Browsing articles in "Uncategorized"
Aug 9, 2017
admin

Números preocupantes

Matéria de Vinícius Souza, do site Meu Timão

 

Depois de o Corinthians embolsar R$ 458 milhões em 2016, maior arrecadação de sua história, o cenário financeiro do clube é outro no primeiro semestre de 2017. Sem patrocinador master e, principalmente, as luvas da TV Globo, o Timão viu suas receitas declinarem no período: R$ 128 milhões entraram nos cofres do departamento de futebol. O número está no balanço financeiro divulgado pelo site oficial da agremiação no início da noite desta terça-feira.

O Corinthians registrou déficit superior a R$ 35 milhões nos primeiros seis meses da temporada. Tal cifra é resultado, entre outros fatores, da ausência de patrocínios, das poucas vendas de atletas fechadas pela diretoria e do frequente prejuízo do clube social, localizado no Parque São Jorge.

Não o bastante, a dívida corinthiana cresceu desde o último balancete financeiro. O Timão agora acumula R$ 472 milhões em débitos, contra R$ 425 milhões em dezembro. Essa conta, cabe ressaltar, não engloba os passivos ligados à Arena Corinthians, avaliada em quase R$ 2 bilhões.

Abaixo, o Meu Timão listou os principais dados do documento. Acompanhe:

Números* do departamento de futebol do Corinthians em 2017

Corinthians contratou peças pontuais para ano de 2017
 

Receitas

Direitos de transmissão (TV Globo): R$ 84 milhões
Patrocínios: R$ 25 milhões
Fiel Torcedor: R$ 9 milhões
Repasse de direitos federativos (venda de atletas): R$ 8 milhões

Receita líquida (após impostos e contribuições): R$ 117 milhões

  • Enquanto recebeu R$ 230 milhões da TV Globo em 2016, o Corinthians verá uma quantia significativamente menor ser depositada pela emissora em sua conta: cerca de R$ 170 milhões. Apenas a primeira parcela foi paga pelo canal.
  • Já em relação à renda com patrocínios, o Corinthians recebeu R$ 25 milhões no primeiro semestre de 2017; em 2016, quando foi parceiro da Caixa Econômica Federal (espaço master), abocanhou R$ 71 milhões.
  • Outro ponto a ser destacado é a mudança de postura sobre venda de jogadores. Se o Corinthians faturou R$ 144 milhões em 2016 com o repasse de direitos econômicos, essa receita foi de só R$ 8 milhões nesta temporada.

Despesas

Pessoal (folha salarial): R$ 77 milhões
Serviços de terceiros: R$ 7 milhões
Gerais e administrativas: R$ 4 milhões
Custos com transferências: R$ 553 mil
Amortização de direitos: R$ 14 milhões
Futebol: R$ 1 milhão
Rateio de despesas administrativas: R$ 5 milhões

Total das despesas: R$ 112 milhões

Déficit do departamento de futebol (após resultado não operacional): R$ 17 milhões

  • Em 2016, o valor total de despesas do departamento de futebol foi de R$ 299 milhões (incluindo folha salarial, contratações, etc.). A efeito de comparação, o Timão já gastou R$ 122 milhões em 2017, o que comprova que, de fato, o presidente Roberto de Andrade tem trabalhado para tentar reduzir custos.
  • Aqui, um detalhe importante: apesar de ter arrecadado R$ 128 milhões e gastado R$ 122 milhões, o futebol do Corinthians não fecha o semestre no “azul”. Isso porque despesas financeiras, de R$ 22 milhões, foram deduzidas do superávit operacional. Assim, a dívida do Timão entre janeiro e junho foi de R$ 17 milhões.

Números* do clube social do Corinthians em 2017

Clube social, onde está a Fazendinha, tem dado prejuízos ao Corinthians
 

Receitas

Contribuições dos sócios: R$ 7 milhões
Explorações comerciais: R$ 1 milhão
Licenciamento e franquias: R$ 3 milhões

Receita líquida: R$ 11 milhões

Despesas

Pessoal: R$ 14 milhões
Terceiros: R$ 5 milhões
Gerais e administrativas: R$ 6 milhões
Depreciação: R$ 1 milhão
Esportes amadores: R$ 700 mil

(+) Rateio de despesas administrativas: R$ 5 milhões

Total das despesas: R$ 22 milhões

Déficit do clube social (após resultado não operacional): R$ 17 milhões

  • Assim como nas contas do departamento de futebol, há despesas financeiras (R$ 6 milhões) a serem incluídas antes do valor final. O déficit do clube social, portanto, não é de R$ 11 milhões, mas de R$ 17 milhões.

Dívida do Corinthians

Em dezembro/2016: R$ 425 milhões
Em junho/2016: R$ 472 milhões

Variação do endividamento: R$ 46 milhões

(*) – valores aproximados.

Para demais informações, confira o balanço financeiro e a posição de endividamento do Corinthians, ambos os documentos disponíveis no site oficial do clube.

Aug 6, 2017
admin

Reportagem especial da Jovem Pan sobre Neco

Junto com grandes jornalistas, participei de uma reportagem especial na rádio Jovem Pan sobre o nosso grande ídolo corinthiano Neco.

É um belo de trabalho de memória em favor do futebol.

Ouça a parte 1 clicando aqui: https://soundcloud.com/ranieri_andre/especial-neco-parte-1

Ouça a parte 2 clicando aqui: https://soundcloud.com/ranieri_andre/especial-neco-parte-2

Ouça a parte 3 clicando aqui: https://soundcloud.com/ranieri_andre/especial-neco-parte-3

 

Aug 5, 2017
admin

Imbatível

Da Gazeta Esportiva

O Corinthians fez, na noite deste sábado, no estádio de Itaquera, seu jogo mais tranquilo neste Campeonato Brasileiro. Invicto agora há 34 partidas, o Alvinegro não passou perto de perder a marca em nenhum momento do embate frente ao Sport, quase um espectador do bom futebol demonstrado pelo líder do torneio. Com gols marcados por Guilherme Arana, Rodriguinho (golaço) e Pedro Henrique, a equipe fez 3 a 1 sem qualquer sofrimento. Thallyson, já no fim, foi quem descontou para o time recifense.

