulo, vale pros outros.

Ausência do clube e eleições no Corinthians

Essa história de que eu estava ausente do Corinthians é um grande “chute fora”.

Eu não ocupo cargo executivo no clube. A imprensa me ligava e dizia: “o senhor precisa vir aqui para falar sobre essa derrota”, eu dizia: “Espera aí. Chama os caras aí para falar”, quer dizer, eu tenho que explicar porque o time perdeu? Já basta quando eu era diretor, então, essa história de que eu me afastei, não é que eu me afastei… que é o diretor é que tem que falar: “pagou tanto”. Eu tenho que dar explicação pela contratação do Pato? Não sou eu. Os que compraram que tem que dizer. Agora eu vou ficar encontrando explicação para os problemas dos outros? Então, não tem nada disso.

A eleição no clube, você perguntou se dá para ganhar, lógico que todo candidato trabalha com a ideia de ganhar – qualquer um dos quatro trabalha com a ideia de ganhar. A eleição no Corinthians é difícil e complexa. Difícil porque a maior parte dos eleitores não frequentam o Corinthians. São eleitores sócios remidos, vão ao estádio, torcem, brigam, mas não frequentam o Corinthians como clube social, não vão a piscina, não vão a sauna.

Há um grupo menor que frequenta o Corinthians, e é um grupo que você encontra todo fim de semana. Agora, este número de associados que não vai ao Corinthians é difícil até para você localizar, encontrar essas pessoas. Quando você reúne vinte sócios é um comício.

Considerações finais

Quero dizer aos nossos associados que é importante todos discutirem os problemas e as soluções do clube. Não vamos cair em coisas mágicas: “Eu tenho um fundo que tem R$ 30 milhões que vai resolver tudo”, “Já estou apalavrado com jogador que virá.”. Isso não existe. Nós temos que discutir duas coisas: problemas e soluções.

Eu gostaria que todos tivessem uma boa participação porque o Corinthians é muito importante para tantas, tantas e tantas pessoas.

Dec 15, 2014

Hoje, segunda-feira dia 15 de dezembro de 2014.

Na BandSports.
 Nesta segunda , as 20,30hs, estarei no programa “Baita Amigos”, na BandSports.
Na Rádio JovemPan.

CORINTHIANS – Nesta 2a. feira o convidado do ESPORTE EM DISCUSSÃO (13h) , da Jovem Pan, será Antonio Roque Citadini , candidato à presidência do Corinthians. Mande sua pergunta : Viber 56 7000 7000 e também participe do grupo ESPORTES-JOVEMPAN, no Viber.

 

Obrigado.

Dec 11, 2014
admin

Vídeo 09: A “parceria” com empresários


Amigos e amigas do Corinthians,

O nosso clube vive uma situação financeira difícil neste final de 2014. Nós vemos todos os dias as notícias sobre as dificuldades do futebol, e as dificuldades do Corinthians.

Mas, talvez, um dos maiores problemas para clube seja essa desastrosa política de parceiras adotadas com empresários de jogadores.

O Corinthians emprestou dinheiro de empresários que acabaram ficando proprietários de jogadores (ou de parcela deles). Esses negócios têm sido ruinosos para o Corinthians.

Praticamente todos jogadores que são revelados (os melhores) já não são de propriedades do Corinthians quando são negociados. Os contratos deles são negociados e o Corinthians algumas vezes tem uma pequena parcela -e quando tem. Há situações onde nem parcela nenhuma o clube tem.

Ocorre que os empresários, com isso, passam a mandar nos jogadores e mandar no time. O Corinthians fica refém deste sistema de partilha de jogadores divididos com empresários. Não há dúvidas que o único caminho que nós temos é encerrar este tipo de negócio. Jogadores revelado pela base tem que ser 100% do Corinthians.

E se o time precisar de dinheiro? Muitas vezes precisa. Mas não é o caminho pegar dinheiro de empresário e depois dar jogador em troca dos recursos emprestados.

Quero dizer que muitas das dívidas com empresários são bastante questionáveis. Essa política tem sido desastrosa. Ela precisa mudar e eu não tenho dúvida que é um dos fatores do enfraquecimento do nosso clube nos dias atuais.

Dec 9, 2014
admin

Vídeo 08: A Invasão do Maracanã

Amigos e amigas do Corinthians,

Ao logo da história do nosso clube, nós tivemos grandes momentos vividos pelos nossos sócios e torcedores.

