May 7, 2017
admin

Mais uma vez campeão

CORINTHIANS CONFIRMA VANTAGEM NA ARENA E É CAMPEÃO PAULISTA DE 2017

 

Goleiro Cássio foi capitão do Corinthians diante da Ponte Preta

 

Do Meu Timão

“E que gooooool. Coringão na frente. Olha o espetáculo, olha a emoção e a motivação. Olha a festa no Brasil. Você enche de lagrimas os olhos desse povo. Você enche de felicidade o coração desta gente. Corinthians, o grito sufocado de um povo. O grito do fundo do coração de um torcedor”.

40 anos atrás, Osmar Santos narrava assim o título do Campeonato Paulista de 1977, conquistado pelo Corinthians sobre a Ponte Preta depois de um jejum de 23 anos. Neste domingo, diante do mesmo oponente, um novo capítulo da história alvinegra foi escrito na Arena.

E que capítulo! Com gol de Ángel Romero, tão criticado desde que chegou ao Parque São Jorge, o Timão de Tobias e Cássio, de Zé Maria e Fagner, de Basílio e Jadson, empatou com a Ponte Preta por 1 a 1 e se sagrou campeão paulista de 2017.

Solta o grito, torcedor. Pode comemorar! No centésimo jogo da Arena Corinthians, que recebeu a primeira decisão da equipe em sua história, o Timão não deu margem ao erro, teve atuação segura e coroou a boa campanha ao longo do certame. Méritos a Fábio Carille, que driblou a desconfiança da diretoria, as críticas da torcida e levou a chamada “quarta força” de São Paulo à 28ª taça do clube.

Primeiro tempo

Organização tática. Desde o primeiro minuto de jogo na Arena Corinthians, a equipe de Fábio Carille mostrou como pretendia vencer a Ponte Preta dentro de seus domínios e ficar com o troféu de campeão estadual: na base da troca de passes, triangulações e infiltrações, características do time moldado ao longo do primeiro semestre.

Até por isso quem foi a Itaquera demorou a ver jogadas de perigo de gol. Com a desvantagem por 3 a 0 no placar agregado, a Ponte tentava alçar bolas na área a qualquer custo e tinha no trio de ataque – Lucca, Clayson e William Pottker – a esperança de abrir o marcador antes do intervalo. Ainda assim, os primeiros a obrigarem um goleiro a trabalhar foram os corinthianos.

Aos 29 minutos, após erro na saída de bola dos campineiros, Jadson avançou pelo lado direito e cruzou para Romero. O atacante paraguaio, cercado por um zagueiro adversário, ajeitou de cabeça para Maycon, que arrematou de canhota da entrada da área e acertou a trave do goleiro Aranha. Na sobra, Jô finalizou forte, mas acabou bloqueado pela defesa.

A essa altura, o Corinthians controlava as ações como queria dentro de campo e sequer era incomodado pela equipe comandada por Gilson Kleina, bastante impaciente, aliás. Mas faltava o gol, que não veio aos 42 minutos, quando Jô fez bela jogada pela direita e cruzou rasteiro para Romero. Bem colocado, Nino Paraíba afastou de qualquer maneira e evitou o estopim corinthiano. Por ora.

“Começamos um pouco desligados, os deixamos trabalharem bem a bola, depois melhoramos. Tivemos uma bola na trave e chegamos outras vezes. A equipe está indo conforme o combinado”, disse Jô na saída para o intervalo. “Nossa equipe sabia que eles iam vir para cima. No começo jogo se impuseram um pouco, mas criamos chances e só faltou a bola entrar. É ter um pouco mais de tranquilidade para fazer o gol”, acrescentou Jadson.

Segundo tempo

Ainda que o placar da Arena Corinthians evidenciasse o empate sem gols, a imensa maioria dos 46.017 pagantes logo passou a celebrar a conquista. “É campeão, é campeão, é campeão!”, entoava a Fiel. Era o grito que faltava para o Corinthians deslanchar na tarde de domingo.

Aos 17 minutos do segundo tempo, após saída errada de Fernando Bob, Fagner recuperou a bola e tocou para Jadson. O meia-atacante, em outro belo lance, rolo para Romero na entrada da área. À la 1977, o paraguaio chutou e, depois de defesa à queima-roupa de Aranha, contou com a corte para pegar a sobra e estufar as redes alvinegras. 1 a 0 e título encaminhado em Itaquera!

Sem nada a perder além da conquista estadual, a Ponte Preta se mandou ao ataque e até chegou ao gol de empate, com Marllon, mas não foi capaz de reverter a derrota sofrida em casa.

Escalações

Corinthians: Cássio (capitão); Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Paulo Roberto; Jadson, Camacho, Maycon e Romero; Jô.

Ponte Preta: Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Kadu e Arthur; Fernando Bob, Elton e Jadson; Lucca, Clayson e William Pottker.

May 1, 2017
admin

Com a mão na taça

rodriguinho-marcou-dois-e-deu-assistencias-para_75m

Por Meu Timão

O Corinthians viajou a Campinas para disputar a primeira partida da final do Campeonato Paulista. Com dois gols de Rodriguinho e um de Jadson, o Timão abriu boa vantagem vencendo o duelo por 3 a 0.

O duelo marcou a estreia do novo uniforme reserva, nas cores preto e branco – que já é tradicional. A nova camisa também já levou a estampa da Universidade Brasil, que fechou patrocínio pontual para a partida em Campinas.