Com o resultado, o Timão chega a 47 pontos conquistados na primeira metade da competição, melhor marca da história dos pontos corridos. e agora espera os resultados deste domingo para saber qual será sua distância para o Grêmio, segundo colocado, que entra em campo contra o Atlético-MG, às 16h (de Brasília) deste domingo, atualmente em 11 pontos. Do outro lado, o Leão tem 28 e encerra a primeira metade na briga por uma vaga na Libertadores da América do ano que vem.

Os comandados de Fábio Carille agora terão duas semanas apenas com treinamentos antes de encarar a equipe do Vitória, em duelo marcado para o dia 19, também em Itaquera, já que a partida contra a Chapecoense, que seria no próximo final de semana, foi reagendada para 23 de agosto. Já Luxemburgo e sua trupe voltam para Recife, onde recebem a Ponte Preta, no próximo domingo, às 16h (de Brasília), na Ilha do Retiro.

Corinthians cria bastante e abre o placar

O Corinthians foi o dono do jogo no primeiro tempo em Itaquera, chegando com perigo em pelo menos quatro oportunidades e só sofrendo em um escanteio cobrado pelo adversário. O domínio, que transmitiu bastante tranquilidade aos torcedores, foi tão claro que refletiu até no número de faltas cometidas pela equipe: em 45 minutos de bola rolando, nenhum corintiano cometeu qualquer infração.

O lance que inaugurou o perigo alvinegro se deu aos cinco minutos de bola rolando, quando Cássio saiu jogando com um chute longo, Romero fez excelente domínio, driblou o marcador e acionou Rodriguinho, que bateu de pé esquerdo. Bem colocado, Magrão fez a defesa. Pouco depois, porém, Fagner limpou Everton Felipe e cruzou. Maycon furou e Arana, esperto, bateu de primeira, vencendo o goleiro e abrindo o placar aos dez minutos.

A resposta rubro-negra foi rápida, com escanteio batido por Everton Felipe. A zaga corintiana não conseguiu cortar e a bola ficou quicando na pequena área até que Cássio conseguiu agarrá-la. Em outro escanteio, dessa vez pelo lado alvinegro, Balbuena subiu mais que a zaga e desviou para a primeira trave. Romero, em impedimento, complementou para o gol, mas o lance já estava parado pela arbitragem.

Depois de um início intenso, o Timão recuou um pouco suas linhas e passou a esperar mais os pernambucanos. Com dificuldade para vencer as linhas de marcação alvinegras, o Leão se safou de ver a desvantagem aumentar. Rodriguinho, em duas oportunidades, tentou o chute de esquerda e desperdiçou bons lances de Clayson e Fagner. Clayson, por sinal ,também teve boa chance, deixou Magrão no chão, mas acabou desarmado por Sander.

Rodriguinho dá show e Timão passeia

Os donos da casa voltaram para a etapa final com certa pressão por não terem transformado a sua superioridade em mais gols. O problema, porém, foi resolvido em questão de segundos. Antes de o cronômetro apontar um minuto, o Sport tentou pressionar a saída de bola, Balbuena tirou e Maycon conseguiu dar um balãozinho, ainda na intermediária defensiva. Rodriguinho pegou a bola no meio-campo, limpou um marcador e, na entrada da área, bateu de esquerda, no ângulo de Magrão. Um golaço.

O segundo gol fez com que o Sport se lançasse mais ao ataque, com Luxemburgo colocando Juninho e Anselmo no lugar dos inoperantes Osvaldo e Everton Felipe. Quem ficou numa situação melhor, no entanto, foi o Timão, que ganhou mais espaço para os seus atacantes trabalharem a bola. Jô, em duas oportunidades, quase saiu cara a cara com Magrão, mas parou em desarmes precisos do experiente Durval.

O volume de jogo foi tamanho que, antes da metade da etapa final, veio o gol definidor para a campanha história dos corintianos no primeiro turno. Após cruzamento de Arana, Magrão se esticou todo e colocou para escanteio. Na cobrança, Clayson achou Pedro Henrique, na altura da marca do pênalti, e o defensor testou firme, para baixo, vencendo Magrão e marcando pela primeira vez no Brasileiro.

Os minutos restantes serviram para Carille dar mais minutos de jogo a Pedrinho, substituindo um aplaudido Clayson, e a Camacho, que entrou no lugar de Maycon. Arana, cansado, pediu substituição e forçou a entrada de Léo Príncipe, único lateral disponível no banco. O único suplente que foi digno de nota, no entanto, foi Thallyson. Colocado por Luxemburgo no lugar de Patrick, ele acertou lindo chute, no ângulo de Cássio e fez um lindo gol para os pernambucanos.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 3 X 1 SPORT

Local: estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 5 de agosto de 2017, sábado
Horário: 19h (de Brasília)
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Assistentes: Fabio Rubinho e Marcelo Grando (ambos do MT)
Público: 41.279 pagantes
Renda: R$ 2.446.519,40
Cartões amarelos: Romero (Corinthians); Henríquez, Samuel Xavier (Sport)
Gols:
CORINTHIANS: Guilherme Arana, aos dez minutos do primeiro tempo, Rodriguinho, a um minuto, e Pedro Henrique, aos 21 minutos do segundo tempo
SPORT: Thallyson, aos 38 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana (Léo Príncipe); Gabriel, Maycon (Camacho), Romero, Rodriguinho e Clayson (Pedrinho); Jô
Técnico: Fábio Carille

SPORT: Magrão, Samuel Xavier, Henríquez, Durval e Sander; Patrick (Thallyson), Rithely e Diego Souza; Osvaldo (Anselmo), Everton Felipe (Juninho) e André
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Aug 2, 2017
admin

Mais líder do que nunca

Por Lucas Faraldo, do Meu Timão
Jogadores do Timão fizeram a festa no Mineirão, com vitória sobre o Atlético-MG
Jogadores do Timão fizeram a festa no Mineirão, com vitória sobre o Atlético-MG

Foto: Reprodução/TV

Noite de surpresa para as muitas pessoas que, há poucos meses, apontavam Atlético-MG como favorito ao título do Brasileirão e Corinthians como candidato à parte do meio da classificação. Com gols de Jô e Rodriguinho, o Timão de Fábio Carille não deu chances para os donos da casa e venceu por 2 a 0, no Mineirão, nesta quarta-feira, pela 18ª rodada.