Desde os primeiros títulos, como o de 1914, o inesquecível título do Quarto Centenário, o primeiro Campeonato Brasileiro em 90, o primeiro Campeonato Mundial em 2000, depois a primeira Taça Libertadores da América e em seguida o segundo Campeonado Mundial. Todos foram momentos de grande alegria como tantas outras conquistas que o Corinthians conseguiu nesses anos todos.

Mas há alguns fatos que não dizem respeito exatamente a títulos, mas que foram de grande importância para nosso clube. Dentre esses fatos, é importante que se destaque a famosa Invasão que os corinthianos fizeram no Rio de Janeiro e que completou agora no começo de dezembro 38 anos.

Milhares e milhares de corinthians foram naquele jogo contra o Fluminense e acabaram ocupando o Rio de Janeiro. É notável aquele momento vivido pelo Corinthians. Até hoje é um dos mais importantes momentos do futebol brasileiro. Foi o maior público do Corinthians no Maracanã.

O Corinthians tinha a maioria no estádio no jogo contra o Fluminense.

Este dado mostra a força e a importância do Corinthians no futebol. A estrada para o Rio de Janeiro foi tomada de carros, ônibus e, como diz Nelson Rodrigues, até de bicicleta chegavam corinthianos naquele memorável mês de dezembro de 76.

Este é um momento de grande importância para o Corinthians, que vive de títulos, mas vive também de momentos como aquela invasão no Maracanã.

Dec 8, 2014

38 anos da grande invasão corinthiana ao Rio de Janeiro

 

Completou 38 anos, dia 5 último, da histórica “invasão” corinthiana ao Rio de Janeiro, no jogo da semifinal do Brasileirão/76, entre o Timão e Flu. Segundo Celso Unzelte é, ainda, o jogo com maior público da história do Corinthians: 146.043 pagantes. É, também, uma das mais belas páginas de nosso esporte e da vida do Corinthians. O texto que segue é comentário de Nelson Rodrigues, no jornal O GLOBO, sobre o ocorrido. E uma peça histórica, magnífica, orgulho pra todos: corinthianos, tricolores e outros mais.

NELSON E A INVASÃO CORINTIANA

Nelson Rodrigues

1-Uma coisa é certa: – não se improvisa uma vitória. Vocês entendem? Uma vitória tem que ser o lento trabalho das gerações. Até que, lá um dia, acontece a grande vitória. Ainda digo mais: – já estava escrito há seis mil anos, que em um certo domingo, de 1976, teríamos um empate. Sim, quarenta dias antes do Paraíso estava decidida a batalha entre o Fluminense e o Corinthians.

2-Ninguém sabia, ninguém desconfiava. O jogo começou na véspera, quando a Fiel explodiu na cidade. Durante toda a madrugada, os fanáticos do timão faziam uma festa no Leme, em Copacabana, Leblon, Ipanema. E as bandeiras do Corinthians ventavam em procela. Ali, chegavam os corinthianos, aos borbotões. Ônibus, aviação, carros particulares, táxis, a pé, a bicicleta.

3-A coisa era terrível. Nunca uma torcida invadiu outro estado, com tamanha euforia. Um turista que, por aqui passasse, havia de anotar no seu caderninho: -“O Rio é uma cidade ocupada”. Os corinthianos passavam a toda hora e em toda parte.

4-Dizem os idiotas da objetividade que torcida não ganha jogo. Pois ganha. Na véspera da partida, a Fiel estava fazendo força em favor do seu time. Durmo tarde e tive ocasião de testemunhar a vigília da Fiel. Um amigo me perguntou: – “E se o Corinthians perder?” O Fluminense era mais time. Portanto, estavam certos, e maravilhosamente certos os corinthianos, quando faziam um prévio carnaval. Esse carnaval não parou. De manhã, acordei num clima paulista. Nas ruas, as pessoas não entendiam e até se assustavam. Expliquei tudo a uma senhora, gorda e patusca. Expliquei-lhe que o Tricolor era no final do Brasileiro, o único carioca.

5-Não cabe aqui falar em técnico. O que influi e decidiu o jogo foi a torcida. A torcida empurrou o time para o empate.

6-A torcida não parou de incitar. Vocês percebem? Houve um momento em que me senti estrangeiro na doce terra carioca. Os corinthianos estavam tão certos de que ganhariam que apelaram para o já ganhou. Veio de São Paulo, a pé, um corinthiano. Eu imaginava que a antecipação do carnaval ia potencializar o Corinthians. O Fluminense jogou mal? Não, não jogou mal. Teve sorte? Para o gol, nem o Fluminense, nem o Corinthians. Onde o Corinthians teve sorte foi na cobrança dos pênaltis. A partir dos pênaltis, a competição passa a ser um cara e coroa. O Fluminense perdeu três, não, dois pênaltis, e o Corinthians não perdeu nenhum. Eis regulamento de rara estupidez. Tem que se descobrir uma outra solução. A mais simples, e mais certa, é fazer um novo jogo. Imaginem que beleza se os dois partissem para outro jogo.