A final contou com presenças especiais na torcida no Moisés Lucarelli. O ex-jogador e eterno ídolo do Timão, Ronaldo Fenômeno, foi no vestiário do Timão antes do jogo e depois acompanhou o duelo ao lado de seu filho Ronald. Além dele, Cléber Xavier, auxiliar de Tite na Seleção Brasileira, também acompanhou o duelo.

Com a vantagem, o Corinthians agora recebe a Ponte Preta na Arena em Itaquera. No próximo domingo, dia 7 de maio, também às 16h, as duas equipes fazem o último e decisivo jogo do Campeonato Paulista de 2017.

RODRIGUINHO NELES!

Mesmo fora de casa, o Corinthians iniciou o duelo pressionando e tocando a bola. A Ponte Preta também criou boas oportunidades, deixando o jogo com chances para os dois lados desde o começo.

Aos nove minutos, o primeiro lance de perigo foi do Corinthians. Fagner passou para Jô, que mandou o chute direto para o gol. Aranha espalmou, e ninguém aproveitou o rebote.

Minutos depois, aos 13, a pressão corinthiana surtiu efeito. Em uma linda jogada, Jô tocou para Romero, que devolveu para o centroavante. De primeiro, o camisa 7 deixou Rodriguinho livre dentro da área para marcar o primeiro gol do Timão na final. 1 a 0!

Mesmo com o placar favorável, a partida se mantinha equilibrada para as duas equipes. Aos 16 minutos, seis finalizações – três para cada lado.

O Corinthians seguiu tocando a bola, enquanto a Ponte Preta parecia sentir o gol tomado. Aos 28, a equipe tentou com Nino Paraíba, que chutou de longe e mandou para mais longe ainda.

Aos 31, o Timão perdeu o seu primeiro jogador para a finalíssima na Arena. Rodriguinho levou amarelo e está fora do jogo. Um minuto depois, Gabriel também foi amarelado e se tornou o segundo desfalque.

Antes do final do primeiro tempo, Rodriguinho ainda teve mais uma boa chance de cabeça, mas a bola foi defendida por Aranha – veja abaixo no vídeo.

JADSON E MAIS RODRIGUINHO!

A Ponte Preta voltou para o segundo tempo com duas alterações. Reynaldo e Jadson deixaram o jogo para as entradas de Artur e Renato Cajá, respectivamente.

Mesmo com as alterações, o Corinthians conseguiu iniciar a segunda etapa dominando o jogo e segurando o ritmo. A equipe de Campinas criava jogadas, mas o Timão resistia à pressão.

Aos 13, de novo, o placar ficou mais favorável para o Corinthians. Em um contra-ataque, Rodriguinho dá uma bela arrancada, toca para Jadson que acerta uma bomba de perna direita. 2 a 0 para o Timão!

 

Depois do gol, Gilson Kleina realizou a última alteração na equipe de Campinas. O zagueiro Yago, que pertence ao Corinthians, deixou o jogo para a entrada de Kadu. Minutos depois, foi a vez de Carille mexer na equipe pela primeira vez. Paulo Roberto entrou no lugar de Gabriel, que já havia levado amarelo e poderia ser expulso se fosse advertido novamente.

Assim como na primeira etapa, a equipe de Campina voltou a sentir o gol do Corinthians. Pouco agressiva, a Ponte Preta não conseguia criar novas chances. A marcação corinthiana também estava bem colocada, dificultando que os pontepretanos encontrassem espaços.

Aos 31, Carille fez mais uma mudança. Pensando em não perder Jadson para o próximo jogo, o treinador colocou Clayton em seu lugar. Minutos depois, Rodriguinho quase ampliou o placar, mas teve chute travado pela defesa de Campinas.

Aos 34, porém, a defesa não conseguiu parar o meia, que viveu tarde inspirada. Fagner cobrou lateral, a bola quicou no gramado e chegou até Rodriguinho. De cabeça, o meia ampliou ainda mais a vantagem do Timão – 3 a 0.

Na sequência, Maycon, que também estava pendurado, foi substituído por Camacho. Com o novo gol, torcedores da Ponte Preta já deixaram o estádio mesmo antes do apito final. Sem novas chances, o árbitro apitou o duelo vencido pelo Corinthians com facilidade.

Apr 23, 2017
admin

Na final

Corinthians empata com o São Paulo e vai reeditar a final de 1977

Gazeta Esportiva

Jô só enfrentou o São Paulo neste domingo, dia de São Jorge, porque o zagueiro Rodrigo Caio inocentou o rival em uma jogada de cartão amarelo há uma semana, no Morumbi. E foi justamente o centroavante, em um lance com suspeita de impedimento, quem abriu caminho para o empate por 1 a 1 em Itaquera e a consequente classificação do Corinthians à decisão do Campeonato Paulista. O argentino Lucas Pratto igualou o placar.

A adversária da final será a Ponte Preta, algoz de Santos e Palmeiras nas fases anteriores, em uma histórica reedição dos três confrontos que decidiram o Campeonato Paulista de 1977. Há 40 anos, o Corinthians superou o time de Campinas com um gol do ídolo Basílio e encerrou um jejum de quase 23 anos sem a conquista de um título expressivo.