Com o resultado, o Corinthians chegou à incrível marca de 44 pontos conquistados em 54 disputados. São 81,5% de aproveitamento, com 28 gols marcados e apenas oito sofridos. O Timão aguarda o término da rodada para saber como fica sua “gordura” na ponta da classificação.

Chama atenção ainda o fato de Jô balançar as redes pela segunda partida consecutiva, haja vista ele ter sido o autor do tento alvinegro no empate em 1 a 1 com o Flamengo, domingo passado. Agora com 11 gols passadas 18 rodadas, o camisa 7 é o artilheiro isolado da competição, deixando Lucca (10), da Ponte Preta, para trás.

Em tempo: o Corinthians subiu ao gramado sem três de seus titulares. Pablo, Jadson e Romero, entregues ao departamento médico, foram baixas. Assim, o Timão foi escalado com: Cássio; Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Giovanni Augusto, Rodriguinho e Clayson; Jô.

Vale lembrar que o Corinthians já volta a campo no próximo sábado. Os comandados de Fábio Carille recebem o Sport na Arena, em duelo marcado pela última rodada do primeiro turno do Campeonato Brasileiro. O Timão, cabe ressaltar, vive a expectativa de encerrar de forma invicta a primeira metade da competição.

Primeiro tempo

O primeiro tempo começou marcado por muita disputa pela bola no meio de campo. Corinthians e Atlético-MG se estudavam demais e criavam chances de gol de menos.

A primeira das raras oportunidades de abrir o marcador foi do Atlético-MG. Cazares soltou a bomba da entrada da área e obrigou Cássio a fazer boa defesa em dois tempos, evitando que Rafael Moura ficasse com o rebote.

Depois, foi a vez de o Corinthians responder. Jô foi lançado por Rodriguinho e disparou em velocidade. O camisa 7 dividiu com Pablo, venceu e arriscou a batida. A bola passou à direita do gol de Victor.

Não demorou muito para os mandantes assustarem novamente. Marcos Rocha, lá do campo defensivo, fez belo lançamento visando Cazares. O equatoriano dominou muito bem, saiu à frente da zaga corinthiana e bateu forte. A bola estufou as redes pelo lado de fora.

Aos 30 minutos, não teve jeito: placar inaugurado. E o gol foi do Timão! Fagner tabelou com Rodriguinho e disparou pela direita, cruzando bola rasteira. Maycon tentou dominá-la e finalizar. A pelota acabou saindo mascada e sobrou nos pés de Jô. Bem posicionado, o artilheiro deu um toque simples para “matar” Victor e balançar as redes.

Jô voltou a balançar as redes
Jô voltou a balançar as redes

Reprodução/TV

Segundo tempo

A etapa complementar começou do jeito mais previsível possível: o Atlético-MG, tentando fazer valer o mando de campo, pressionando o Corinthians no campo defensivo dos visitantes; o Timão, apostando nos contra-ataques, tentando aumentar a vantagem no marcador.

Neste cenário, foi o Corinthians quem criou a primeira chance de gol. Aos 13 minutos, Rodriguinho recebeu bola preciosa de Fagner e soltou a bomba. Victor fez grande defesa e, no rebote, Maycon chutou para fora, perdendo oportunidade inacreditável de balanças as redes.

Aos 21 minutos, foi a vez de o Atlético-MG retribuir o susto. Fábio Santos cruzou, Guilherme Arana errou o tempo da bola, e Robinho ficou frente a frente com Cássio. O atacante, porém, perdeu grande chance, finalizando à direita do gol de Cássio.

Em um momento no qual o técnico adversário, Rogério Micale, já havia feito suas três substituições, Carille decidiu mexer pela primeira vez: sacou Giovanni Augusto, que não viveu grande noite, e colocou em campo Camacho.

A mudança não surtiu muito efeito. O Atlético-MG seguiu ditando o ritmo da partida no segundo tempo. Aos 30 minutos, Cazares limpou a marcação corinthiana e, de fora da área, bateu cruzado. Cássio caiu e fez defesa segura.

Assim como aconteceu nos primeiro tempo: quem não faz toma! Em contra-ataque mortal, Camacho deu bom passa para Maycon, que enfiou bola cirúrgica na grande para Clayson. O atacante, de primeira, rolou para Rodriguinho. O meia teve calma para dar um drible “seco” no marcador, deslocar Victor e balançar as redes, sacramentando o placar aos 36 minutos.

Rodriguinho fechou o caixão do Atlético-MG no Mineirão
Rodriguinho fechou o caixão do Atlético-MG no Mineirão

Reprodução/TV

Houve tempo ainda para Carille promover as entradas de Kazim e Fellipe Bastos nas vagas de Jô e Rodriguinho, heróis da noite. Nada que alterasse o seguinte fato: o Timão venceu o Atlético-MG fora de casa e segue mais favorito do que nunca na luta pelo heptacampeonato brasileiro.

Jul 30, 2017
admin

Líder e invicto

Por Vinícius Souza, do Meu Timão

Treinador do Corinthians lamentando o empate contra o Flamengo
Um jogo à altura do chamado Clássico das Multidões. Com direito a mosaico da Fiel antes de a bola rolar, o líder Corinthians ficou no empate com o Flamengo neste domingo, na Arena em Itaquera, por 1 a 1. A partida, que colocou frente a frente dois dos principais candidatos ao título nacional, ficou marcada por um erro grosseiro da arbitragem.