7-Futebol é futebol e não tem nada de futebol quando a vitória se vai decidir no puro azar. Ouvi ontem uma pergunta: “O que vai fazer agora o Fluminense?” Realmente, meu time não pode parar. O nosso próximo objetivo é o tricampeonato carioca. Vejam vocês:

- empatamos uma partida e realmente um empate não derruba o Fluminense. Francisco Horta já está tratando do tricampeonato. Estivemos juntos um momento. Perguntei: – “E agora?” Disse – amanhã vou tomar as primeiras providências para o tricampeonato. Como eu, ele não estava deprimido. O bom guerreiro conhece tudo, menos a capitulação. Aprende-se com uma vitória, um empate, uma derrota. Só a ociosidade não ensina coisa nenhuma.

No seguinte jogo, vocês verão o Fluminense em seu máximo esplendor.

NELSON RODRIGUES era tricolor e publicou este texto no GLOBO em 6/12/76, no dia seguinte ao jogo Fluminense x Corinthians.

 

Dec 7, 2014

Corinthians vence

CORINTHIANS JOGA BEM E VENCE O CRICIÚMA, MAS ESTÁ NA PRÉ-LIBERTADORES DE 2015

Corinthians venceu, mas não ficou com a vaga diretaCorinthians venceu, mas não ficou com a vaga direta | Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

A última partida do ano para o Corinthians tinha tudo para ser o jogo que a torcida esperava: uma goleada e o jogo começou com muita movimentação, dedicação, raça e suor.

Com muita decisão e atitude em campo e com o menino Malcominspirado, o Corinthians começou o jogo em alta velocidade e pressionando muito a equipe catarinense. E as chances não demoraram a aparecer.

Logo aos 8 minutos, após bate e rebate, Guerrero acabou desviando a bola e quase marcou o primeiro da tarde de sábado. A partir de então, um massacre. Em uma sucessão de bons ataques, o Corinthians acertou duas bolas seguidas na trave, uma com Petros e uma com Guerrero, mas o gol não teimava em sair.

Contudo, aos 26 minutos, o gol saiu. Após uma boa jogada de Petros, um cruzamento rasteiro e a bola caiu nos pés de Elias que, caindo, conseguiu mandar a bola para o fundo do gol. Um a zero Timão e um pouco mais de tranquilidade na Arena.

E, ao contrário de outras partidas, quando a equipe abria o placar e recuava, o Coringão continuou pressionando e buscando marcar mais gols para garantir a vitória. Apesar de toda a pressão, o goleiro Edson, que havia entrado no lugar de Bruno, machucado, conseguiu evitar o pior e o time catarinense desceu para o vestiário com apenas um gol tomado.

A Segunda Etapa e o Jogo Mais Disputado

O segundo tempo voltou em alta velocidade, com Malcom quase marcando o segundo gol no primeiro minuto de jogo. Contudo, o time começou a atacar menos e a diminuir o ritmo, o que impulsionou o despreocupado Criciúma ao ataque.

E a moleza do Corinthians teve seu preço. Aos 15 minutos, em um escanteio, Cássio saiu mal e Roger Guedes mandou para o fundo das redes. O empate dava um sabor amargo à torcida presente na Arena.

Após o gol do Criciúma, entretanto, o Coringão subiu de produção novamente e voltou a pressionar fortemente a equipe catarinense. Em pouco mais de três minutos, duas boas defesas de Edson e uma boa finalização de Fábio Santos.

Se o time não correspondia em campo com gols, a torcida fazia uma LINDA festa e empurrava o alvinegro para cima do tigre catarinense. E a pressão surtiu efeito. Aos 24 minutos Malcom acertou o travessão e, logo em seguida, o gol alvinegro.

Em uma linda jogada do ataque alvinegro, Fábio Santos tabelou com Renato Augusto e tocou na saída de Edson. Mais um gol do lateral esquerdo e uma boa vantagem para consolidar a vitória.

Após o gol, uma grande comemoração 38.044 fiéis presentes na Arena Corinthians, um recorde em partidas do alvinegro no ano. Vale o destaque que Danilo, sempre ele, entrou muito bem na partida e criou diversas oportunidades para que o Coringão conseguisse consolidar ainda mais a vitória.