Para alcançar a decisão e acabar com o estigma de quarta força do Estado, crítica decorrente da temporada ruim de 2016 e dos investimentos escassos no elenco de 2017, o Corinthians já havia derrotado o São Paulo na primeira partida das semifinais. No último domingo, fez 2 a 0 no Morumbi, com gols de Jô, de novo, e do meia Rodriguinho.

Ao São Paulo, restará esperar o compromisso de volta da Copa Sul-Americana para disputar um novo mata-mata. O reencontro com o Defensa y Justicia, com o qual o time de Rogério Ceni empatou por 0 a 0 na Argentina, será em 11 de maio, no Morumbi. Um dia antes, o Corinthians visitará a Universidad de Chile, que bateu por 2 a 0 em Itaquera, em Santiago.

Apr 20, 2017
admin

Vamos em frente

CORINTHIANS JOGA MAL, SUCUMBE NA ARENA E CAI NA COPA DO BRASIL

Timão se despede da Copa do Brasil com atuação fraca diante de rival gaúcho
Timão se despede da Copa do Brasil com atuação fraca diante de rival gaúcho

Foto: Reprodução/TV

O Corinthians está fora da briga pelo título da Copa do Brasil 2017. Mesmo depois de voltar do Beira-Rio com 1 a 1 na bagagem, o Timão não foi páreo para o Internacional na noite desta quarta-feira, voltou a empatar pelo mesmo placar no tempo normal e acabou eliminado da competição nos pênaltis, por 4 a 3.

Pelo lado do Internacional, Brenner, Valdívia, Victor Cuesta e Diego converteram suas cobranças; William e Léo Ortiz desperdiçaram. Já pelo Corinthians, Jadson, Jô e Fagner marcaram, enquanto Maycon, Marquinhos Gabriel e Guilherme Arana perderam.

A equipe alvinegra volta a campo no próximo domingo, diante do rival São Paulo, às 16h (de Brasília), na mesma Arena, pela segunda e decisiva semifinal do Campeonato Paulista. O time de Carille poderá até perder por 1 a 0 que ainda assim estará na decisão do torneio estadual.

Corinthians cai na quarta fase da Copa do Brasil
Corinthians cai na quarta fase da Copa do Brasil

Reprodução/TV

PRIMEIRO TEMPO

Reforçado com Jadson e Jô, poupados do empate por 1 a 1 no Beira-Rio, o Corinthians não demorou a mostrar serviço dentro de seus domínios. O lado esquerdo da defesa do Internacional, protegido pelo ex-Timão Uendel, cedia espaços às investidas de Fagner. E foi pelo setor do camisa 23 que a equipe de Fábio Carille encontrou o primeiro gol.

Aos sete minutos da etapa inicial, Fagner arremessou lateral para a grande área. O centroavante Jô, cercado de defensores gaúchos, conseguiu resvalar na bola, toque suficiente para desmontar o esquema de Antônio Carlos Zago: livre na soba, o volante Maycon bateu no canto esquerdo do goleiro Marcelo Lomba e abriu o placar na Arena Corinthians.

Pouco depois, Jô, que havia ido às redes no clássico contra o São Paulo do último fim de semana, teve oportunidade para ampliar o marcador. Em rápido contra-ataque, Rodriguinho deu passe em profundidade para o camisa 7, que avançou em direção à área colorada e finalizou forte, à esquerda de Lomba, mas para fora.

O começo promissor do Corinthians frente a um Internacional afobado e desorganizado taticamente acabou interrompido aos dez minutos. Isso porque torcedores situados no setor Norte do estádio alvinegro, destinado às torcidas organizadas, acenderam sinalizadores, o que obrigou o árbitro carioca Marcelo de Lima Henrique a paralisar a partida por quatro minutos.

Torcedores acenderam sinalizadores em arquibancada da Arena
Torcedores acenderam sinalizadores em arquibancada da Arena

Reprodução/TV

A temperatura dentro das quatro linhas baixou dali em diante. Com o regulamento sob os braços, o Timão de Carille abriu mão da posse de bola e adotou como plano A o contra-ataque pelas beiradas do campo. O objetivo quase foi concluído com sucesso aos 47, quando Fagner tabelou com Rodriguinho, avançou à linha de fundo e cruzou rasteiro. O próprio camisa 26 dominou na entrada da área e, bloqueado pela zaga colorada, optou pelo passe a Romero, à esquerda. O atacante paraguaio, porém, bateu de chapa e viu Lomba fazer grande defesa.

“Temos de continuar jogando como estamos. Temos uma boa vantagem. Nossa equipe começou bem, mas baixamos um pouco. Fui tentar dominar a bola para chutar de esquerda, mas ela deu continuidade e sobrou para o Maycon”, disse Jô antes de seguir para o vestiário.

SEGUNDO TEMPO

O Internacional voltou a campo a fim de furar o sistema defensivo corinthiano e, quem sabe, levar a decisão para as penalidades máximas. Ainda assim, o primeiro a dar as cartas no período complementar foi o Timão.

Aos onze, Ángel Romero, válvula de escape da equipe de Carille, avançou pela esquerda livre de marcação. O atacante dominou com categoria e cruzou na medida para Rodriguinho, artilheiro do Corinthians na Copa do Brasil com dois gols, cabecear para fora. Mais uma chance perdida pelos donos da casa, que, a essa altura, preocupavam a maioria dos 32.352 mil torcedores presentes nas arquibancadas – público, aliás, que rendeu à Arena a quebra da marca de 3 milhões de expectadores.