Com 41 pontos, o Corinthians volta a campo na próxima quarta-feira, diante do Atlético-MG, no Mineirão, às 21h (de Brasília). Em caso de vitória, o Timão fatura, com duas rodadas de antecedência, o primeiro turno do Campeonato Brasileiro.

Que lambança, hein?!

Doze minutos. Foi o suficiente para o Corinthians abrir o placar da Arena – ou não, já que o árbitro assistente Pablo Almeida da Costa viu o que ninguém percebeu: impedimento inexistente de Jô. O camisa 7 alvinegro recebeu passe de Maycon na pequena área e, mesmo em posição legal, teve gol equivocadamente anulado pelo bandeira.

A lambança da arbitragem não fez o Corinthians tirar o pé do acelerador no primeiro tempo. Pelo contrário. Organizada, a equipe de Fábio Carille passou a trocar passes em velocidade em busca de espaços na defesa do Flamengo, que tentava surpreender os donos da casa pelos lados do campo, sobretudo com Diego e Éverton Ribeiro.

A qualidade individual do time da Gávea não foi páreo para a força coletiva do Timão na etapa inicial. Aos 21 minutos, o zagueiro Balbuena percorreu metade do campo com a bola no pé e tocou para Jô em profundidade. O atacante, no mano a mano com Pará, ajeitou para a perna esquerda e arrematou firme rasteiro no canto esquerdo do goleiro Diego Alves, que pouco pôde fazer para evitar o tento preto e branco.

À frente do placar, o Corinthians de Carille dava início ao que sabe fazer de melhor: contra-atacar de maneira ágil, pegando o sistema defensivo rival desprevenido. A equipe visitante, por sua vez, mal levava perigo à meta do goleiro Cássio.

Antes do intervalo, porém, uma baixa inesperada ao técnico Fábio Carille. O meia Marquinhos Gabriel sentiu dores musculares e precisou ser substituído. Giovanni Augusto, que havia sido escalado contra Fluminense e Patriotas (COL), deixou o banco de reservas na vaga do camisa 31.

Tirou o pé…

Todo bom time começa por um bom goleiro. Sorte do Corinthians ter Cássio, excepcional. O camisa 12, expoente do líder do Brasileirão, fez milagre ao defender cabeçada à queima-roupa do zagueiro Juan.

A bola parada parecia ser o único caminho para o Flamengo pressionar o Corinthians, que fechava espaços corriqueiros em sua zaga, desfalcada por Pablo. Mas até mesmo a equipe que melhor se defende na Série A pode falhar. Numa bola desviada dentro da área, Réver, livre de marcação, emendou belo voleio e superou o goleiro Cássio.

O gol do Flamengo foi como um golpe aos comandados de Fábio Carille, que já não atacavam como no primeiro período. O técnico, então, promoveu as entradas de Pedrinho e Camacho nas vagas de Clayson e Gabriel, com o intuito de voltar a ter a posse da bola e, quem sabe, incomodar Diego Alves.

Precisando da vitória, o time visitante controlava as ações dentro de campo e, por isso, conquistou resultado importante na Arena Corinthians: 1 a 1. Apesar do empate amargo, o Timão segue na liderança da Série A de forma absoluta, podendo terminar a 17ª rodada a nove pontos do vice Grêmio.

Escalações

Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Marquinhos Gabriel, Rodriguinho e Clayson; Jô (capitão)

Flamengo: Diego Alves; Pará, Juan, Réver (capitão) e Trauco; Cuéllar, Márcio Araújo e Diego; Éverton Ribeiro, Everton e Guerrero

Jul 27, 2017
admin

Boa classificação

Da Gazeta Esportiva

Foi mais difícil do que o torcedor corintiano imaginava, com o Patriotas pressionando no fim e perdendo chances de empatar, mas o Corinthians fez 2 a 0 sobre o rival colombiano na noite desta quarta-feira, no estádio de Itaquera, e carimbou sua vaga nas oitavas de final da Sul-Americana. Os gols foram marcados por Balbuena, no primeiro tempo, e Pedrinho, já nos acréscimos do segundo tempo, com um lindo toque por cobertura.

O triunfo, aplaudido ao final pela torcida apesar dos sustos, leva o Timão ao seu 31º jogo de invencibilidade na temporada, igualando a segunda maior sequência da história alvinegra, obtida pela primeira vez na década de 1930. Foi também a primeira classificação em uma competição internacional obtida na arena.

Na próxima fase, enfrenta o vencedor do duelo entre Racing e Independiente Medellin. Os dois times entram em campo nesta quinta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Colômbia, com o time da casa precisando reverter os 3 a 1 obtidos pelos argentinos na partida de ida. Pelo Brasileiro, o Alvinegro agora foca suas atenções no Flamengo, adversário de domingo, às 16h (de Brasília), novamente no estádio de Itaquera.

Balbuena abre o caminho mais uma vez

O Corinthians começou a partida mostrando um futebol muito diferente do que demonstrou até o momento nesta temporada. Com muitos erros de passe, principalmente na saída de bola, apresentou-se com um nível parecido ao da primeira partida, na Colômbia, ocasião em que culpou diversos fatores, entre viagem e o tamanho do gramado, como responsáveis por uma apresentação abaixo do padrão.