O tento alvinegro tirou todo e qualquer ímpeto catarinense e o jogo caminhou, com certa tranquilidade, para mais uma vitória alvinegra em sua casa. No outro jogo, o Figueirense não conseguiu segurar o Internacional e tomou a virada no final da partida.

 

www.meutimao.com.br

Dec 5, 2014
admin

Carta de Luis Paulo Rosenberg

Carta enviada por Rosenberg.

Caro Citadini

Fiquei sabendo que vc contempla a hipótese de ser candidato à Presidência do Corinthians.

Seria muito bom para nosso Clube: vc estaria injetando sangue novo na gestão do Timão, aportando um currículo com experiência, honradez e que é nacionalmente reconhecido.

Faço votos para que vc aceite o desafio para que voltemos aos momentos de glória de tão poucos anos atrás. Realmente, precisamos dar um basta àqueles que buscam o cargo de presidente para compensar suas frustrações pessoais, ganhar notoriedade ou construir sua aposentadoria, como vem ocorrendo frequentemente na nossa história.

Lá atrás, seu desempenho como executivo do Clube foi sem manchas e com grandes conquistas;posteriormente, estive ao seu lado no Conselho Deliberativo para impedirmos o acordo lesivo proposto pela MSI, quando fomos derrotados pelos comprometidos com Kia & Cia; na Oposição, sua atuação foi a de um verdadeiro estadista: fiscalizando com rigor, sem perder a objetividade. Criticando sempre, mas de forma construtiva. Em particular, seremos sempre gratos pela sua atuação naquela reunião do Conselho em que se jogou a sorte da solução Itaquera contra uma aventura em Guarulhos, lesiva aos interesses do Clube. De fato, sem sua intervenção, que reverteu o que seria uma votação desastrosa, estaríamos hoje com um mico nas mãos, em vez de termos o mais moderno estádio do País.

Não será uma batalha simples, chegar lá. O continuísmo e o dinheiro fácil estarão aliados para impedir sua ascensão.

Mas o sócio do Clube está perplexo com os resultados atuais, seja pelo endividamento excessivo, seja pela falta de transparência na base e nas negociações de jogadores profissionais e pelo relacionamento dúbio com as organizadas. Vc poderia oferecer aos sócios, com sua candidatura, o que eles mais almejam: sangue novo com dignidade, dirigentes para servir ao Corinthians e não dele se servir. Estaria, assim, atendendo a um anseio generalizado no Clube por renovação e transparência de verdade.

Conte com meu apoio,

Luis Paulo Rosenberg

Dec 4, 2014
admin

Vídeo 07 – A campanha para eleições no Corinthians

Amigos e amigas do Corinthians,

No próximo mês de fevereiro, agora em 2015, o Corinthians realizará eleição para a nova diretoria e o novo Conselho Deliberativo. Este período de campanha eu sempre defendi que fosse curto. Há pessoas no clube que querem fazer uma campanha eterna: ficam dois, três anos lançando nomes, lançando ideias, atacando…

Eu sempre advoguei que a campanha fosse uma campanha curta e pequena, até para não tumultuar o clube nos seus problemas maiores. Acho que a campanha deve ser um período de propostas. Você levanta os problemas, discute e propõe soluções.

É muito positivo que tenha oposição, situação e vários grupos disputando, mas deve ser por um período curto e com propostas. Não é bom para o clube ficar discutindo, atacando e não pode faltar conteúdo.

Quando alguém fica só atacando, a campanha fica ruim. Quando alguém fica só propondo contratar jogador idem. Este é um problema que todo clube de futebol enfrenta. No período de campanha as pessoas começam falar em contratação de jogador. O Corinthians, neste período curto, já teve um sem-número de jogadores que poderão se contratados: é Tévez, é Christian e tantos outros jogadores que é uma fila enorme para se citar.

A campanha fica sem conteúdo. Até porque, desta forma não se discute os reais problemas do clube. O clube tem dificuldades econômicas, tem que se preparar e deve gastar o que pode.

Outra coisa que nós temos problema é que agora no Corinthians, não só se fala em contratação de jogador, como se fala também em contratação de técnico. Cada candidato fica dando palpite para contratar um técnico. Não há nenhum sentido nisso.

A atual diretoria tem mandato até 7 de fevereiro, e até lá ela se responsabiliza e contrata o técnico e os jogadores. Eu sou contra falar de contratação, porque isso tumultua o futebol. Nós devemos fazer uma coisa importante: separar os interesses do futebol dos interesses eleitorais. Eleição a gente disputa, perde ou ganha. O time é permanente e não deve se envolver em disputa eleitoral.

Pages:1234567...151»