Com o esquadrão alvinegro já sem o ímpeto ofensivo dos primeiros 45 minutos, Fábio Carille tentou achar a solução no banco de reservas. Sacou Romero e Gabriel para as respectivas entradas de Clayton e Marquinhos Gabriel.

Quis o destino que o primeiro deles, recém-contratado do Atlético-MG, tivesse a classificação do Corinthians nos pés. O atacante, dono da camisa 9, ficou com a sobra na pequena área, mas arrematou por cima da meta de Lomba, que pouco havia trabalhado na segunda etapa.

Clayton ficou cara a cara com Lomba, mas desperdiçou
Clayton ficou cara a cara com Lomba, mas desperdiçou

Reprodução/TV

As exaustivas oportunidades perdidas, somadas à competência do Internacional, levaram a decisão para as cobranças de pênalti. Melhor para os gaúchos, que venceram após o lateral-esquerdo Guilherme Arana arrematar para longe do gol de Lomba. Uma eliminação justa a quem se fechou dentro de seus domínios e fracassou ao matar no peito a classificação às oitavas de final da Copa do Brasil.

ESCALAÇÕES

Corinthians: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Jadson, Rodriguinho e Romero; Jô

Internacional: Marcelo Lomba, William, Léo Ortiz, Victor Cuesta e Uendel; Rodrigo Dourado, Alselmo e Gutiérrez; Nico López, Roberson e Brenner

Apr 16, 2017
admin

Vitória no Morumbi

O Corinthians não deu chances ao São Paulo na noite deste domingo, no estádio do Morumbi, na ida das semifinais do Campeonato Paulista. A equipe do técnico Fábio Carille atropelou o rival taticamente, venceu por 2 a 0 com gols de Jô e Rodriguinho e se aproximou bastante da vaga na final do Estadual.

Com a vitória de 2 a 0, o Corinthians leva para o jogo de volta a vantagem de poder até mesmo perder por um tento de diferença e, ainda assim, sair com a vaga. O duelo está marcado para o próximo domingo, na Arena. Vale reforçar que o regulamento não prevê peso extra a gols marcados fora de casa.

Vale ainda destacar a escalação utilizada por Carille para iniciar o Majestoso deste domingo.
Rodriguinho, que era dúvida por conta de uma gripe, foi confirmado na equipe alvinegra, que entrou em campo com: Cássio, Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Ángel Romero; Jô.

PRIMEIRO TEMPO

O Corinthians, logo nos primeiros instantes de partida, já deu sinais de que não perdoaria vacilos da defesa são-paulina. Aos quatro minutos, Romero recebeu passe de Jadson e, esbanjando visão de jogo, enfiou em profundidade para Fagner. O lateral apareceu como elemento surpresa e, por pouco, não abriu o placar para o Timão.

Pouco mais de dez minutos depois, Rodriguinho e Romero tentaram tabelar para invadir a grande área tricolor. A zaga afastou o perigo parcialmente, mas Jadson pegou o rebote. E aí… O camisa 77 do Corinthians soltou a bomba em direção ao ângulo direito de Renan Ribeiro. O goleiro são-paulino saltou e se esticou todo para fazer grande defesa.

O gol corinthiano parecia questão de tempo. E assim foi! Aos 20 minutos, Jô ganhou dividida pela esquerda e encontrou Rodriguinho centralizado. O atacante, então, disparou em direção à entrada da área, recebeu passe do camisa 26 entre os zagueiros adversários e, cara a cara com Renan Ribeiro, deslocou o arqueiro e estufou as redes do Morumbi.

Dando uma aula de compactação e consequente eficiência defensiva quando não estava com a posse de bola, a equipe de Fábio Carille aguardou cirurgicamente para ampliar o marcador. Aos 47 minutos, naquele que seria o último lance do primeiro tempo, Rodriguinho recebeu passe de Guilherme Arana, abriu caminho e arriscou chute rasteiro de longa distância, carimbando o canto direito do gol são-paulino e aumentando a vantagem do Timão.

SEGUNDO TEMPO

A etapa complementar não começou de forma muito animadora para o Corinthians. Logo aos três minutos, Jadson torceu o joelho direito em um lance isolado e, reclamando de dores, deixou o gramado. Carille optou por colocar o atacante Clayton na vaga do camisa 77.

E ao contrário do que foi visto nos 45 minutos iniciais, o ataque do São Paulo passou a assustar o Corinthians. Cássio, nos primeiros 15 minutos, fez duas grandes defesas: primeiro em cobrança de falta venenosa de Maicon e depois em chute cruzado de Gilberto.

Somente aos 27 minutos é que o Corinthians voltou a chegar com perigo. Jô, sempre participativo no meio de campo alvinegro, encontrou Rodriguinho em liberdade. O meia avançou sozinho e soltou a bomba. A bola foi para fora, mas passou próxima do ângulo direito de Renan Ribeiro.

E foi justamente Rodriguinho quem, pouco depois, viria a ser substituído. Cansado, o meia, autor de um gol e uma assistência, deu lugar a Camacho. Ainda houve tempo para Léo Jabá entrar no lugar de Romero. No fim das contas, porém, nada que alterasse o cenário visto em campo: vitória corinthiana por 2 a 0 com “nó tático” de Carille para cima do técnico Rogério Ceni.