Diante de um rival que também não possuía grandes alternativas na criação de jogo, o Timão se viu obrigado a ter mais paciência para avançar suas linhas. Na primeiras vez em que tocou a bola no campo de ataque, o time anfitrião viu Giovanni Augusto receber na lateral da área, aos 14 minutos, e cruzar na segunda trave. A bola passou por Kazim e sobrou para Clayton, que dominou, tirou do zagueiro e, livre, chutou por cima do gol.dv_cor_x_pat_1-1-1024x682

Na sequência, o mesmo Clayton ganhou a jogada em velocidade pela esquerda, tirou mais um marcador e tentou o chute rasteiro, mas a zaga afastou. Pressionando e dominando o campo de ataque, o Alvinegro conseguiu impor a pressão que queria até que, em escanteio batido por Maycon, aos 28, Balbuena ganhou da marcação e cabeceou no canto direito, mais uma vez sem chances para o goleiro Villete, assim como ocorreu no jogo de ida.

O tento não mudou a altitude do Patriotas, que quase conseguiu o empate também em um escanteio, com Valoyes, mas o centroavante cabeceou para fora. Até o intervalo, o duelo teve poucas movimentações ofensivas. No lance que mais chamou a atenção, Cássio saiu do gol em falta e tentou ligar contra-ataque com Marquinhos Gabriel. Arboleda chegou afastando e quase surpreendeu o goleiro, que conseguiu se recuperar.

Patriotas pressiona, mas Pedrinho marca no fim

A etapa final não mudou a atitude de ambos os lados, com o Corinthians mostrando a mesma imprecisão nos passes e os colombianos apostando mais na força física do que na qualidade técnica. Percebendo alguns espaços na defesa corintiana, o técnico dos visitantes apostou na velocidade de Mosquera, atleta que já havia dado muito trabalho a Moisés no embate realizado em Tunja.

A impaciência com a falta de oportunidades fez a torcida pedir a entrada de Pedrinho ainda antes dos dez minutos, incomodada com as constantes perdas de bola do trio Clayton, Giovanni Augusto e Marquinhos Gabriel. O pedido foi atendido aos 20, quando o garoto ingressou na vaga de Clayton, pelo lado direito, recebendo muitos aplausos. As chances, no entanto, teimaram em não aparecer.

Carille melhorou o time acionando Jô e Camacho, mas o placar seguia inalterado. O Patriotas, então, se lançou à frente, levando perigo em faltas próximas à área. Aos 40, quase conseguiu o gol quando Mosquera se livrou de Balbuena e cruzou para o meio, mas Arana chegou bem para travar. Quando tudo parecia caminhar para um final complicado aos donos da casa. Cássio deu um chutão, Jô disputou com a zaga e a bola ficou para Pedrinho, que colocou na frente e encobriu o goleiro, para a festa da Fiel.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 2 X 0 PATRIOTAS-COL

Local: estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 26 de julho de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Roberto Tobar (Chile)
Assistentes: Raul Orellana e Edson Cisternas (ambos do Chile)
Público: 34.472 pagantes
Renda: R$ 1.593.595,90
Cartão amarelo: Cabezas (Patriotas)
Gols:
CORINTHIANS: Balbuena, aos 28 minutos do primeiro tempo, e Pedrinho, aos 46 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Léo Príncipe, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Giovanni Augusto (Jô), Marquinhos Gabriel e Clayton (Pedrinho); Kazim (Camacho)
Técnico: Fábio Carille

PATRIOTAS: Villete; Murillo, Carreño (Pretel), Arboleda e Cabezas; Larry Vásquez, Robayo e Omar Vásquez (Mosquera); Gomez, Valoyes e Ibarguen
Técnico: Diego Corredor

Jul 23, 2017
admin

Disparando

Do Meu Timão

No melhor estilo Fábio Carille, o Corinthians foi mais uma vez cirúrgico e, na tarde deste domingo, venceu o Fluminense por 1 a 0, no Maracanã, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. Deixando de lado a posse de bola e aproveitando-se de jogadas bem trabalhadas, o Timão chegou ao gol com um cabeceio para lá de bonito do zagueiro Balbuena.

Com o resultado, o Corinthians voltou a vencer após dois empates consecutivos contra Atlético-PR e Avaí e chegou à marca de 40 pontos no Brasileirão, se isolando ainda mais na liderança invicta. Por ora, o Timão abriu nove pontos de distância para o vice-líder Grêmio, que joga contra o São Paulo, no Morumbi, na noite de segunda.

Vale lembrar que o Corinthians teve neste domingo o desfalque de dois de seus titulares habituais: Pablo e Jadson, que estão no departamento médico e voltam à equipe apenas no segundo turno do Brasileirão. Marquinhos Gabriel, suspenso, também foi baixa.

Assim, o Timão começou escalado com: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Balbuena e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Giovanni Augusto, Rodriguinho e Romero; Jô.

Em tempo: o Corinthians agora volta suas atenções para a Copa Sul-Americana, já que recebe o Patriotas na quarta-feira. No domingo, aí sim pela 17ª rodada do Brasileirão, também em casa, encara o Flamengo.

Primeiro tempo

Clichê à parte, Corinthians e Fluminense disputaram 45 minutos iniciais muito estudados. O Timão abdicou da posse de bola e jogou na base da velocidade em contra-ataques bem estruturados. Os cariocas apostaram de enfiadas de bola e lançamentos em direção a Henrique Dourado.

A verdade é que os sistemas defensivos de ambas as equipes é que se destacaram. A melhor oportunidade de gol saiu dos pés de Giovanni Augusto. Aos 17 minutos, o meia arriscou um chute rasteiro de longa distância. A bola “tirou tinta” da trave direita do goleiro Júlio César e saiu pela linha de fundo.

Destaque para a ótima atuação de Romero, infernizando a vida do lateral Renato. Em determinado lance, deu uma caneta em Henrique Dourado, que na sequência perdeu a linha e fez falta dura no paraguaio. Já nos minutos finais, foi agredido por Léo após perder uma dividida pelo alto.

E foi justamente Romero quem ainda protagonizou a segunda e última chance do Corinthians no primeiro tempo. O camisa 11 disparou pela esquerda e, na entrada da área, bateu cruzado. A bola passou à esquerda do goleiro Júlio César.

