Browsing articles in "Uncategorized"
Mar 13, 2012

Que segunda!

(Edgard Degas. “Les repausseses”, 1884, oleo sobre tela)

A saída de Ricardo Teixeira da Presidência da CBF bem que poderia ser um marco para uma grande mudança no futebol brasileiro. Acho que o ideal seria que nossa principal entidade de futebol trilhasse o mesmo caminho do Corinthians. Nossas autoridades federais poderiam estabelecer uma regra – que o Timão adotou – de proibição de reeleição por mais de um período, no nosso caso três anos. E isso deveria ser pra todo o esporte nacional.

No caso do futebol, o colégio votante deve incluir os Clubes da Primeira divisão (Segunda e Terceira, também), como ocorre em todo o mundo. Sem reeleição entrariamos em um novo ciclo do futebol (de todos os esporte, na verdade). Não sei se o Executivo e o Legislativo  topariam fazer uma mudança desta dimensão, mas este seria o momento.

Diretor de Futebol da CBF

Neste blog já disse que o ex-presidente Andrés Sanches não deveria ter aceito o convite para ser Diretor de Futebol da CBF. Como afirmei, não é do DNA de cartolas do Timão ocuparem cargos onde deverão fazer composições, acordos com SPFC, Palestra, Vasco e  Flamengo. Nosso Clube e sua presença social imensa, não permitem um convívio de barganhas e composições. E na Seleção é só isso o que existe.

Cargo na CBF é para Dirigente de Clubes médios, não para gente do Corinthians. Nós nascemos e crescemos no confronto.

E a CBF não é nossa praia.

O problemaço Adriano

Não vou repetir aqui tudo que já falei sobre o caso Adriano. Desde sua contratação pelo São Paulo em 2009, quando recebi uma saraivada de ataques dos tricolores, pois disse que o problema do jogador não era só uma recuperação muscular, mas envolvia outros (e mais graves) problemas, tenho mantido uma posição serena.

Agora, quando o Corinthians anuncia  seu desligamento, não vou mudar tudo o que falei. Não vou culpar o jogador por ele ter um problema. Quando contratamos sabíamos de tudo. Inclusive das dificuldades que o atleta teria para voltar atuar de forma adequada. Não creio que devamos fazer como outro Clube que, frustrado com a não recuperação do jogador, passou a acusar a doença e o paciente.

O Corinthians fez uma aposta. E ela deu errado. Ou porque o paciente era dificil ou porque não nos preparamos adequadamente para superarmos  os problemas. Como é sabido, não é apenas contusão muscular (isso se recupera) ou um pouco de peso. A depressão e o alcoolismo são de superação complexa. E não é coisa para médico ortopedista (isto quando o são).

Não cabe, neste momento, satanizar o jogador, como fará a mídia em geral. O Clube cometeu erros desde o momento da contratação, quando inventou que ele viria sob duas condições: receberia por produção (quer dizer, jogando ganhava); e o Clube poderia rescindir o contrato a qualquer tempo. Não havia nada disso. Era apenas uma mentirinha para acalmar a torcida que era contra.

Conhecendo os problemas do jogador, o Clube deveria ter procurado especialistas de gabarito para tentar resolver suas questões. Mesmo grandes profissionais teriam dificuldades. Mas, enfim, nada deu certo. E nós ficamos sem um atleta nas competições deste semestre. O Clube apostou, não se preparou bem e perdemos.

Vamos pra frente que o leite já foi derramado.

Que Ibope fraquinho!

No último domingo o Palestra goleou mas quase levou ao desespero a TV Globo na sua transmissão direta do Campeonato Paulista. Foi uma audiência fraca. Muito fraca. Que prejudica o futebol como um todo.

Olha a mídia, querendo limpar o passado.

Chega a ser constrangedor ver jornalistas (rádios, tv, jornais e blogs) que ficaram elogiando o ex-Presidente da CBF, Ricardo Teixeira, ao longo destes anos,  e agora passam a fazer duros ataques a sua gestão. Tudo bem que este fenômeno de atacar quem cai  já é conhecido. Mas deveriam ser mais discretos.

Como também fica ruim para a mídia atacar o jogador Adriano, como se ele e sua doença fossem culpados de tudo. Ninguém na mídia se lembra do que divulgaram – quando da contratação – uma pequena mentira da Direção do Timão: o jogador ganharia por produção e o contrato poderia ser rescindido a qualquer tempo.

Como a mídia divulgou isso – de forma intensa e com elogios – lembrar hoje poderia respingar nas “cordeiríssimas” notícias que deram.