Apr 13, 2017
admin

Decisão é na Arena Corinthians

Da Gazeta Esportiva

A3395F116349-1024x683

Corinthians e Inter ficaram no empate por 1 a 1 no Beira-Rio (Foto: Ricardo Duarte/SCI

O Corinthians foi pressionado durante boa parte da partida, mas perdeu algumas grandes chances de saír do Beira-Rio como vencedor após Romero abrir o placar e Rodrigou Dourado deixar tudo igual para os donos da casa. No final, o Alvinegro ficou no empate por 1 a 1 diante do Internacional na noite desta quarta-feira, na partida de ida da quarta fase da Copa do Brasil.

Com o resultado, o Corinthians precisa apenas de um empate sem gols no jogo da volta, marcado para o dia 19, próxima quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no estádio de Itaquera. O Inter, por sua vez, tentará ao menos marcar um gol para assegurar uma vaga nas oitavas de final da competição, já que empate por mais de dois gols á a classificação à equipe. Se houver vencedor, ele se classifica.

O próximo jogo de ambas equipes, porém, será por seus respectivos campeonatos estaduais. Enquanto os comandados de Fábio Carille abrem a semifinal do Campeonato Paulista diante do São Paulo no domingo, às 19h (de Brasília), no Morumbi, Antônio Carlos Zago e sua trupe recebem o Caxias, no sábado, às 19h (de Brasília), também no Beira-Rio.

Inter pressiona, mas Timão também leva perigo

O primeiro tempo da partida no Beira-Rio mostrou um Internacional valorizando bastante a posse de bola e buscando empurrar o Corinthians para dentro da sua área, sempre tentando as jogadas alçando a bola para o centroavante Brenner. Do outro lado, os alvinegros tentaram escapadas rápidas em contra-ataque, sempre com lançamentos para o lado esquerdo, fosse para Marquinhos Gabriel, fosse para Romero.

O primeiro lance de perigo, por sinal, saiu dos pés justamente dos pontas escolhidos por Fábio Carille para a partida. Marquinhos Gabriel, logo aos três minutos, recebeu na entrada da área, pelo lado esquerdo, e cruzou na marca do pênalti. Carlinhos afastou mal e Romero, livre, pegou de primeira próximo à pequena área. Marcelo Lomba defendeu e, no rebote, saiu para abafar mais uma tentativa do avante corintiano.

A resposta colorada não tardou a chegar. Após escanteio cobrado dentro da área, a bola acabou sobrando para o zagueiro Victor Cuesta, na pequena área. Ele chutou rasteiro e Cássio fez boa defesa. No rebote, Nico López tentou dar um bico na bola, mas ela rebateu em Arana e ficou tranquila para o goleiro agarrá-la, fazendo os corintianos respirarem aliviados.

Dali para frente, o jogo transcorreu praticamente todo no campo dos paulistas, que viram Brenner perder duas chances incríveis sem marcação. A melhor oportunidade, porém, veio em cruzamento errado de Edenilson, que só não fez gol porque Cássio se recuperou com um tapinha e mandou a bola na trave. Na única resposta dos visitantes, Maycon pegou sobra de bola dentro da área e exigiu um “milagre” de Lomba.

O Corinthians voltou para o segundo tempo com a mesma atitude, mas, dessa vez, conseguiu aproveitar quando criou uma chance de gol. Na sua primeira esticada para o lado esquerdo, Clayton conseguiu dominar e esperou a passagem de Guilherme Arana. Rápido, o canhoto pegou de primeira e cruzou rasteiro na segunda trave. A bola passou por Marcelo Lomba e Romero, de carrinho, empurrou para a rede.

A vantagem, porém, durou tão pouco que nem deu tempo de os visitantes ficarem confortáveis. Sem deixar a bola sair do seu campo de ataque, o Inter aproveitou um escanteio para cobrar rapidamente com D’Alessandro, apesar das reclamações corintianas que o correto seria um tiro de meta. O argentino acionou Nico López, que cruzou na primeira trave. Rodrigo Dourado aproveitou a desatenção de Pablo, antecipou o zagueiro e mandou para a rede.

Animado pelo empate, o Inter tentou usar a empolgação da torcida para conseguir a virada, mas esbarrou no nervosismo demonstrado pelos seus homens de frente. O Timão, por sua vez, apostou na entrada de Giovanni Augusto para ser uma espécie de “falso 9”, mais inteiro fisicamente do que Marquinhos Gabriel nas puxadas de contra-ataque.

Na grande chance para conquistar a vitória, porém, o armador não conseguiu justificar sua confiança em continuar no Corinthians. Após belo passe de Rodriguinho, ele correu o campo inteiro do Inter sem marcação e, cara a cara com Marcelo Lomba, bateu em cima do goleiro colorado, desperdiçando a chance de aumentar ainda mais a vantagem corintiana

FICHA TÉCNICA
INTERNACIONAL 1 X 1 CORINTHIANS

Local: estádio Beira-Rio, em Porto Alegre
Data: 12 de abril de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Assistentes: Luiz Claudio Regazone e Thiago Henrique Farinha (ambos do RJ)
Cartões amarelos: Cuesta, Carlinhos (Internacional); Fagner, Maycon, Guilherme Arana (Corinthians)
Gols:
INTERNACIONAL: Rodrigo Dourado, aos 12 minutos do segundo tempo
CORINTHIANS: Romero, aos oito minutos do segundo tempo

INTERNACIONAL: Marcelo Lomba; William, Léo Ortiz, Victor Cuesta, Carlinhos; Uendel, Rodrigo Dourado, Edenílson (Gutiérrez); D’Alessandro, Nico Lopez e Brenner (Carlos)
Técnico: Antônio Carlos Zago

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon (Camacho), Romero, Rodriguinho e Marquinhos Gabriel (Giovanni Augusto) (Léo Jabá); Clayton
Técnico: Fábio Carille

Apr 9, 2017
admin

Avançando!