Segundo tempo

Ao contrário da etapa inicial, os jogadores tanto do Corinthians quanto do Fluminense se lançaram ao ataque desde o início do segundo tempo. E foi o Timão que se deu melhor nessa história.

Aos 14 minutos, Giovanni Augusto bateu escanteio com precisão mirando Balbuena. Mesmo longe da meta adversária, o zagueiro subiu absurdamente mais alto do que Henrique, seu marcador, e cabeceou com força no canto esquerdo de Júlio César. Golaço de cabeça do líder do Brasileirão!

Balbuena abraça Giovanni Augusto durante comemoração

Balbuena abraça Giovanni Augusto durante comemoração

Reprodução/TV

O Fluminense até sentiu o baque, mas não demorou para criar a primeira oportunidade de empatar a partida. Scarpa, da entrada da área, bateu rasteiro. Cássio se esticou todo, mas foi a trave que impediu a bola de balançar as redes corinthianas.

Com o passar do tempo, o Corinthians voltou a controlar a partida. Com toques curtos e envolventes, o ataque alvinegro entrou na grande área do Fluminense. Rodriguinho ficou com a pelota frente a frente com Júlio César, mas bateu para a linha de fundo.

Com relação a substituições, o técnico Fábio Carille precisou sacar Romero por causa de dores na coxa, dando assim oportunidade para Clayson. Ainda entraram Pedrinho e Camacho nas vagas de Giovanni Augusto e Rodriguinho, respectivamente.

Vale ainda destacar algumas chances de gol criadas pelo Fluminense nos minutos finais – a arbitragem deu seis minutos de acréscimos, dando ares de muita emoção à partida.

Peu chutou e a bola explodiu em Balbuena. No rebote, Matheus Alessandro ficou cara a cara com Cássio, que acabou driblado. A zaga apareceu para tirar o perigo providencialmente. Somente depois, contudo, a arbitragem viria a paralisar o lance por impedimento (mal assinalado, por sinal).

Pouco depois, bate e rebate na pequena área do Corinthians, Peu chutou de qualquer jeito no canto direito de Cássio. O arqueiro, bem posicionado e dando show de reflexo, salvou a pátria alvinegra.

Por fim, ainda houve um gol bem anulado do Fluminense. Já no apagar das luzes, a bola sobrou para Richarlison, que à frente da zaga corinthiana, balançou as redes de Cássio. O impedimento, contudo, foi sinalizado pela arbitragem.

No fim das contas, vitória do Corinthians (do jeito que a Fiel gosta) no Maracanã!

Jul 20, 2017
admin

Líder invicto

Por Vinícius Souza – Meu Timão

Paciência. Entre outros atributos, o líder Corinthians precisou de equilíbrio diante do Avaí na noite desta quarta-feira. Ainda assim, não foi suficiente para conquistar a 12ª vitória no Brasileirão. Mesmo superior do início ao fim, o Timão parou na retranca adversária e empatou sem gols na Ressacada, em Florianópolis.

O próximo compromisso do Corinthians, que agora soma dois empates consecutivos, está marcado para domingo. A equipe paulista mede forças com o Fluminense no estádio do Maracanã, às 16h (de Brasília), pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em seguida, o Timão recebe o Flamengo, quarta que vem, na Arena Corinthians.

SAI PRA LÁ, ZICA!

Antes mesmo de o Avaí oferecer perigo, o Corinthians precisou lidar com outro incômodo adversário na fria noite de Florianópolis: lesões. A equipe de Fábio Carille sofreu duas baixas (Pablo, com novo problema muscular na coxa direita, e Jadson, com dores na costela) com menos de 15 minutos de partida, o que forçou o treinador alvinegro a promover mudanças. O zagueiro Pedro Henrique e o meia Marquinhos Gabriel, que eram opções no banco de reservas, foram a campo.

Após choque com Betão, Jadson deixou gramado com dores na região da costela
Reprodução/Premiere

As alterações, por outro lado, não obrigaram o líder Corinthians a se desfazer da estratégia inicial. Com a posse da bola, buscava triangulações e infiltrações sem pressa, a fim de encontrar espaços na defesa do Avaí; sem ela, era compacto defensivamente e levava perigo nos contra-ataques.

Embora organizado, o Timão pouco exigiu do goleiro Douglas Friedrich – que só viu Rodriguinho, de fora da área, finalizar com perigo, à esquerda da meta do time catarinense. Até por isso, como era quem tomava a iniciativa do jogo, o Corinthians viu o Avaí arriscar alguns contra-ataques pelo lado esquerdo, mas Cássio sequer esquentou as luvas na primeira etapa.

“Tem de ter paciência até fazer o gol. Sabemos que é difícil, eles estão bem atrás, mas estamos acostumados a adversários assim. Tem de tentar, martelar, construir, uma hora a bola vai entrar”, analisou o centroavante Jô, referência ofensiva corinthiana.

PQP, TIMÃO!

Na luta contra o rebaixamento, o Avaí de Claudinei Oliveira adotou outra postura nos minutos iniciais do segundo tempo. Aos nove, Leandro Silva avançou pela direita, chutou cruzado e encontrou Simião livre na área, mas o volante, a poucos metros do gol corinthiano, mandou por cima.

A resposta do Timão foi imediata. Marquinhos Gabriel, discreto a essa altura, recebeu na área e arrematou na saída de Douglas. O zagueiro Betão afastou de qualquer maneira e pôs fim à investida dos visitantes.

Sem Jadson, Rodriguinho tinha a missão de criar jogadas pelo meio, mas parecia sobrecarregado. O jeito, então, era usufruir das laterais – aos 28 minutos, Fagner subiu ao ataque e cruzou na medida para o camisa 26, que, sem espaço, improvisou um voleio e viu o goleiro Douglas brilhar: o arqueiro espalmou para o lado direito e salvou o Avaí de levar o primeiro gol.

Se no primeiro tempo faltou emoção, quem foi à Ressacada assistiu a um período complementar repleto de chances para os dois lados. Pouco depois de Rodriguinho quase abrir o placar, Joel dominou sem marcação e finalizou na trave de Cássio, para alívio da Fiel.

