Jun 18, 2017
admin

Na liderança

Por Vinícius Souza – Meu Timão

Numa manhã de domingo triste para o futebol brasileiro, o líder Corinthians não saiu do 0 a 0 com o Coritiba. Seguro defensivamente, mas pouco criativo no ataque, o Timão, que vinha de seis vitórias consecutivas, empatou sem gols com o oponente paranaense em jogo disputado no estádio Couto Pereira, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Um gol mal anulado marcado por Jô, contudo, mudou a história do confronto.

Ainda assim, o resultado garantiu ao Corinthians de Fábio Carille uma invencibilidade de 21 partidas, a décima maior da história do clube, e um ponto importante fora de casa. Com 20 pontos, o esquadrão alvinegro aguarda o jogo entre Cruzeiro e Grêmio para saber se permanecerá na primeira colocação por mais uma rodada.

Antes de a bola rolar, uma notícia lamentável tomou o noticiário esportivo e o clima no Couto Pereira. Veículos com torcedores do Corinthians foram apedrejados por torcedores do time mandante ao acessarem uma via fora do trajeto que levaria à entrada destinada aos visitantes. Houve confronto a poucos metros do estádio, e ao menos seis pessoas foram encaminhadas ao hospital – uma delas, ainda não identificada, em estado grave.

Corinthiano espancado foi levado com vida ao hospital
Corinthiano espancado foi levado com vida ao hospital

Por conta do episódio, a Polícia Militar segurou a delegação do Corinthians no hotel no qual a equipe estava hospedada. O atraso, de cerca de 30 minutos, não alterou o protocolo da CBF: apenas os atletas do Coritiba se perfilaram no campo para a execução do hino nacional e do Paraná, enquanto os jogadores do Timão se trocavam no vestiário.

Protocolo da CBF foi mantido mesmo sem jogadores do Corinthians
Protocolo da CBF foi mantido mesmo sem jogadores do Corinthians

PRIMEIROTEMPO

Infelizmente, a morte violenta de um torcedor não impediu que houvesse jogo no Couto Pereira. E os primeiros 45 minutos foram de um Corinthians bem postado defensivamente e armado para puxar contra-ataques em velocidade. O Coritiba, forte dentro de seus domínios, tinha a posse da bola por maior tempo e não demorou a levar perigo. Quando o fez, Cássio evitou que o Timão saísse atrás do placar.

As principais ações do time paranaense surgiam pelo lado direito do ataque, com Rildo e Henrique Almeida. A dupla, aliás, finalizou ao gol alvinegro uma vez cada durante a etapa inicial: na primeira oportunidade, a bola se perdeu pela linha de fundo; na segunda, Cássio espalmou para escanteio.

O técnico Fábio Carille precisou mexer na escalação antes mesmo do intervalo. O meia Marquinhos Gabriel sentiu dores no músculo posterior da coxa direita e pediu substituição, dando lugar ao atacante Clayson aos 29 minutos. A entrada do ex-Ponte Preta não chegou a alterar o panorama da partida, e o Corinthians pouco produziu ofensivamente.

“(A pressão) é do jogo, nada de anormal, isso faz parte. A equipe do Coritiba é qualificada e está na terceira colocação. Está 0 a 0, com um gol nós podemos ganhar a partida”, analisou o goleiro Cássio, destaque do Timão na etapa inicial.

SEGUNDO TEMPO

Corinthians e Coritiba não pareciam dispostos a abrir mão de seus bons sistemas defensivos para tentar algo diferente. Líder do Brasileirão, a equipe paulista sequer fazia questão de ter a bola e obrigava os donos da casa a proporem o jogo, algo que demonstravam ter bastante dificuldade, mesmo junto à sua torcida.

A ineficiência ofensiva do Timão em solo paranaense obrigou Carille a modificar sua equipe pela segunda vez: sacou Gabriel, que acabara de receber cartão amarelo, e deu chance a Camacho.

Nos instantes finais do embate, precisamente aos 42 minutos, um lance marcado de forma equivocada pelo juiz carioca Marcelo de Lima Henrique e seus assistentes mudou a história do duelo. O atacante corinthiano Jô recebeu passe dentro da área após rápida tabela e balançou as redes do Coritiba, mas teve o lance mal anulado pelo trio de arbitragem.

Jô estava atrás da linha da bola no momento do passe; gol foi mal anulado pela arbitragem
Jô estava atrás da linha da bola no momento do passe; gol foi mal anulado pela arbitragem

O gol, que não veio, deixaria o Corinthians próximo da vitória em Curitiba. Após o apito final, o camisa 7 do Timão, protagonista no lance, evitou culpar o árbitro. “Cara, foi um lance muito rápido. É ‘um dois’. Não deu para saber o que aconteceu. O mais importante aqui foi pontuar, ganhar um pontinho. Agora é descansar, porque quinta-feira tem outro jogo (contra o Bahia, na Arena Corinthians)”, concluiu Jô.

Leave a comment