Por Vinícius Souza – Meu Timão

O Corinthians está classificado para as semifinais do Campeonato Paulista. Com gol de Rodriguinho, o Timão venceu o Botafogo-SP por 1 a 0, neste domingo, na Arena Corinthians, e avançou para a próxima fase por ter empatado sem gols no jogo de ida, em Ribeirão Preto, no último dia 1º.

Ainda não há definição a respeito do próximo oponente do Timão no estadual. Com 28 pontos, a equipe do Parque São Jorge garantiu a segunda melhor campanha da competição, atrás apenas do Palmeiras, atual líder. Assim, é possível que São Paulo ou Ponte Preta encarem o esquadrão alvinegro nas semis – o time campineiro visita o Santos nesta segunda-feira, às 20h, no Pacaembu.

PRIMEIRO TEMPO

A equipe de Carille não demorou a fazer jus ao posto de mandante e criou duas oportunidades claras de gol antes dos dez primeiros minutos. A primeira, com o centroavante Jô, parou em defesa à queima-roupa do goleiro Neneca. Depois, Rodriguinho recebeu livre na entrada da área, perdeu o tempo da bola e tentou cavadinha, mas pegou de canela e desperdiçou chance fácil.

Rodriguinho perdeu chance inacreditável de gol, mas se redimiu

O Corinthians continuou a criar jogadas de ataque, principalmente pelo lado esquerdo, com Guilherme Arana e Maycon trocando passes em velocidade e aparecendo nas costas da marcação. Rodriguinho, por sua vez, que havia marcado diante da Universidad de Chile, falhava na construção e entregava a bola de graça para a zaga botafoguense.

Aos 22 minutos do primeiro tempo, Cássio foi acionado pela primeira vez. Após cruzamento certeiro da direita, Marcão subiu livre e acertou belo cabeceio, obrigando o goleiro corinthiano a fazer grande defesa no ângulo esquerdo. Um susto necessário para um time que demorava a engrenar.

Quis o destino que o jogador com mais erros em campo sacasse um gol da cartola. E que gol! Em jogada iniciada por Arana na esquerda, a bola passou pelos pés de Maycon e parou em Jadson. O camisa 77, então, cruzou na cabeça de Rodriguinho, que acertou o canto direito de Neneca para abrir o placar.

SEGUNDO TEMPO

Se o setor de criação do Corinthians agiu rápido no começo do jogo, Ángel Romero e Jô mal tocaram na bola no início do período complementar. Precisando vencer, o Botafogo abriu mão da postura defensiva e lançou-se ao campo do Timão, que passou a ter como principal arma o contra-ataque pelo meio.

Aos 17 minutos, em jogada que mais se assemelhava a replay, Rodriguinho apareceu livre de frente para a meta de Neneca. Mas o armador, mais uma vez, diminuiu a passada e não finalizou a gol, sendo desarmado pela defesa rival.

Pouco depois, Fábio Carille promoveu sua primeira alteração no time: sacou o discreto Romero para a entrada de Clayton, recém-contratado do Atlético-MG. O técnico corinthiano ainda deu oportunidade a Marquinhos Gabriel, que retornava de longo período no departamento médico, e ao jovem Pedrinho, xodó da torcida do clube.

A essa altura, o Botafogo tentava o gol que levaria a decisão para as penalidades máximas, mas sofria com a organização defensiva da equipe armada por Carille. Sorte da maioria dos 33.491 torcedores que foram à Arena.

O Corinthians volta a campo na próxima quarta-feira, diante do Internacional, às 21h45 (de Brasília), no Beira-Rio. O embate será válido pela ida da quarta fase da Copa do Brasil.

ESCALAÇÕES

Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Romero; Jô
Botafogo-SP: Neneca; Samuel Santos, Gualberto, Matheus Mancini e Fernandinho; Marcão Silva, Bileu, Diego Pituca e Rafael Bastos; Francis e Marcão

Apr 7, 2017
admin

Entrevista ao Esporte Interativo

Amigos e amigas do Corinthians,

na noite de ontem o Esporte Interativo levou ao ar um bate-papo que tive com o apresentador André Henning.

Foi uma conversa agradável e descontraída em que foi possível falar sobre a política do clube, a arena e outros diversos assuntos referentes ao futebol corinthiano e brasileiro.

A entrevista pode ser assistida abaixo.

Apr 5, 2017
admin

Bela vitória

Quem viu apenas os 45 minutos inciais, dificilmente acreditará. Mas… “Dando aula” de ofensividade à Universidad de Chile no segundo tempo, o Corinthians venceu os gringos por 2 a 0, com autoridade, na noite desta quarta-feira, na Arena, pelo jogo de ida da primeira fase da Copa Sul-Americana. Os gols foram anotados pelos meias Rodriguinho e Jadson.

Com o resultado, o Corinthians joga a partida de volta, dia 10 de maio, no Chile, com a vantagem de poder até perder por um gol de diferença para avançar à segunda fase da Copa Sul-Americana. Se fizer ao menos um gol, o Timão obriga os chilenos a vencerem por quatro tentos de diferença. Caso os adversários triunfem por 2 a 0, a decisão irá para as penalidades.