A última cartada de Carille foi apostar em Kazim, que deixou o banco de suplentes no lugar do volante Gabriel. Mas a noite era de Douglas. O goleiro pertencente ao Timão – ele defende o Avaí por empréstimo – parecia destinado a se destacar diante do ex-clube. Aos 46, por exemplo, Arana cobrou escanteio na cabeça de Pedro Henrique, que testou firme e viu o arqueiro evitar a vitória alvinegra longe de casa.

Sem tempo para mais nada, Avaí e Corinthians empataram por 0 a 0 em Florianópolis. Nada que preocupe a equipe líder da Série A, agora com 37 pontos, a seis do vice Grêmio.

ESCALAÇÕES

Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho (capitão) e Romero; Jô

Avaí: Douglas; Leandro Silva, Fagner Alemão, Betão (capitão) e Capa; Judson, Wellington Simião, Pedro Castro e Juan; Júnior Dutra e Joel

Jul 16, 2017
admin

Um passo à frente

Da Gazeta Esportiva

O Corinthians esteve próximo de fazer a sua parte na 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. No único jogo realizado neste sábado, o líder contou com dois gols do centroavante Jô para virar a partida diante do Atlético-PR, que havia aberto o placar com o lateral direito Jonathan, mas vacilou no final. O meio-campista Otávio decretou o empate por 2 a 2 em Itaquera em um chute de longa distância que desviou no zagueiro Balbuena.

O resultado levou o Corinthians aos 36 pontos ganhos, podendo encurtar a sua boa vantagem na ponta da tabela de classificação. O segundo colocado é o Grêmio, que soma 25 e enfrentará a Ponte Preta no domingo, em Porto Alegre. Já o Atlético-PR, que não vence há seis jogos e agora está sob o comando de Fabiano Soares, totaliza 16 e tenta se distanciar dos times que lutam contra o rebaixamento.

Corinthians e Atlético-PR entrarão novamente em ação no meio de semana. Enquanto a equipe paulista jogará contra o Avaí na quarta-feira, na Ressacada, a paranaense retornará à Arena da Baixada para receber o Botafogo no dia seguinte.

O jogo – Atuando em casa, contra um adversário que atravessa mau momento, o Corinthians se viu obrigado a tomar a iniciativa de atacar. Rodou a bola de um lado a outro do gramado, à procura de espaços, e chutou impacientemente de média e longa distância quando não teve criatividade suficiente para envolver o Atlético-PR.

Para dificultar ainda mais o trabalho ofensivo do Corinthians, os seus jogadores de frente pareciam desconcentrados, errando muitos passes. Pela esquerda, Moisés (ocupou a vaga do suspenso Guilherme Arana) não chegava a ser o contestado lateral de outros jogos do ano, mas Romero, empolgado pela grande fase, arriscava até dribles de efeito. Na direita, Marquinhos Gabriel (herdou o posto de Rodriguinho) não tinha o habitual entrosamento de Jadson com Fagner.

Cauteloso, o Atlético-PR só se desinibia nos contra-ataques, principalmente com Douglas Coutinho, que tentava mostrar habilidade pela esquerda. Foi do outro lado do campo, contudo, que os visitantes surpreenderam. Aos 37 minutos, Jonathan dominou a bola e desvencilhou-se de Moisés, Maycon, Gabriel e Pedro Henrique antes de finalizar cruzado e anotar um golaço.

A torcida do Corinthians, até então tranquila, como se imaginasse que o líder do Campeonato Brasileiro marcaria um gol a qualquer momento, exaltou-se após o gol do Atlético-PR. O time também passou a demonstrar mais disposição. Aos 41 minutos, ficou perto de empatar o jogo – Maycon saiu na frente de Weverton após assistência de Jô, da entrada da área, e bateu por baixo do goleiro, mas a defesa adversária apareceu para cortar para escanteio.

Três minutos mais tarde, a bola entrou. Depois de troca de passes, Moisés cruzou à meia altura da esquerda, e Jô se esticou do lado direito da pequena área para completar para a rede. O placar estava igualado novamente antes mesmo do intervalo, para vibração do público corintiano e de Fábio Carille à beira do campo.

Para o segundo tempo, o técnico cobrou que o Corinthians permanecesse no campo de ataque, agora mais atento. A equipe correspondeu. Logo aos cinco minutos, Maycon avançou bem pelo lado esquerdo da área, ergueu a cabeça e encontrou Jô livre de marcação no meio. O centroavante teve tempo e calma para escolher o canto ao concluir para o gol.

Com o Atlético-PR em desvantagem no marcador, o comando técnico do Atlético-PR foi forçado a mudar o seu time. Tentou reverter o panorama da partida com a entrada de Nikão na vaga de Cascardo. Era o Corinthians, porém, que continuava a empolgar. Aos 15, Fagner fez uma bela tabela com Jô antes de entrar na área e soltar o pé. A bola subiu muito.

A torcida corintiana queria mais. “Pedrinho! Pedrinho! Pedrinho!”, começou a pedir boa parte do público presente em Itaquera. Fábio Carille atendeu. Aos 29 minutos, pouco depois de Eduardo da Silva substituir Lucho González no Atlético-PR, Pedrinho ocupou a vaga do aplaudido Marquinhos Gabriel no Corinthians.

Mas a partida não estava decidida, como os dribles de Romero e a festa nas arquibancadas davam a entender. Aos 36 minutos, Otávio chutou de fora da área de maneira despretensiosa, e Balbuena desviou a bola com a cabeça no meio do caminho. Foi o bastante para tirar Cássio da jogada: 2 a 2.

O Corinthians, então, precisou acelerar em direção ao ataque outra vez. Jô quase voltou a fazer a diferença aos 40 minutos, quando partiu em velocidade pelo meio e finalizou duas vezes diante de Weverton. Na segunda tentativa, a bola passou caprichosamente diante da meta.

Carille decidiu colaborar com a pressão corintiana com a troca de Romero por Clayson. A torcida, com cantoria. Dentro de campo, porém, o líder do Campeonato Brasileiro não teve forças para ir além do empate com o Atlético-PR em sua 28ª partida da série invicta na temporada.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 2 X 2 ATLÉTICO-PR

Local: Estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 15 de julho de 2017, sábado
Horário: 19 horas (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (Fifa-SC)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa-SP)
Público: 41.201 pagantes (total de 41.458)
Renda: R$ 2.403.003,90
Cartões amarelos: não houve
Gols: CORINTHIANS: Jô, aos 44 minutos do primeiro tempo e aos 5 minutos do segundo tempo; ATLÉTICO-PR: Jonathan, aos 37 minutos do primeiro tempo, e Otávio, aos 36 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Moisés; Gabriel, Maycon, Marquinhos Gabriel (Pedrinho), Jadson e Romero (Clayson); Jô
Técnico: Fábio Carille

ATLÉTICO-PR: Weverton; Jonathan, Paulo André, Wanderson e Sidcley; Otávio, Eduardo Henrique, Cascardo (Nikão) e Lucho González (Eduardo da Silva); Douglas Coutinho e Pablo
Técnico: Fabiano Soares

Jul 13, 2017

Gigante

gazeta-press-foto-1019040-1024x661

Da Gazeta Esportiva

A série de 31 partidas sem derrotas do Palmeiras na condição de mandante terminou na noite desta quarta-feira. Com um gol em cada tempo, o líder Corinthians ganhou por 2 a 0 no Estádio Palestra Itália e pode terminar a 13ª rodada do Campeonato Brasileiro 11 pontos à frente do segundo colocado.

Invicto há 27 partidas (17 vitórias e 10 empates), o Corinthians chega aos 35 pontos e espera pelo confronto entre os perseguidores Flamengo e Grêmio, que duelam às 19h30 (de Brasília) desta quinta-feira, no Rio de Janeiro. Já o Palmeiras, derrotado como mandante após 31 jogos (23 vitórias e oito empates), segue com 19 pontos e cai para o sexto lugar.

O Corinthians saiu na frente com um gol de pênalti anotado pelo meia Jadson e aumentou em chute certeiro do lateral esquerdo Guilherme Arana. O Palmeiras, inspirado na final do Campeonato Paulista 1993, entrou de meias e calções brancos, mas foi incapaz de criar chances de gol.

Pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 19 horas deste sábado, o Corinthians defende a liderança do torneio diante do Atlético-PR, no estádio de Itaquera. O Palmeiras, às 11 horas de domingo, tenta a reabilitação diante do Vitória, no Palestra Itália.

O Jogo – O Corinthians soube como conter o ímpeto do Palmeiras nos primeiros minutos e não correu grandes riscos no campo de defesa até conseguir um pênalti. Em uma jogada pela esquerda, o ex-corintiano Bruno Henrique chegou atrasado e cometeu falta em Guilherme Arana dentro da área. Jadson bateu no canto direito de Prass e marcou.

Pouco depois do gol, Thiago Santos e Rodriguinho discutiram no meio de campo e tomaram cartões amarelos. O árbitro Leandro Vuaden, famoso por deixar o jogo correr, viu mais alguns entreveros na etapa inicial. Em uma jogada de contra-ataque, Dudu pediu pênalti após Balbuena tocar com o braço na bola, sem sucesso.

O Palmeiras manteve a posse de bola durante a maior parte do primeiro tempo, mas encontrou um adversário organizado na defesa e armado para contra-atacar. Na melhor chance do time da casa, Dracena cabeceou após escanteio cobrado por Dudu pela direita e Thiago Santos dividiu com o goleiro Cássio.

Após um primeiro tempo ruim, com passes errados e um pênalti cometido, Bruno Henrique saiu para a entrada de Borja no intervalo. Cuca posicionou Tchê Tchê pelo meio e passou a usar Roger Guedes na ala direita. Em um voleio de Willian dentro da área, o alterado time alviverde chegou a levar algum perigo.

Em vantagem no marcador, o Corinthians jogou de forma inteligente, sem se expor, e marcou o segundo aos 19 minutos da etapa complementar. Depois de uma bola perdida por Roger Guedes, Arana tabelou com Romero pela esquerda, recebeu lançamento preciso do paraguaio e finalizou cruzado para vencer Fernando Prass.

O goleiro Cássio fez cera desde o começo e, aos 37 minutos do segundo tempo, enfim tomou cartão amarelo. Ineficiente, Borja se limitou a cavar pênaltis e arranjar confusão. Na tentativa de pelo menos diminuir, o Palmeiras se lançou ao ataque de forma desorganizada e não conseguiu nem sequer criar boas oportunidades. Ao final, acabou vaiado.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 0 x 2 CORINTHIANS

Local: Estádio Palestra Itália, em São Paulo (SP)
Data: 12 de julho de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS-CBF)
Assistentes: Jose Eduardo Calza e Mauricio Coelho Silva Penna (RS-CBF)
Público: 39.091 torcedores
Renda: R$ 2.744.600,04
Cartões amarelos: Thiago Santos, Dudu, Borja (Palmeiras); Rodriguinho, Jadson, Cássio, Guilherme Arana (Corinthians)
Gols:
CORINTHIANS: Jadson, aos 22 minutos do primeiro tempo, Guilherme Arana, aos 19 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Tchê Tchê, Yerry Mina, Edu Dracena e Egídio (Zé Roberto); Thiago Santos (Keno), Bruno Henrique (Borja) e Guerra; Dudu, Róger Guedes e Willian
Técnico: Cuca

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo (Pedro Henrique) e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Jadson (Marquinhos Gabriel), Rodriguinho (Camacho) e Romero; Jô
Técnico: Fábio Carille

Pages:1234567...139»