Vale ainda destacar que houve confusão nas arquibancadas da Arena antes e durante o jogo. Parte dos mais de mil torcedores da Universidad de Chile que compareceram a Itaquera depredou o setor de visitantes, entrou em confronto com a polícia e acabou expulsa do estádio.

ESCALAÇÃO

Em relação à equipe que havia empatado em 0 a 0 de forma apática contra o Botafogo-SP, no último sábado, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, o Corinthians foi escalado com duas mudanças: Léo Príncipe na vaga do suspenso Fagner e o recuperado Rodriguinho no lugar de Camacho.

Assim, o Timão entrou em campo nesta quarta com: Cássio, Léo Príncipe, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Ángel Romero; Jô.

Balbuena foi o capitão do Corinthians diante da Universidad de Chile

PRIMEIRO TEMPO

Ao contrário do que os mais otimistas torcedores do Corinthians poderiam imaginar, quem começou a partida ditando o ritmo e pressionando o adversário foi a Universidad de Chile. Os visitantes se aproveitaram da falta de compactação do meio de campo alvinegro para construírem jogadas de ataque.

Com menos de 15 minutos de jogo, os chilenos já haviam finalizado cinco vezes, contra apenas um chute do Timão. A oportunidade mais clara de gol, nesse início de partida, foi de Felipe Mora, que se aproveitou de falha de Pablo para, sozinho, finalizar no canto direito de Cássio, obrigando o goleiro a fazer grande defesa.

Em meados da etapa inicial, a Universidad de Chile, ainda ditando o ritmo do jogo, decidiu acalmar a partida e valorizar a posse de bola em seu setor defensivo. A equipe de Fábio Carille, por sua vez, encontrou enorme dificuldade em apertar os adversários – exceção a Jô, que foi o único corinthiano a, ainda que em vão, tentar tirar a bola dos chilenos.

Eis que, no mais improvável dos momentos, quando a torcida alvinegra já começava a perder a paciência com a passividade de sua equipe, sairia o tento corinthiano– na primeira oportunidade real de gol do Timão. E haja bate e rebate! Respiremos fundo e vamos lá:

Jadson aproveitou desvio do árbitro e iniciou a jogada pela esquerda, tocando para Romero na entrada da área. O paraguaio rolou para Maycon, que voltou para Jadson. Prensado pela defesa chilena, o camisa 10 achou Jô no canto esquerdo. O camisa 7 deixou para Arana, que entrava na área em liberdade. O lateral cruzou “para quem aparecesse”, tendo sua bola afastada parcialmente pela zaga rival. Romero ficou com a sobra e, num cabeceio para baixo, ajeitou para Gabriel. O volante apareceu como um foguete para, de primeira, carimbar a trave do goleiro Herrera. No rebote, Arana tentou nova finalização, mas o arqueiro salvou. Em mais uma sobra, enfim, Rodriguinho apareceu para estufar as redes, acabando com a agonia alvinegra. Ufa! Que gol chorado!

E foi assim que, de um jeito bastante improvável e ao mesmo tempo genuinamente corinthiano, o Timão foi para os vestiários no intervalo com a vantagem no marcador.

SEGUNDO TEMPO

A etapa inicial começou de forma semelhante à inicial: os chilenos tomando iniciativa e o Corinthians mais recuado. Dessa vez, contudo, a partida ganhou ares mais dinâmicos. Em outras palavras: os contra-ataques do Timão passaram a funcionar, com jogadores de meio de campo visivelmente mais ligados.

A Universidad de Chile, é bem verdade, foi quem chegou com perigo primeiramente: Espinoza bateu falta perigosíssima, tirando tinta das traves de Cássio.

Mas, também a exemplo do que foi visto nos 45 minutos iniciais, foi o Corinthians quem soube aproveitar melhor suas nem tão frequentes finalizações. Jadson bateu falta lançando Jô, que ajeitou de cabeça para trás. Rodriguinho, na entrada da área, com um simples toque, amaciou a pelota para… Jadson! O camisa 10 apareceu de trás e encheu o pé, com endereço certeiro: o canto direito da meta chilena. Golaço!

E poderia ser mais! O mesmo Jadson, pouco tempo depois, deu lançamento longo e preciso para Jô. O camisa 7 disputou corrida com a defesa chilena e, cara a cara com Herrera, bateu em cima do goleiro.

Percebendo que o Corinthians crescera para cima dos visitantes, Carille promoveu alterações ofensivas (e surpreendentes) em seu esquadrão: saíram Rodriguinho e Jadson para as entradas de Clayton e Pedrinho.

Não demorou para Clayton, após contra-ataque puxado por Jô, ter sua oportunidade. O camisa 9 deu belos dribles na zaga chilena e acabou titubeando somente na hora da finalização, vendo Herrera fazer outra boa defesa.

Sem problema! Com reação e ofensividade surpreendentes, o Corinthians fez muito bem sua lição de casa. Resta agora confirmar a classificação no jogo de volta. Até mês que vem!

Mar 30, 2017
admin

Em frente

Após 20 dias, o Corinthians voltou a comemorar uma vitória. E jogando bem. Na noite desta quarta-feira, apesar de o técnico Fábio Carille ter poupado alguns titulares em Itaquera, a sua equipe foi envolvente e derrotou o Linense por 3 a 1 no último compromisso pela primeira fase do Campeonato Paulista.

O adversário nas quartas de final será o Botafogo-SP, que somou 17 pontos, na segunda colocação do grupo A. O líder Corinthians computou 24, consequência de suas sete vitórias, três empates e duas derrotas na etapa classificatória. Já o Linense fez 17 na chave B e agora enfrentará o São Paulo (20).

Mesmo com o bom retrospecto, o Corinthians não estava empolgando. Não ganhava uma partida desde 9 de março, quando fez 2 a 0 sobre o Luverdense. Depois, enfileirou empates por 1 a 1 com Ponte Preta, Luverdense, Red Bull Brasil e São Paulo, além de ter amargado uma derrota por 1 a 0 para a Ferroviária.

Também em função dos resultados recentes, o público desta noite esteve entre os piores do Corinthians em Itaquera – 12.159 pagantes. Quem foi ao estádio acabou recompensado com gols de Léo Jabá e Jadson no primeiro tempo e de Romero no segundo. Thiago Humberto descontou para o Linense.

O jogo – Diante de um público pequeno em Itaquera, o Corinthians apostou na velocidade dois garotos para fazer com que quem preferiu não ir ao estádio se arrependesse. Pedrinho, pela direita, e Léo Jabá, pela esquerda, eram as principais armas do técnico Fábio Carille diante do Linense.

Quando os novatos trocaram de lado, o Corinthians abriu o placar. Aos dez minutos, Guilherme Arana foi acionado por Jadson e acrescentou mais um bom cruzamento da esquerda ao currículo. Léo Jabá correu do lado direito da área e usou a cabeça para colocar a bola na rede.

Com a vantagem no marcador, o Corinthians teve tranquilidade para jogar ainda mais solto dentro de casa. Pelo Linense, a solução encontrada foi encurtar o caminho para o gol com conclusões de longa distância. O goleiro Caíque, substituto do poupado Cássio, no entanto, saiu-se bem quando Thiago Humberto e Thiago Santos lhe testaram.

Sem forçar tanto, contando com a marcação alta de Gabriel e Camacho, o Corinthians conseguiu complicar ainda mais a situação do time visitante. Aos 38 minutos, Jadson recebeu a bola de Léo Jabá e resolveu arriscar o chute colocado de fora da área. Anotou um belo gol.

No segundo tempo, talvez temendo que o Corinthians pudesse se acomodar com a vitória parcial, alguns torcedores não esperaram nem três minutos para pedir que Carille aumentasse o poderio ofensivo da equipe. “Romero! Romero! Romero!”, gritaram, em referência ao atacante que estava no banco de reservas e, um dia antes, integrara o time do Paraguai derrotado pela Seleção Brasileira por 3 a 0, também em Itaquera.

Carille não titubeou diante do coro. Aos nove minutos, Pedrinho, que mancava em campo, saiu aplaudido para a entrada de Romero. No Linense, o técnico Márcio Fernandes também não se contentou com a leve melhora da sua equipe e mexeu no ataque. Joãozinho e Giovanni substituíram Tatá e Thiago Santos.

Não muito tempo depois, quando o Corinthians voltava a ser mais incisivo, Léo Jabá também deixou o gramado, cedendo espaço a Marciel. E o terceiro gol saiu. Aos 21 minutos, Jadson fez bonita enfiada de bola para Romero avançar pelo lado direito da área e finalizar sobre o goleiro Edson Kolln. Na comemoração, o maior artilheiro de Itaquera, com 17 gols, agarrou uma bandeira paraguaia tradicionalmente pendurada no setor sul do estádio.

Em situação bastante confortável para o restante da partida, o Corinthians permitiu que o Linense descontasse. Aos 30, Giovanni ficou com a bola pela direita e cruzou rasteiro. Livre de marcação no meio da área, Thiago Humberto deu um carrinho para mandar para dentro e vazar Caíque.

O gol do Linense não diminuiu a animação da torcida do Corinthians, que continuou a cantar, satisfeita, nas arquibancadas de Itaquera. Ninguém também se importou quando o habitualmente contestado Fellipe Bastos ocupou a vaga de Jadson, já nos minutos finais da primeira vitória corintiana em 20 dias.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 3 X 1 LINENSE

Local: Estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 29 de março de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho (SP)
Assistentes: Daniel Paulo Ziolli (SP) e Alex Alexandrino (SP)
Público: 12.159 pagantes (total de 12.369)
Renda: R$ 471.297,90
Cartões amarelos: não houve
Gols: CORINTHIANS: Léo Jabá, aos 10, e Jadson, aos 38 minutos do primeiro tempo; Romero, aos 21 minutos do segundo tempo; LINENSE: Thiago Humberto, aos 30 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Caíque; Léo Príncipe, Balbuena, Pedro Henrique e Guilherme Arana; Gabriel, Camacho, Pedrinho (Romero), Jadson (Fellipe Bastos) e Léo Jabá (Marciel); Jô
Técnico: Fábio Carille

LINENSE: Edson Kolln; Bruno Moura, Rodrigo Lobão, Samuel e Bruno Costa; Pio, Maycon, Diego Felipe (Murilo Rangel) e Thiago Humberto; Tatá (Joãozinho) e Thiago Santos (Giovanni)
Técnico: Márcio Fernandes

Pages:«12345678...178»